quinta-feira, 14 de novembro de 2019 VALE DO RIO TIJUCAS E COSTA ESMERALDA

Marcação cerrada

Postado em 15 de fevereiro de 2018
Foto: Divulgação

Nascido em Major Gercino e criado em São João Batista, o deputado estadual Altair Silva (PP) protocolou moção na Assembleia Legislativa para que o presidente da República, Michel Temer (MDB), corrija o equívoco histórico na sanção da Lei Federal 13.617/2018, que concede ao município de Santa Teresa (ES) o título de Pioneiro da Imigração Italiana no Brasil. O início da colonização italiana no Espírito Santo deu-se em 21 de fevereiro de 1874, exatos 37 anos e 11 meses após a chegada dos primeiros imigrantes à Colônia Nova Itália, no Vale do Rio Tijucas.

O presidente do parlamento catarinense, deputado estadual Aldo Schneider (MDB), acolheu a proposição do colega e, em nome da Alesc, encaminhou o apelo ao chefe da Nação. Se corrigido o erro, São João Batista passa a ser, de fato e de direito, o Pioneiro da Imigração Italiana no Brasil.

Na foto, Altair Silva apresenta a moção a entusiastas da proposta e representantes da comunidade e do governo batistense

Imigração italiana

Postado em 24 de janeiro de 2018

O presidente Michel Temer (MDB) mexeu num vespeiro ao sancionar a Lei Federal 13.617/2018, que atribui, equivocadamente, ao município de Santa Teresa, no Espírito Santo, o título de “Pioneiro da Imigração Italiana no Brasil”. Representantes de entidades da sociedade civil e do Poder Público catarinenses vêm se organizando para provar, por A mais B, ao chefe da Nação e a quem quer que seja, que essa alcunha pertence, de fato, a São João Batista, abrigo da Colônia Nova Itália.

Os requerentes, que se reuniram sexta-feira (19) na Alesc (Assembleia Legislativa de Santa Catarina), se baseiam nos registros do historiador Paulo Vendelino Kons, que viveu na Colônia. De acordo com o arquivo, 132 imigrantes italianos fundaram a Colônia Nova Itália, a pioneira no Brasil, no Vale do Rio Tijucas-grande, em 1836. O início da colonização italiana no Espírito Santo teria ocorrido 37 anos e 11 meses depois, em 21 de fevereiro de 1874.

Café amargo

Postado em 4 de outubro de 2017

A caneca repousa na mesa do prefeito Elói Mariano Rocha (PSD). É para o café, o chá; para o ego. Não foi amplamente reproduzida, e tampouco envolve recursos públicos. Mas gerou polêmica e interpretações variadas. Mais uma vez, o assunto rendeu críticas diversas à administração municipal nas redes sociais. Na falta de informação, pregou-se que a prefeitura havia encomendado o brinde e distribuído na comunidade.

As censuras vão além, principalmente pelo equívoco na inscrição “Prof. Elói / Gestão 2017-2021”. O governo de Mariano Rocha, como todos sabem, termina em 2020. O engano, entretanto, se existe, se atribui à Asseut (Associação dos Estudantes Universitários de Tijucas), que presenteou o prefeito e alguns secretários municipais com a caneca.

Quem recebeu a peça, a propósito, justifica que a gestão mencionada, nesse caso, não é a do município; mas da própria associação, que confeccionou o brinde e que, em princípio, celebra mandatos de cinco anos.