quarta-feira, 23 de outubro de 2019 VALE DO RIO TIJUCAS E COSTA ESMERALDA

Do livro para a tela

Postado em 15 de outubro de 2019
Foto: Divulgação

Autor, em parceria com o jornalista Leopoldo Barentin, do livro Rastros de Bravura – A Epopeia dos Homens de Vermelho em 2009, o bombeiro militar de reserva Gerson Henrique Marcelino, de Tijucas, apresentou a obra hoje ao governador Carlos Moisés da Silva (PSL). A reunião, em Florianópolis, com o chefe do Executivo catarinense, com o deputado estadual Onir Mocellin (PSL), com o cineasta Fábio Cabral e com o comandante geral do Corpo de Bombeiros do estado, coronel Charles Alexandre Vieira, tratou de um tema muito interessante: as histórias reais da publicação podem se transformar em série de tevê.

Marcelino inscreveu o projeto no Prêmio Catarinense de Cinema, e aguarda, amanhã, o resultado final. Para o concurso, foram selecionados quatro episódios — todos fiéis aos relatos do livro —, que podem alcançar R$ 2 milhões em premiação. O objetivo, porém, é que as edições da série prossigam e atinjam a plataforma Netflix.

Projeto à prova

Postado em 7 de outubro de 2019

Presidente da recém-suspensa comissão provisória do PSL em Tijucas, o psicólogo Gerson Henrique Marcelino mostrou preocupação com a proximidade entre o prefeito Elói Mariano Rocha (PSD) e o governador Carlos Moisés da Silva (PSL) — confirmada, publicamente, na cerimônia que oficializou a destinação de R$ 8,23 milhões dos cofres estaduais para o asfaltamento da Avenida Beira-Rio, sexta-feira (4).

Ao fim do evento, Marcelino conversou com o deputado estadual Onir Mocellin (PSL), uma das autoridades presentes no cerimonial e a quem o tijuquense assessora na Assembleia Legislativa, sobre os rumos do partido na Capital do Vale. O bombeiro militar de reserva, no entanto, parece não se opor à sugerida aliança entre PSD e PSL para o pleito de 2020, mas diz que “precisa haver um diálogo entre as partes”. Pois, então?!

Notas e fatos

Postado em 26 de agosto de 2019
Foto: Divulgação

Em nota oficial, o PSL catarinense informou que “todas as comissões provisórias municipais tiveram vigência suspensa” hoje, para “uma avaliação caso a caso”. O comunicado foi repercutido em Tijucas; e alguns colas-brancas comemoraram a suposta derrocada de Gerson Henrique Marcelino — que comandava a regência peesselista no município até a decisão da executiva estadual — e a possível e especulada inclusão do partido no projeto de reeleição do prefeito Elói Mariano Rocha (PSD).

Nesta manhã, porém, em Itajaí, o presidente da legenda em Santa Catarina, deputado federal Fabio Schiochet, teria garantido a Marcelino e cia que a comissão tijuquense deve ser reativada nos próximos dias, com as mesmas diretrizes e membros atuais. O bombeiro militar de reserva, aliás, estaria incumbido de comandar, em breve, um encontro regional do partido para ratificar as orientações da cúpula.

Na foto, o deputado estadual Onir Mocellin — responsável pela condução do partido na região — e o presidente do PSL estadual Fabio Schiochet emolduram o tijuquense Gerson Henrique Marcelino no encontro desta manhã.

Agenda cumprida

Postado em 16 de agosto de 2019
Foto: Divulgação

Conforme programado, o deputado estadual Onir Mocellin (PSL) esteve em Tijucas hoje para conhecer o Lar Santa Maria da Paz e a Apae — entidades para as quais pretende destinar duas emendas impositivas na ordem dos R$ 100 mil —, e se reunir com as regências peesselistas do município e da região.

Na foto, Coronel Mocellin e o presidente do Lar, Luiz Carlos Santana Filho, conversam sobre as demandas da instituição. As visitas foram sugeridas e tiveram a supervisão do presidente municipal do PSL, Gerson Henrique Marcelino (C), que atua, inclusive, como assessor do deputado na Assembleia Legislativa.

O parlamentar ainda aproveitou a estada na Capital do Vale para percorrer escolas estaduais na cidade e conceder entrevistas a veículos locais.

Na agenda

Postado em 14 de agosto de 2019

Visitas ao Lar Santa Maria da Paz e à Apae (Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais) estão na agenda do deputado estadual Onir Mocellin (PSL) para sexta-feira (16) em Tijucas. Ele deve destinar emendas impositivas de R$ 100 mil para as duas entidades. Presidente municipal do PSL, o bombeiro militar de reserva Gerson Henrique Marcelino — que é, também, assessor do parlamentar na Assembleia Legislativa — foi quem sugeriu a programação.

Coronel Mocellin atuou fortemente na formação do comando peesselista da Capital do Vale. Um almoço com correligionários tijuquenses, a propósito, também foi agendado com o deputado para a mesma data.

De olho em 2020

Postado em 29 de maio de 2019
Foto: Divulgação

Sob a batuta do recém-empossado presidente Gerson Henrique Marcelino, o PSL de Tijucas se reuniu ontem no salão de festas da Adec esteado num velho mantra: levar os 81% de votos conquistados por Jair Bolsonaro na Capital do Vale, assim como os 64% de Carlos Moisés da Silva, para o pleito municipal de 2020.

Tutelados por quatro deputados estaduais – Ana Caroline CampagnoloCarlos Henrique de (Sargento) LimaOnir (Coronel) Mocellin e Ricardo Alba –, os peeselistas trataram o encontro como “preparação para as próximas eleições”. De acordo com o comando do partido, o PSL deve apresentar candidatura majoritária em 2020 e vários postulantes à Câmara Municipal.

