quinta-feira, 21 de novembro de 2019 VALE DO RIO TIJUCAS E COSTA ESMERALDA

Preocupação fiscal

Postado em 13 de novembro de 2019

Se as administrações públicas do Vale do Rio Tijucas, em geral, conquistaram posições destacadas no IFGF (Índice Firjan de Gestão Fiscal) 2019, o mesmo não se pode dizer de Canelinha. No levantamento, a Cidade das Cerâmicas aparece no preocupante 267º lugar entre os 295 municípios catarinenses.

Os números, a propósito, deram margem para o requerimento 89/2019, do vereador Antônio Carlos Flores (PSDB), que cobra explicações do prefeito Moacir Montibeller (MDB) sobre o “comprometimento do orçamento com os gastos na folha de pagamento”. O parlamentar quer, ainda, que a prefeitura deixe a Câmara a par da “real situação financeira do município”.

Flash e revelação

Postado em 28 de outubro de 2019

Na seara política de Canelinha, brotam mais pré-candidatos a prefeito do que cambucá em tempo de colheita. O fotógrafo Valter Pacheco, que tem “total simpatia pelo PSL” — mesmo que o partido já tenha definido, por ora, o advogado Diogo Francisco Alves Maciel como opção para o pleito majoritário de 2020 — quer dizer “alô, povo! Vamos mudar nossos pensamentos! Todos têm o direito de se candidatar!” e se dispõe ao crivo dos peesselistas para a concorrência que se avizinha.

Pacheco, de família tradicional do Moura, garante que quer “uma campanha sem brigas”, e se considera “mais povão” que as alternativas à disposição do eleitorado na Cidade das Cerâmicas. E acha que pode, e deve, seguir os passos do irmão, supermercadista em São Bento do Sul, que, segundo ele, “tem 80% da preferência dos são-bentenses para a prefeitura nas próximas eleições”.

De cinco ou seis para três ou quatro

Postado em 17 de outubro de 2019

A corrente oposicionista começa a ser definida em Canelinha. E o ex-vereador e ex-secretário municipal Zulmar Simas é quem vem pavimentando o caminho dos confrades para 2020. Ontem, ele recebeu, em casa, para tratar do assunto, cinco pré-candidatos à chefia do Executivo — com exceção do ex-prefeito Antônio “Tonho” da Silva (PP), que alegou problemas de agenda.

A reunião serviu, sobretudo, para afunilar a concorrência interna. Os pretensos postulantes no pleito majoritário, agora, pela oposição, são três: os vereadores Antônio Carlos “Toninho da Casan” Flores (PSDB) e Abel Grimm (PP), e o advogado Diogo Francisco Alves Maciel (PSL). O também vereador Fernando de Souza (PRB) declinou, e optou por compor a chapa como candidato a vice-prefeito ou disputar novamente uma cadeira na Câmara Municipal; e o ex-prefeito e ex-vice-prefeito Eloir “Lico” Reis (PSDB) anunciou que deve apenas tentar a vereança nas próximas eleições.

Antecessor de Moacir Montibeller (MDB), porém, Tonho continua tramando a candidatura majoritária na ala oposicionista; mas tem resistência no grupo, especialmente porque enfrenta batalhas judiciais que podem impactar na elegibilidade ou, ainda, dificultar a eleição.

Microfone fechado

Postado em 7 de outubro de 2019

O voluntariado da ex-primeira-dama Denise Corrêa Silva na Rede Feminina de Combate ao Câncer de Canelinha pode ter sido, conforme se especula, um dificultador para que a entidade recebesse espaço na tribuna da Câmara Municipal, semana passada. O presidente do Legislativo, Arlindo de Simas (PL), havia concordado com a participação das voluntárias na sessão, mas, na hora, justificou que o regimento interno impedia a cessão do uso da palavra.

Sob manifestações de vereadores, ponderações e discussões, Simas foi convencido, enfim, no encerramento do encontro, a ignorar o regulamento e abrir os microfones para a Rede. A presidente Berenice Goulart conseguiu alguns minutos para discorrer sobre o Outubro Rosa, mas, desde então, os termos “politicagem” e “humilhação” passaram a recorrer entre as voluntárias e nas rodas de conversa da Cidade das Cerâmicas.

Tributo à boemia

Postado em 24 de setembro de 2019

Personagens marcantes da boemia tijuquense — alguns saudosos e outros em plena atividade — estão na voz de Janet Machnacz, no saxofone de Joel Brito e na poesia sublime do ex-prefeito Ênio Laus, de Canelinha, que compôs, com inspiração celestial, o samba “Aline e o Seu Violão”. Figuras ilustres e entidades dos folguedos da Capital do Vale, como o Café no Bule de Kaio BerlinckPerrengaCidoca, a farra do boi no Sul do Rio, o BarTuel do saudoso Batuel de Oliveira, as peripécias de Carlos PortellaBayer Neto, Vilson LemosGuilherme VarelaWalter Gomes e cia, e até o Kaya na Kana do Janga Moraes e as andanças do Davi “Galo Velho” Melo formam o enredo da obra, com arranjos irrepreensíveis e acompanhamento do maestro Nicolau Varela. Ouça e se deleite:

Ênio Laus, a propósito, que está prestes a completar 85 anos muito bem vividos, deve receber uma merecida e faustuosa homenagem, em novembro, ao som de Janet & Joel Brito e, claro, de “Aline e o Seu Violão”.

