quarta-feira, 26 de junho de 2019 VALE DO RIO TIJUCAS E COSTA ESMERALDA

Prefeito presidente

Postado em 4 de junho de 2019

Cobranças, desgaste e divergências internas. Estes são, extraoficialmente, alguns dos motivos pelos quais o presidente do PSD de Tijucas, empresário Jilson “Gil” de Oliveira – também diretor do Samae (Serviço Autônomo Municipal de Água e Esgoto) –, entregou os rumos do partido para o prefeito Elói Mariano Rocha (PSD). O chefe do Executivo municipal deve assumir o comando da legenda por, no mínimo, quatro meses.

Para o Blog, Oliveira destacou que a transição ocorreu naturalmente, uma vez que “a executiva nacional decidiu destituir os diretórios estadual e municipais em Santa Catarina e que os próximos 120 dias serão de oxigenação, à espera das novas diretrizes”. Neste momento, o partido tem, na Capital do Vale, uma comissão provisória.

Fontes fidedignas, porém, reafirmam um descontentamento de parte a parte; do presidente com a falta de reconhecimento e com exigências e reclamações, e do pelotão de frente do PSD com a carência de ações para o fortalecimento da legenda. “A paz continua reinando, o partido vem progredindo e, com absoluta certeza, assim que o processo terminar, tudo volta ao normal”, garante, no entanto, o diretor do Samae.

Casa nova

Postado em 29 de maio de 2019
Foto: Divulgação

O vice-prefeito Adalto Gomes esteve ontem com o deputado estadual Nilso Berlanda para acertar, de vez, a filiação ao PR – que deve mudar, em breve, para PL.

No fim de 2018, o adjunto tijuquense havia decidido deixar o PT e, desde então, procurava um partido que pudesse dar sustentação à programada candidatura a prefeito de Tijucas nas eleições municipais de 2020. Opções como PSB, Patriota e PV também foram consideradas nesse ínterim.

Na foto, Gomes e o chefe de gabinete Márcio Poletto emolduram Berlanda, na Assembleia Legislativa, em Florianópolis.

Debandada

Postado em 28 de maio de 2019

A frase “o último que sair apaga a luz” vem caindo bem ao PT em Tijucas. Assim como o vice-prefeito Adalto Gomes, o primeiro suplente de vereador da legenda, Sivoney Silva, deve oficializar, nos próximos momentos, a desfiliação do partido que mais vezes governou a República. Com 31 anos de petismo, ele acatou as súplicas da família e anunciou o fim.

Silva somou 126 votos nas eleições de 2016 e era o substituto imediato de Maria Edésia da Silva Vargas (PT) na Câmara Municipal. A segunda colocada do PT, Cláudia Raitz Büchele, que alcançou 292 votos no último pleito, havia se transferido para o PSD no início de 2018.

Confirmado

Postado em 27 de maio de 2019

Candidato à presidência da República em 2018, o senador Alvaro Dias (PODE) respondeu ao convite da representação do Podemos em Tijucas e disse que vem, “com satisfação”, “assim que possível”, à Capital do Vale, na cerimônia de oficialização do partido.

O evento ainda não tem data, mas já conta com o principal: a confirmação da presença do ex-governador do Paraná, que, assim como Jair Bolsonaro (PSL) e João Amoêdo (NOVO), esteve entre as caras da “política anticorrupção” na recente eleição presidencial.

Dias tem uma propriedade em Camboriú, onde descansa ocasionalmente, e viria a Tijucas numa dessas passagens pela região.

Plano B

Postado em 24 de maio de 2019

Se o plano de comandar o partido do presidente Jair Bolsonaro (PSL) em Tijucas foi frustrado, o servidor público municipal Renato Sartori tem, agora, um novo alvo: a legenda do vice-presidente Antonio Hamilton Mourão (PRTB).

Sartori, que continua filiado ao PSL, vem orientando os correligionários a não participarem do encontro municipal do partido, terça-feira (28), sob a batuta de Gerson Henrique Marcelino, e anunciando que pretende hastear a bandeira do PRTB em Tijucas brevemente.

Procura-se

Postado em 7 de maio de 2019

Partido que mais vezes governou Tijucas, o MDB busca um presidente para o biênio 2020-2021. Recentes convites foram direcionados ao advogado Marcio Rosa e ao diretor do Sindicato dos Bancários de Brusque, Adriano Silva, o Guinho. Ambos declinaram.

Rosa confirma que recebeu investidas do ex-prefeito Elmis Mannrich e do próprio presidente municipal da legenda, Fernando Fagundes, e que não quer, definitivamente, se envolver na política; que está trabalhando muito, se dedicando integralmente à advocacia, e muito mais feliz.

Para o bancário, o chamado partiu da vereadora Fernanda Melo. Ele diz, com exclusividade ao Blog, que rejeitou a proposta porque a demanda financeira de um partido com o porte do MDB seria incompatível com sua condição econômica.

Posso, podes e Podemos

Postado em 6 de maio de 2019

Tijucas tem, agora, uma representação legalmente constituída do Podemos, partido do senador Alvaro Dias, que foi candidato à presidência da República em 2018. As informações já constam no portal do TRE (Tribunal Regional Eleitoral), com o gerente administrativo do Samae (Serviço Autônomo Municipal de Água e Esgoto) e ex-presidente do PSB municipal Fabiano Saramento no comando.

