sábado, 19 de setembro de 2020 VALE DO RIO TIJUCAS E COSTA ESMERALDA

Governador dezessete

Postado em 13 de janeiro de 2020

Pesquisa do Instituto Síntese para o Grupo Notícias do Dia, de Florianópolis, confirma o que muitos já desconfiavam: 54% dos catarinenses sequer sabem o nome do governador do Estado, Carlos Moisés da Silva (PSL). O resultado deixa claro que a esmagadora maioria dos eleitores barrigas-verdes, em 2018, não votou no ex-comandante do Corpo de Bombeiros e muito menos em um programa de governo; e confiou no número 17, do então candidato a presidente Jair Bolsonaro.

onda, inclusive, gerou esforços homéricos no Vale do Rio Tijucas. Uma reunião com a imprensa, convocada por prefeitos do PSD e partidos aliados, no segundo turno daquela eleição, evidenciou o cenário de quase desespero da classe em favor de Gelson Merisio (ex-PSD, agora no PSDB). Mas uma virada de jogo àquela altura era praticamente impossível; e o número, e a esperança de novos tempos, venceu.

Reação verborreica

Postado em 18 de março de 2019

Pseudo presidente do PSL de Tijucas – a comissão provisória do partido foi suspensa em dezembro –, o servidor público municipal Renato Sartori perdeu a compostura com um eleitor, semana passada, nas redes sociais. A publicação, no Facebook, de uma foto em que o peesselista aparecia abraçado ao candidato a governador Gelson Merisio (PSD) na pré-campanha de 2018 e segurava uma placa com os dizeres “Merisio 2018” foi o motivo da confusão.

Enraivecido – uma vez que se diz responsável direto pela vitória do governador Carlos Moisés da Silva (PSL) na Capital do Vale –, Sartori apelou para a verborragia. “Coloca essa foto no teu rabo fdp“, escreveu. Em seguida, e a partir de ameaças de processo judicial, o comentário foi excluído. Mas, lógico!, as capturas de tela passaram a circular livres e soltas nos grupos de conversação online desde então.

Teimosia

Postado em 8 de fevereiro de 2019

Em visita à prefeitura de São João Batista, dias atrás, o deputado estadual Ricardo Alba (PSL) – o mais votado para o parlamento catarinense nas eleições de 2018 – recorreu à insistência para que o prefeito Daniel Netto Cândido (PSD) se filiasse ao PSL.

Foram quatro investidas, todas na presença dos representantes da legenda na Capital Catarinense do Calçado, que apenas observaram. O mandatário batistense chegou a ficar constrangido, já que é um dos bastiões do PSD no Vale do Rio Tijucas e mantém relação estreita com a cúpula do partido em Santa Catarina, presidida por Gelson Merisio, a quem acompanhou fielmente na disputa pelo governo estadual, ano passado.

Eles e ela

Postado em 5 de fevereiro de 2019
Foto: Léo Nunes

O suplente de vereador Sidney Machado (ex-PTB e prestes a assinar filiação no PSD), de Tijucas, esteve na cerimônia de posse dos deputados estaduais, sexta-feira (1), na Alesc (Assembleia Legislativa de Santa Catarina), em Florianópolis, única e exclusivamente para saudar a campeã de votos na Capital do ValeMarlene Fengler (PSD) – por quem o prefeito de São João Batista, Daniel Netto Cândido (PSD), trabalhou com afinco na campanha de 2018.

Marlene herdou o prestígio – e uma gama enorme de cabos eleitorais – do ex-deputado estadual Gelson Merisio (PSD), vencido por Carlos Moisés da Silva (PSL) na mais recente disputa pelo governo estadual. A parlamentar estreante, a propósito, além de Cândido, contou com outros dois prefeitos da região diretamente envolvidos na sua eleição: Elói Mariano Rocha (PSD), de Tijucas, e Nilza Simas (PSD), de Itapema.

Novos amigos

Postado em 29 de janeiro de 2019
Foto: Dirleni Dalbosco/Divulgação

As eleições de 2018 ficaram no passado. Baluarte do PSD no Vale, e personagem marcante da campanha do candidato a governador Gelson Merisio (PSD) na região, o prefeito de São João Batista, Daniel Netto Cândido, já se recolocou no jogo político do Estado. Cumpriu agenda, hoje, na Secretaria de Estado do Desenvolvimento Econômico e Sustentável com o secretário Lucas Esmeraldino (D), que é, vejam só!, presidente do PSL em Santa Catarina.

Não bastasse, Cândido esteve no Centro Administrativo acompanhado do deputado estadual eleito Ricardo Alba (PSL), o mais votado nas eleições de 2018 e com quem vem mantendo relação estreita, e do presidente do PSL na Capital Catarinense do CalçadoCharles Oliveira. Pois, então?!

Rato de praia

Postado em 16 de janeiro de 2019
Foto: Divulgação

Ministro da Secretaria de Governo da presidência da República e veranista confesso, o general Carlos Alberto dos Santos Cruz (D) recebeu, ontem, em Brasília, o prefeito de Bombinhas, Paulo Henrique Dalago Müller (PTB), e já foi logo perguntando “o que você está fazendo aqui, que não está na praia?”.

O mandatário bombinense visitou o Palácio do Planalto acompanhado do amigo e ex-deputado federal João Paulo Kleinübing (DEM), que concorreu ao cargo de vice-governador de Santa Catarina nas eleições de 2018 na chapa de Gelson Merisio (PSD).

