sexta-feira, 12 de abril de 2024 VALE DO RIO TIJUCAS E COSTA ESMERALDA

De volta ao jogo

Postado em 2 de abril de 2024
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
Foto: Arquivo Pessoal

A Secretaria Municipal de Saúde de Tijucas terá, após sete anos e quatro meses, um novo comandante. Isso porque o ex-vereador Vilson José Porcincula deve, nesta semana, entregar o pedido de exoneração, atendendo às regras da desincompatibilização, com vistas no processo eleitoral.

O Blog apurou que Tem, como ficou conhecido, voltará às urnas representando o PP, partido em que está filiado há 35 anos. A desvinculação, entretanto, será apenas do comando da pasta, já que Porcincula é técnico em enfermagem efetivo do município e poderá exercer a função até o fim de junho.

Além do período na chefia de uma das mais importantes repartições da administração municipal, o futuro ex-secretário ostenta ainda, no currículo, três passagens consecutivas pelo Legislativo, entre 2005 e 2016, e tentará, pela quarta vez, uma das cadeiras do parlamento.

SUBSTITUTO

Os nomes do futuro secretário – ou secretária – já começaram a pipocar nos corredores da prefeitura. Porém, ainda não passam de especulações. Por lógica, a indicação deveria ser do PP, partido que integra a base governista. Mas, até o momento, não houve qualquer definição neste sentido.

Predisposição

Postado em 14 de fevereiro de 2023
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
Foto: Arquivo pessoal

A disputa no grupo governista promete ser boa na pré-eleição de 2024. Opções para a sucessão do prefeito Eloi Mariano Rocha (PSD) brotam diariamente nos jardins da prefeitura de Tijucas. “Sinal de que as coisas estão boas. Porque se estivessem ruins, ninguém queria”, brinca o chefe do Executivo municipal quando provocado sobre o assunto.

Há correntes que defendem, de tempos para cá, maior atenção ao vereador Claudemir Correia (PSD) na lista de alternativas – tanto na Câmara quanto nos mais variados setores do paço. E, embora estreante em cargos eletivos, mas servidor efetivo do departamento financeiro da prefeitura há 20 anos, o parlamentar tem, ultimamente, assumido essa predisposição. “Se a oportunidade surgir, estou pronto. De uma coisa tenho certeza: ninguém conhece melhor que eu o funcionamento da prefeitura”, garante. Pois, então?!

Serviço voluntário

Postado em 15 de janeiro de 2018
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Servidor efetivo da Câmara Municipal, Gustavo Lemos Souza, filho do ex-vereador Edson José Souza (MDB), endereçou ofício ao presidente do Poder Legislativo de Tijucas, vereador Juarez Soares (PPS), se oferecendo para ocupar, gratuitamente, a direção geral da casa. “Coloco-me à disposição para assumir e/ou responder, SEM ÔNUS (ou seja, sem o recebimento de diferenças salariais positivas – gratificação – entre o vencimento estipulado para o cargo e meu cargo efetivo), o cargo de DIRETOR GERAL da Câmara Municipal”, especifica, no texto, o funcionário.

De acordo com Lemos Souza, no ofício, a Casa economizaria aproximadamente R$ 90 mil em 2018 se acatasse a proposta. O vencimento do cargo é de R$ 5.309,19.

PAU QUE DÁ EM CHICO, DÁ EM FRANCISCO

Em contato com o Blog, o vereador Juarez Soares elencou três pontos pelos quais decidiu rejeitar a oferta: a ilegalidade, a confiança e incompatibilidade partidária, e a tentativa de amotinação.

Segundo o presidente do Legislativo, a Lei impede o exercício do serviço voluntário nos órgãos públicos. “O Estatuto do Servidor Público não permite que um funcionário exerça função não remunerada. Além disso, o cargo de diretor geral demanda confiança extrema da parte do presidente. É uma função de enorme responsabilidade, por isso nomeei Lucas Régis, meu assessor desde o início do mandato, capacitado e graduado”, explica.

“Me estranha, porém, que no mandato anterior, do ex-presidente Elói Pedro Geraldo (MDB), do partido que ele (Gustavo Lemos Souza) segue, ele exerceu desde setembro a função de confiança de controlador, com R$ 1,5 mil a mais no salário, e nunca se ofereceu para cumprir o serviço gratuitamente”, completa o comandante da mesa diretora da Casa do Povo.

O vereador entende, ainda, que a atitude venha acompanhada de represália por uma recente exoneração, no intuito de incitar a população contra a administração da Câmara, e tumultuar o ambiente. “No início de janeiro, cumpri minha promessa com a comunidade e exonerei alguns servidores comissionados, e ele está entre os dispensados. Na controladoria, cargo que o Gustavo ocupava, nomeei o jornalista Rafael Spricigo, que é efetivo e receberá apenas a diferença no salário. Ele quis fazer média com a população, já que sabe que esse pedido é ilegal”, finaliza Soares.