Paulo Sergio Pinto, o popular Galinha, genro do ex-vereador Antônio “Tonho Polícia” Zeferino Amorim, é o primeiro vice-presidente da provisória, e o corretor imobiliário Roberto Henrique Furtado assina como segundo vice-presidente. Compõem o grupo, ainda, as professoras Rosimere FurtadoFernanda Rocha, como secretária-geral e segunda secretária, e Jamil CalilRogerio Freitas como tesoureiro e vogal, respectivamente.

Principal diretriz do partido na Capital do Vale é formar um time com figuras do cotidiano local que jamais tenham se candidatado a cargos eletivos e que estejam dispostas a praticar aquela propalada “nova política”.

Pedra cantada no Blog e no quadro Política em Foco – que o colunista apresenta no Jornal TopNotícias, no Portal TopElegance às quintas-feiras – deu bingo. Já consta, desde ontem, no sistema de informações partidárias do TRE (Tribunal Regional Eleitoral), a comissão provisória do PSL em Tijucas com o ex-bombeiro militar Gerson Henrique Marcelino na presidência.

O litígio entre Marcelino e o servidor público municipal Renato Sartori, que concorriam diretamente pelo comando da sigla no município, durou meses. Desde dezembro, o PSL não tinha representação na Capital do Vale. Nos bastidores do processo, porém, o jogo era intenso; e as melhores cartas sempre estiveram com o ex-bombeiro.

Aliado a figuras basais do partido na região – como o deputado estadual Onir Mocellin, militar reformado, de quem é assessor parlamentar na Assembleia Legislativa, e o próprio governador Carlos Moisés da Silva, a quem acompanhou nas incursões pelo estado durante a campanha –, não tardou para que o ex-diretor de Trânsito do município conquistasse a simpatia e a preferência da cúpula peesselista. Sartori, por sua vez, tinha apenas uma promessa do presidente estadual do PSL, Lucas Esmeraldino, e o discurso vago de que havia conquistado ampla votação para o chefe do Executivo estadual e para o presidente Jair Bolsonaro nas eleições de 2018 em Tijucas.

Pesaram, ainda, contra o chefe do Departamento de Estrada de Rodagem do município o histórico político no PT e uma candidatura a vereador rejeitada, em 2016, no PEN, por falta de prestação de contas com a Justiça Eleitoral, além da recorrente austeridade verborreica nas redes sociais e em encontros públicos confrontando cidadãos e parte da imprensa que não o reconheciam como presidente municipal da legenda – o que, de fato, não era, desde dezembro. Líderes do PSL estadual passaram a acompanhar atentamente o comportamento dos concorrentes ao comando do partido em Tijucas, a receber informações de ambos, e formaram a balança.

Marcelino se valeu da discrição, do lastro e do conhecimento prático sobre o trâmite político. Enquanto o concorrente se impunha no Facebook, o ex-bombeiro buscava perfis técnicos para a formação de uma comissão capaz de seduzir a cúpula peesselista e formalizava ofícios em papel timbrado, cordiais, rubricados por parlamentares afins, ao comando estadual do partido. Há 16 dias, o presidente do PSL em Santa Catarina rubricou o “visto” no pedido de homologação da legenda em Tijucas para um time que contava com ex-militares, um servidor da Justiça estadual, advogado e contador, além de jovens idealistas e empresários da cidade. O documento era sustentado, ainda, por quatro dos cinco deputados estaduais do PSL mais bem votados em 2018: Ricardo AlbaAna CampagnoloCoronel MocellinSargento Lima. Foi o xeque mate.

Na semana passada, no encontro regional do partido, o então postulante à presidência do PSL tijuquense Gerson Marcelino foi chamado à mesa protocolar e sentou ao lado de Esmeraldino; enquanto Sartori esteve o evento inteiro na plateia e, quando teve a palavra, achincalhou a mídia “mentirosa” e cobrou efusivamente uma posição do comando estadual do partido. E a decisão foi, enfim, tomada.

No papel

Postado em 16 de abril de 2019

Com visto rubricado no dia 10, o presidente do PSL em Santa Catarina, Lucas Esmeraldino, tem nas mãos o ofício para homologação, junto ao TRE (Tribunal Regional Eleitoral), da comissão provisória do partido em Tijucas. Entre os nomes apresentados, estão ex-militares, um advogado, um contador, um servidor da Justiça estadual, além de jovens e empresários da cidade.

O documento é chancelado por quatro dos cinco deputados estaduais do PSL mais votados em 2018 e tem, sobretudo, assinatura do líder do governo na Assembleia Legislativa, Ricardo Alba.

Novela mexicana

Postado em 26 de março de 2019

O futuro partidário do vice-prefeito Adalto Gomes, de Tijucas, vem ganhando contornos de novela mexicana. Já se vão meses de ensaios e expectativas de anúncio da nova sigla. Mas, até agora, nada. Sabe-se apenas que no PT ele não permanece. No páreo, conforme a assessoria pessoal do adjunto tijuquense, estão Patriota, PV e PSB.

As intenções de Gomes, aliás, não esmoreceram com a propalada disposição do prefeito Elói Mariano Rocha (PSD) à reeleição. O policial rodoviário federal aposentado continua crente que o chefe do Executivo municipal vai retroceder, e cumprir o “compromisso” – de abrir mão da candidatura para apoiá-lo na concorrência majoritária de 2020. “O diálogo entre eles se mantém, e em nível muito bom”, garante a assessoria do vice-prefeito.