Tijucas, PSL e 2020

Postado em 16 de novembro de 2018

Na agenda de Brasília, anteontem, o presidente do PSL em Santa Catarina, Lucas Esmeraldino, e o governador eleito Carlos Moisés da Silva (PSL) participaram de reunião com o presidente nacional do partido, Luciano Bivar. Entre os assuntos do encontro, destacou-se a musculatura da legenda a partir de 2019, com vistas no pleito eleitoral de 2020. A meta é ter representação majoritária em todos os 295 municípios catarinenses.

A pergunta que não cala: em Tijucas, quem seria o candidato do PSL à prefeitura, ou com quem estaria o partido?

RELAÇÃO ABALADA

Há sulcos no convívio entre o presidente da comissão provisória da sigla no município, Renato Sartori, e o staff do prefeito Elói Mariano Rocha (PSD) desde a eleição para o governo estadual.

Membros do colegiado e vereadores situacionistas, todos pró-Gelson Merisio (PSD), cobravam sistematicamente uma atitude do chefe do Executivo às ações incisivas de Sartori em favor do candidato adversário. O chefe do Departamento de Estrada de Rodagens, da Secretaria de Obras, Transportes e Serviços Públicos, entrou em férias no dia seguinte à vitória do PSL no pleito majoritário catarinense.

ATRÁS DAS CORTINAS

O ex-vereador e bombeiro aposentado Gerson Henrique Marcelino (ex-MDB), que acompanhou Carlos Moisés da Silva nas incursões pelo Estado durante a campanha, corre por fora, e tem claras intenções de assumir o comando do diretório do PSL em Tijucas, ainda em formação.

APROXIMAÇÃO

Desde o início do turno decisivo entre Comandante Moisés e Merisio, o presidente municipal do PSDB, empresário Thiago Peixoto dos Anjos, vem se aproximando estrategicamente do PSL. Orientou a comissão provisória no município, participou de reuniões e, inclusive, recebeu convites para integrar oficialmente as fileiras do partido.

Resiliência

Postado em 1 de novembro de 2018

Dos mais assíduos, asseados e vangloriados – principalmente nas comunidades do interior – servidores da estrutura municipal de Tijucas, o chefe do Departamento de Estrada de Rodagem, Renato Sartori, entrou em férias na segunda-feira (29) pós-eleição. Ele diz que solicitou o recesso, mas há quem garanta que o retiro das funções tem motivação política.

Sartori é presidente da comissão provisória do PSL no município e vinha, especialmente no segundo turno da eleição para o governo estadual, melindrando a administração municipal com pedidos incisivos de voto em Carlos Moisés da Silva (PSL) e alianças pessoais com oposicionistas. Secretários e vereadores de situação, todos pró-Gelson Merisio (PSD), pediam insistentemente que o prefeito Elói Mariano Rocha (PSD) tomasse uma atitude.

Talvez esse período, de compreensão recôndita, provocado, forçado ou não, sirva para baixar a poeira, assentar a carga e oxigenar o paço.

Fake news

Postado em 30 de outubro de 2018

O prefeito de São João Batista, Daniel Netto Cândido (PSD), se diz vítima das famigeradas fake news nestas eleições. Ele usou o Facebook, domingo (28), para pedir que as pessoas “não participem dessa corrente do mal”. Segundo o mandatário batistense, alguns perfis falsos foram criados na rede social unicamente para “espalhar notícias mentirosas sobre a gestão” da Capital Catarinense do Calçado.

Na publicação, Cândido não especifica quais são as fake news que atormentaram, recentemente, o governo de São João Batista; mas o Blog, que tem fontes de A a Z, apurou. Uma das postagens perniciosas informava que servidores comissionados do município estavam sofrendo perseguição e sendo exonerados porque não aceitavam declarar apoio ao candidato a governador Gelson Merisio (PSD), para quem o prefeito fez campanha. E, de fato, não é fato. Não há registros, pelo menos oficiais, de demissões na administração batistense nas últimas semanas.

Dezessete e dezessete

Postado em 29 de outubro de 2018

Chegou-se a pensar que a região do Vale do Rio Tijucas e Costa Esmeralda – onde, dos oito municípios integrantes, três são administrados por prefeitos do PSD – fosse aquela em que a disputa do segundo turno para o governo estadual pudesse ser mais equilibrada. Não foi. A votação em favor de Carlos Moisés da Silva (PSL) superou o índice estadual em São João Batista (80,48% contra 19,52%) e Itapema (79,47% sobre 20,53%), com gestão dos respectivos peessedistas Daniel Netto CândidoNilza Simas.

Apenas em Tijucas (64,47% para 35,53%), gerida por Elói Mariano Rocha (PSD), a diferença de votos entre Comandante Moisés e Gelson Merisio (PSD) foi menor do que a registrada no Estado, de 71,09% contra 28,91%.

CARGA PESADA

Pesaram os fatores mudançadesgaste rivalidade partidária – uma vez que o MDB, principalmente, que tem ampla militância em todos os municípios da região, decidiu acompanhar o então candidato do PSL –, e, sobretudo, a “onda Bolsonaro”, que limou campanhas de políticos tradicionais e com poderio econômico Brasil afora.

RECADO DAS URNAS

A vitória do governador eleito Comandante Moisés é, entretanto, incontestável, homérica e legitimada no voto. E traz ao Estado, à política e, ainda mais, ao Vale e Costa Esmeralda todas as mostras de que a democracia é um patrimônio do povo, jamais dos políticos. O recado das urnas, mais uma vez, foi dado. E que Santa Catarina, o país e a região, a partir de 2019, desfrutem de uma nova era, de mais atenção, de muita responsabilidade com o empenho dos recursos públicos, e, principalmente, de relevância absoluta no desenvolvimento.