sábado, 24 de outubro de 2020 VALE DO RIO TIJUCAS E COSTA ESMERALDA

Sem identidade

Postado em 23 de outubro de 2020

Advogados, os candidatos a prefeito e vice-prefeito Diogo Francisco Alves Maciel (PSL) e Antonio Carlos Machado Junior (PSL), de Canelinha, não tiveram como — ou não quiseram — explicar à Justiça Eleitoral por que o candidato a vereador Martinho Luiz Tomazzia (PSL) apresentou documento de identidade de outra pessoa no registro de candidatura. O prazo para defesa foi encerrado, e o registro, evidentemente, indeferido.

De acordo com a sentença, “não se trata de mera irregularidade, mas de definição da identidade de quem é o candidato: se é mesmo Martinho, ou se é Silvio (titular dos documentos apresentados)”. O fato, inusitado e surpreendente, chama a atenção. Pois, então?!

Contraponto

Postado em 14 de outubro de 2020

Sobre a nota “Inimigo íntimo“, de hoje no Blog, o candidato a vereador Valdeci Nunes (REPUBLICANOS) garante que não pediu votos para Antônio da Silva (PP) e Altamiro José Adames (PSD) durante evento da coligação “Unidos Faremos Mais Por Canelinha”, domingo (11), em um bar da cidade, e que apenas recepcionou, cordialmente, os candidatos a prefeito e vice da aliança adversária na chegada ao local.

Nunes diz, ainda, que usou o microfone porque, naquele momento, cantava no karaokê do bar; e que continua alinhado a Diogo Francisco Alves MacielAntonio Carlos Machado Junior, candidatos a prefeito e vice do PSL, com quem o Republicanos é coligado.

Inimigo íntimo

Postado em 14 de outubro de 2020

Se o advogado Diogo Francisco Alves Maciel (PSL) depender do otimismo do candidato a vereador Valdeci Nunes (PRB) — da própria coligação — para alcançar a prefeitura de Canelinha nestas eleições, tem uma tarefa das mais difíceis pela frente. Pelo menos, foi o que ficou evidente no evento de campanha da aliança “Unidos Faremos Mais Por Canelinha”, domingo (11), num bar da Cidade das Cerâmicas.

Nunes, que surpreendentemente participava do encontro, não se conteve: pegou o microfone e bradou “Tonho e Altamiro!”, em referência às candidaturas do ex-prefeito Antônio da Silva (PP) e do vereador Altamiro José Adames (PSD) à chefia do Executivo municipal. A manifestação foi gravada e circula insistentemente, desde então, nos grupos de conversação online da cidade.  Pois, então?!

Surpresa

Postado em 6 de outubro de 2020
Foto: Divulgação

Personagem marcante das fileiras emedebistas de Canelinha e do Vale do Rio Tijucas, a ilustre advogada Elineide Lícia Martins — ex-presidente da subseção regional da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) e figura das mais conceituadas no meio — assumiu de vez o apoio ao ex-prefeito Antônio da Silva (PP) na concorrência majoritária da Cidade das Cerâmicas. Ela e o ex-mandatário, a propósito, sempre estiveram em trincheiras opostas; mas, agora, surpreendentemente, em campanha contra um candidato do MDB e um advogado, estão abraçados.

Doutora Lícia, como é conhecida popularmente, sublinhou, semana passada, em reunião política no bairro Índia, o desejo de ver Silva novamente no comando do município. Além da advogada, chamaram a atenção, ainda, as presenças, no encontro, do irmão de uma colegiada do atual governo e da filha de um vereador oposicionista.

Prato cuspido

Postado em 30 de setembro de 2020

Quem imaginou que, com a ausência do prefeito e candidato à reeleição Moacir Montibeler (MDB), o debate entre postulantes à prefeitura de Canelinha, sexta-feira (25), no VipSocial, seria um jogo de compadres entre Antônio da Silva (PP) e Diogo Francisco Alves Maciel (PSL) — com ataques congregados à administração municipal —, enganou-se redondamente. Especialmente da parte do estreante na eleição, que chegou, inclusive, a elogiar a atual gestão em determinado momento, e, com frequência surpreendente, descompor o concorrente progressista.

Por estratégia ou motivos escusos, nem pareceu, durante o embate, que Alves Maciel nutria alguma estima por Silva, que ganhou lastro eleitoral no comando do PP e abraçado ao ex-prefeito, e que quase chegou a firmar aliança com os colas-brancas na véspera da convenção peesselista. Se a intenção era mostrar que o divórcio foi assinado e consumado, o advogado seguiu fielmente a cartilha. Pois, então?!

Estranho no ninho

Postado em 16 de setembro de 2020

Um fato inusitado vem provocando reações diversas entre emedebistas de Canelinha. Há algumas semanas, o prefeito e pré-candidato à reeleição Moacir Montibeler (MDB) nomeou o servidor público Édio Carlos Pereira como secretário de Administração e Finanças do município. Nada de anormal, não fosse Edinho, como é mais conhecido, apoiador declarado do ex-mandatário e pré-candidato a prefeito Antônio da Silva (PP) e figura proeminente nos governos colas-brancas.