Encontro peesselista

Postado em 22 de maio de 2019

Quatro deputados estaduais – Ana Caroline CampagnoloCarlos Henrique de (Sargento) LimaOnir (Coronel) MocellinRicardo Alba – e o presidente estadual do partido, Lucas Esmeraldino, vêm a Tijucas, terça-feira (28), no salão de festas da Adec, para o encontro do PSL municipal.

É a primeira ação partidária do recém-oficializado presidente Gerson Henrique Marcelino, que estendeu o convite, ainda, a outras representações do PSL na região.

Pedra cantada no Blog e no quadro Política em Foco – que o colunista apresenta no Jornal TopNotícias, no Portal TopElegance às quintas-feiras – deu bingo. Já consta, desde ontem, no sistema de informações partidárias do TRE (Tribunal Regional Eleitoral), a comissão provisória do PSL em Tijucas com o ex-bombeiro militar Gerson Henrique Marcelino na presidência.

O litígio entre Marcelino e o servidor público municipal Renato Sartori, que concorriam diretamente pelo comando da sigla no município, durou meses. Desde dezembro, o PSL não tinha representação na Capital do Vale. Nos bastidores do processo, porém, o jogo era intenso; e as melhores cartas sempre estiveram com o ex-bombeiro.

Aliado a figuras basais do partido na região – como o deputado estadual Onir Mocellin, militar reformado, de quem é assessor parlamentar na Assembleia Legislativa, e o próprio governador Carlos Moisés da Silva, a quem acompanhou nas incursões pelo estado durante a campanha –, não tardou para que o ex-diretor de Trânsito do município conquistasse a simpatia e a preferência da cúpula peesselista. Sartori, por sua vez, tinha apenas uma promessa do presidente estadual do PSL, Lucas Esmeraldino, e o discurso vago de que havia conquistado ampla votação para o chefe do Executivo estadual e para o presidente Jair Bolsonaro nas eleições de 2018 em Tijucas.

Pesaram, ainda, contra o chefe do Departamento de Estrada de Rodagem do município o histórico político no PT e uma candidatura a vereador rejeitada, em 2016, no PEN, por falta de prestação de contas com a Justiça Eleitoral, além da recorrente austeridade verborreica nas redes sociais e em encontros públicos confrontando cidadãos e parte da imprensa que não o reconheciam como presidente municipal da legenda – o que, de fato, não era, desde dezembro. Líderes do PSL estadual passaram a acompanhar atentamente o comportamento dos concorrentes ao comando do partido em Tijucas, a receber informações de ambos, e formaram a balança.

Marcelino se valeu da discrição, do lastro e do conhecimento prático sobre o trâmite político. Enquanto o concorrente se impunha no Facebook, o ex-bombeiro buscava perfis técnicos para a formação de uma comissão capaz de seduzir a cúpula peesselista e formalizava ofícios em papel timbrado, cordiais, rubricados por parlamentares afins, ao comando estadual do partido. Há 16 dias, o presidente do PSL em Santa Catarina rubricou o “visto” no pedido de homologação da legenda em Tijucas para um time que contava com ex-militares, um servidor da Justiça estadual, advogado e contador, além de jovens idealistas e empresários da cidade. O documento era sustentado, ainda, por quatro dos cinco deputados estaduais do PSL mais bem votados em 2018: Ricardo AlbaAna CampagnoloCoronel MocellinSargento Lima. Foi o xeque mate.

Na semana passada, no encontro regional do partido, o então postulante à presidência do PSL tijuquense Gerson Marcelino foi chamado à mesa protocolar e sentou ao lado de Esmeraldino; enquanto Sartori esteve o evento inteiro na plateia e, quando teve a palavra, achincalhou a mídia “mentirosa” e cobrou efusivamente uma posição do comando estadual do partido. E a decisão foi, enfim, tomada.

Desacordo

Postado em 12 de março de 2019

O copo transbordou. Os diálogos cessaram nas duas comissões interessadas no comando do PSL de Tijucas. Não houve acordo e o confronto foi restabelecido. O grupo encabeçado pelo ex-bombeiro militar Gerson Henrique Marcelino não admite o servidor público municipal Renato Sartori na presidência do partido e deve ir para o tudo ou nada.

O deputado estadual Onir Mocellin (PSL) intercedeu e pediu que houvesse concessões de parte a parte. Sartori, no entanto, não abre mão do comando do diretório. As chapas devem ser protocoladas nos próximos dias e a cúpula estadual do partido pode ter que decidir entre uma e outra.

Unificação à vista

Postado em 19 de fevereiro de 2019

Começou em guerra, mas pode terminar em namoro. As vertentes do PSL em Tijucas podem entrar em consenso e se unir. Há conversas de parte a parte, com intermediários interessados no acordo, que vêm evoluindo sistematicamente nos bastidores da legenda.

De um lado está o ex-bombeiro Gerson Henrique Marcelino, que tem uma comissão formada com 22 membros – quase todos militares reformados, entre advogados, professores e jovens idealistas – e conta com o apoio do líder do governo na Assembleia Legislativa, deputado estadual Onir Mocellin (PSL); e do outro, o servidor público municipal Renato Sartori, que comandou a provisória do partido até dezembro e se esteia no deputado estadual Felipe Estevão (PSL) para retomar o posto. Entre eles, não há conversa; mas os seguidores das duas alas tratam internamente sobre a unidade. E a ideia parece agradar os caciques, que já impuseram condições para uma possível conciliação.