quarta-feira, 4 de agosto de 2021 VALE DO RIO TIJUCAS E COSTA ESMERALDA

Pretensão

Postado em 16 de julho de 2021
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Esteio do PP para as eleições de 2020 — com a cessão de peças importantes para a reconstrução do partido, como o atual vereador Cláudio de Oliveira — o Podemos de Tijucas planeja se reestruturar no município. Tem o gerente administrativo do Samae (Serviço Autônomo Municipal de Água e Esgoto), Fabiano Saramento, e o empresário Paulo Sergio “Galinha” Pinto no pelotão de frente, e a pretensão de se tornar grande para as próximas eleições.

Uma das figuras que devem assinar filiação ao partido é a vereadora estreante Nadir Amorim (PSD), que aceitou convite pessoal do deputado federal Rodrigo Coelho (atualmente no PSB, mas com migração para o Podemos já anunciada). A regência municipal da legenda estima que em 2022, depois da janela de transferências partidárias, tenha pelo menos dois representantes no Legislativo tijuquense.

Reação tucana

Postado em 27 de fevereiro de 2019
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

As representações do PSDB na região, principalmente em Tijucas, São João Batista e Major Gercino, foram muito afetadas com os resultados das eleições de 2018. O ex-deputado estadual Serafim Venzon – que também não alcançou a reeleição no pleito recente – assumiu a tarefa de reestruturação do partido nestes municípios e vem conversando com os correligionários locais, mas admite que os diretórios estão muito fragilizados. “Não fomos bem nas eleições nacional e estadual. Tivemos muitas perdas e precisamos reagir”, comenta.

Venzon garante que algumas medidas serão tomadas no próximo mês. No caso de Tijucas, o retorno da ex-vereadora Lialda Lemos ao comando do partido vem sendo considerado. “Tenho excelente relação com ela. Ainda não conversamos, mas existe essa hipótese”, confirma o ex-deputado, que aguarda definições nas executivas nacional e estadual para formar o planejamento regional.

Fato e análise

Postado em 8 de outubro de 2018
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Para os catarinenses, um fato: Gelson Merisio (PSD) e Carlos Moisés da Silva (PSL) estão no segundo turno. Para os tijuquenses, uma análise: as urnas responderam satisfatoriamente às requisições do prefeito Elói Mariano Rocha (PSD) e do engenheiro Sérgio “Coisa Querida” Cardoso, e mostraram, mais uma vez, que o MDB municipal precisa urgentemente de uma reestruturação integral.

Os periquitos, sempre fortes, perderam duas vezes no mesmo pleito; uma para o ímpeto dos colas-brancas organizados, com a máquina e com unidade, e outra para a “onda Bolsonaro”, que içou o Comandante Moisés a um nível de popularidade jamais imaginado na Capital do Vale. Ou seja: a eleição sempre polarizada nas searas tijuquenses entre amarelos e verdes, desta vez teve, além de um surpreendente personagem – que não foi o candidato do PT, Décio Lima, com seus previsíveis mil e tantos votos de ordem no município –, a ineficiência do MDB local, muito associada às disputas de egos no seio da legenda.

Merisio somou quase o dobro dos votos de Mauro Mariani (MDB) em Tijucas – 7.758 contra 4.187 – e, tal qual no pleito de 2016, instituiu um marco na história dos confrontos entre colas-brancas e periquitos na cidade. Sinais claros de que a administração municipal tem aprovação popular, e do inquietante gangrenamento do MDB tijuquense.