Há, porém, uma explicação. Pereira recebia gratificações por serviços prestados a outras pastas e uma autarquia do município; e os pagamentos teriam sido questionados pelo Tribunal de Contas. Montibeler, portanto, para poder arcar com os vencimentos do servidor e cumprir a lei de responsabilidade fiscal, teria encontrado esta solução. Mas, ainda assim, um cola-branca confesso no alto escalão de um governo cola-preta continua sendo algo um tanto indigesto para os apoiadores do prefeito na Cidade das Cerâmicas. Pois, então?!

União, decepção e convenção

Postado em 14 de setembro de 2020

Empresários e marketeiros políticos, inclusive de Tijucas e São João Batista, tentaram unir as oposições em Canelinha. Muitos foram os mentores da fusão entre o PSL, o PP e o PSD, e que articularam o lançamento da chapa com o advogado Diogo Francisco Alves Maciel (PSL) e o vereador Abel Grimm (PSD) para o pleito majoritário da Cidade das Cerâmicas. O acordo foi proposto na noite de sexta-feira (12), e o ex-prefeito Antônio da Silva (PP), aceitando a convergência, já havia anunciado desistência da corrida ao paço e pré-candidatura à Câmara Municipal.

A notícia, publicada em seguida no site da Rádio Clube, porém, provocou uma enxurrada de manifestações contrárias nas redes sociais. Então pré-candidato a vice de Alves Maciel, o vereador Antonio Carlos Machado Junior (PSL), quando tomou conhecimento da manobra, falou, por mensagem de áudio para correligionários, em “surpresa e tristeza”. No sábado (13) ao meio-dia, no entanto, e diante das críticas, o acordo foi desfeito e os peesselistas confirmaram a chapa pura.

DECEPÇÃO

Desapontado com o desfecho das negociações, o vereador Abel Grimm (PSD) informou a apoiadores que decidiu abandonar as eleições e repensar a carreira pública. “Vou dar um tempo nestes quatro anos. Não sou objeto. Tenho a minha história. Não consideraram minha representação, meu trabalho”, desabafou em mensagem para uma eleitora.

Grimm garantiu que tudo havia ficado definido na sexta-feira (12) à noite, e que esperava ao menos um telefonema de Diogo Maciel para justificar a desistência do acordo. Na gravação, ele conta que apenas soube da quebra do tratado quando recebeu o vídeo em que os pré-candidatos do PSL para o pleito majoritário anunciam a manutenção da chapa. “Para mim estava tudo certo. Era negócio de homem”, lamentou.

POEIRA SACUDIDA

O ex-prefeito Antônio da Silva (PP), no entanto, com o fim das conversas com o PSL e a crise existencial de Grimm, agiu rápido, retomou a pré-candidatura ao cargo máximo do município e definiu, em convenção, à noite, o também vereador Altamiro Adames (PSD) como companheiro de chapa. “As pesquisas dizem que 42% dos eleitores de Canelinha continuam indecisos. Vamos vencer as eleições”, diz, otimista.

Fato ou fake?

Postado em 9 de setembro de 2020
Foto: Divulgação

Há rumores, em Canelinha, sobre um súbito desencanto do ex-prefeito Antônio da Silva (PP) com o processo eleitoral e possibilidade de desistência da disputa. Um drama familiar que teria afetado a popularidade do ex-mandatário seria o motivo. Ao Blog, com exclusividade, ele nega as especulações e diz que “é tudo boato, tudo mentira”.

Na semana passada, Silva e o vereador e pré-candidato a vice-prefeito Abel Grimm (PSD) cumpriram a sessão de fotos para a campanha e, pela descontração, pareceram, de fato, firmes na proposta e alheios ao disse me disse. Pois, então?!

Valor legal

Postado em 25 de agosto de 2020

Em atenção à nota “Sem surpresas“, publicada hoje, o vereador Antonio Carlos Machado Junior (PSL), de Canelinha, garante que a decisão da representação municipal do PSL — que chancelou o advogado Diogo Francisco Alves Maciel como único pré-candidato a prefeito do partido nestas eleições — não tem qualquer validade legal. “A reunião (de ontem, em que houve a votação para a cabeça da chapa) seria somente para definir a agenda dos pré-candidatos a vereadores e vídeos para a campanha”, pontua o parlamentar.

Machado Junior diz, ainda, que nem ele e nem Alves Maciel participaram do encontro, porque estavam em Blumenau, tratando do assunto com o deputado estadual Ricardo Alba (PSL); e que, conforme acordado anteriormente, a escolha do candidato a prefeito vai depender exclusivamente de uma pesquisa já encomendada. “Nem mesmo a executiva do partido em Canelinha tem valor legal e poder de decisão. É uma comissão provisória”, conclui.

Sem surpresas

Postado em 25 de agosto de 2020

Favas contadas. O advogado Diogo Francisco Alves Maciel é, agora oficialmente, o único pré-candidato a prefeito de Canelinha pelo PSL. A conjeturada indecisão no diretório municipal, que considerava o vereador Antonio Carlos Machado Junior (PSL) opção para a concorrência majoritária, foi dirimida em assembleia do partido, ontem.

Alves Maciel recebeu 32 dos 33 votos na dirigência peesselista do município e confirmou a preferência entre os correligionários. Machado Junior, porém, venceu a prévia para a composição da chapa e deve se candidatar a vice-prefeito. O farmacêutico Filipe Rodrigues (PSL) e o ex-prefeito Eloir “Lico” João Reis (PSD) também estiveram entre as alternativas cotadas — e votadas — para a disputa da vice-prefeitura.