Reafirmação

Postado em 10 de setembro de 2019
Foto: Léo Nunes

O vereador Vilson Natálio Silvino fez suspense, mas, no fim, reassumiu, sem surpresas, a presidência do PP tijuquense por mais um mandato. A cerimônia de homologação da única chapa, por aclamação, ontem, na sede social do Jardim das Amendoeiras, contou com progressistas de Tijucas, Canelinha, São João Batista, Major Gercino e Nova Trento, e, destacadamente, com o prestigiado senador Esperidião Amin, acompanhado da mulher, a deputada federal Ângela Amin, e do filho, deputado estadual João Amin — seguramente, os maiores expoentes do partido no estado.

Nem somente, porém, os pepistas formaram o quórum do evento. Além do prefeito Elói Mariano Rocha (PSD) e do vice-prefeito Adalto Gomes (PL), que estiveram na mesa de honra, representantes de outras legendas — como o ex-prefeito Uilson Sgrott (DEM), os vereadores Rudnei de Amorim (DEM), Fabiano Morfelle (PDT) e Odirlei Resini (MDB), mais o empresário Thiago Peixoto dos Anjos, que deve concorrer à prefeitura em 2020 no PDT — ainda participaram do ato.

Figuras preminentes do partido, como o ex-prefeito Nilton de Brito, o empresário Helio Gama e o médico Rogério de Souza, evidentemente, também assinaram o protocolo na prestigiada convenção do PP tijuquense.

Fruta da estação

Postado em 6 de setembro de 2019

A burlesca sugestão do presidente da Câmara Municipal de Canelinha, vereador Arlindo de Simas (PL), semana passada, para que o município invista no cultivo do cambucá — o que, na visão dele, incentivaria o turismo e movimentaria a economia —, segue gerando pilhérias de toda sorte na Cidade das Cerâmicas. Todos os dias, nas rodas de cavaco e nos grupos de WhatsApp, alguém menciona a fruta e faz uma chalaça. Virou folclore.

Simas, porém, continua sendo o único que não vê graça nenhuma nos comentários jocosos sobre o tema. Terça-feira (3), aliás, ele pediu à secretária do Legislativo que lesse, no encerramento da sessão, um memorando repleto de parábolas e ensinamentos. A nota atentou para o fato de que “enquanto o eucalipto leva cinco anos para se transformar numa árvore de R$ 500, cada cambucazeira geraria R$ 2 mil anuais” e argumentou que “as pessoas só jogam pedras em árvores que estão dando frutos; e que são pedradas de inveja”.

Na manhã seguinte, provavelmente sensibilizado com a lição, um cidadão canelinhense escreveu alguns versos e divulgou nas redes sociais. Diz o texto, gravado em áudio, que “São João Batista tem sapatarias, e em Nova Trento vamos para rezar. Em Tijucas tem um dinossauro, e em Canelinha temos cambucá”. Pois, então?!

Viaduto no papel

Postado em 2 de setembro de 2019
Foto: Lilian Freitas

O deputado federal Darci de Matos (PSD-SC) faz questão de divulgar, via assessoria de comunicação, a reunião de semana passada, na ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres), noticiada com exclusividade no Blog, com os prefeitos de Porto Belo, Emerson Stein (MDB), e de Tijucas, Elói Mariano Rocha (PSD), além de membros do Fórum Parlamentar Catarinense — entre eles o deputado federal Rogério “Peninha” Mendonça (MDB-SC) — e representantes da Arteris SA, que controla as ações da Autopista Litoral Sul em Santa Catarina.

Matos reforça que o projeto executivo das alças de acesso em Porto Belo e do viaduto de contorno em Tijucas foi autorizado. As obras devem custar cerca de R$ 100 milhões. “A construção deste elevado, que fica no Km 161 da BR-101, próximo à Ponte de Santa Luzia, trará mais mobilidade e facilitará o acesso para os municípios de Canelinha, São João Batista, Nova Trento e Major Gercino. Estamos acompanhando esse pleito aqui em Brasília, junto à ANTT, para que ele seja atendido”, finaliza.

Pulmões à prova

Postado em 29 de agosto de 2019
Foto: Divulgação

O advogado Nelson Zunino Neto (E), aos 47 anos, foi o segundo batistense da história a concluir uma maratona (42,2 quilômetros), semana passada, em Florianópolis. O primeiro foi o professor dele, Tiago da Conceição — natural de Canelinha, radicado em São João Batista há mais de 20 anos.

Zunino Neto passou por um processo de reeducação alimentar e, desde que adquiriu a forma física ideal, vem treinando diariamente e se dedicando às provas de resistência. Em um ano e meio conseguiu eliminar 28 quilos e se tornou atleta de alto rendimento. Quando não está no escritório ou no Fórum, está correndo. Em dezembro, ficou na 3.569ª posição entre 30 mil competidores na tradicional Corrida de São Silvestre, em São Paulo.

Ideia frutífera

Postado em 29 de agosto de 2019

As conclusões do vereador Abel Grimm (PP) sobre o colega Arlindo de Simas (PL), que preside o Legislativo canelinhense, entraram no WhatsApp e passaram, agora, ao anedotário da Cidade das Cerâmicas. “Votei quatro vezes numa coisa dessas para prefeito. Quatro vezes! Uma, duas, três, quatro! Também me culpo. Onde eu estava com a cabeça? Ainda bem que isso nunca ganhou!”, diz o progressista por mensagem de áudio nos grupos de conversação dos smartphones.

A mais recente proposição de Simas, terça-feira (27), na tribuna da Câmara, teria motivado a manifestação revoltosa — e bem humorada — do confrade. O presidente do parlamento canelinhense sugeriu que o município investisse no cultivo do cambucá, um fruto da família das Myrtaceaes — a exemplo da jabuticaba e da pitanga —, para “incentivar a economia e o turismo” locais. Desde então, em Canelinha, não se fala e nem se ri de outra coisa.