domingo, 14 de julho de 2024 VALE DO RIO TIJUCAS E COSTA ESMERALDA

Luto decretado

Postado em 8 de julho de 2024
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
Foto: Arquivo Pessoal

O prefeito Eloi Mariano Rocha (PSD), de Tijucas, decretou luto oficial de três dias pelo falecimento do ex-vice-prefeito, ex-vereador e presidente do SAMAE (Serviço Autônomo Municipal de Água e Esgoto), Luiz Rogério da Silva.

Mariano Rocha justificou que o decreto é uma forma de reconhecer os “relevantes serviços prestados à comunidade tijuquense” e explicou que Rogerinho exerceu diversos cargos públicos ao longo de sua trajetória política.

Rogerinho cumpriu três mandatos na Câmara de Vereadores (de 1997 a 2004, e de 2013 a 2016) e chegou a presidir o Legislativo municipal em 2004 e 2013, foi eleito vice-prefeito em 2008 e assumiu a chefia do Executivo municipal em duas oportunidades: agosto de 2009 e janeiro de 2012.

Além de comandar o Samae na gestão de Eloi Mariano Rocha, Silva também foi secretário de Saúde. Em 2010, foi candidato a deputado federal e recebeu 20.429 votos. Na vida acadêmica, graduou-se em enfermagem e direito.

Nome quase certo 

Postado em 10 de agosto de 2023
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
Foto: Divulgação

O nome do vice-prefeito e secretário de Saúde de Bombinhas, Alexandre da Silva (PDT), continua com amplo favoritismo para representar o grupo governista no pleito de sucessão ao prefeito Paulo Henrique Dalago Muller (sem partido), em 2024. 

Silva mantém boa relação com o atual mandatário e, também, com a deputada estadual e ex-prefeita bombinense, Ana Paula da Silva (PODE). Paulinha, aliás, confirmou, dias atrás, no LINHA DE FRENTE, a preferência pelo adjunto. 

“Hoje, o Alexandre se habilita não por ser o vice. E sim, porque nas pesquisas de opinião, ele, disparadamente, é o que tem a melhor avaliação e a melhor condição de assumir a cidade. Se será ele, não posso responder. O desenho hoje é para que o Alexandre ocupe esse espaço. Ele tem a minha aprovação e minha total confiança”, justifica. 

Estatística

A escolha, a propósito, não estaria baseada em proximidade ou no bom trânsito da relação. Paulinha pondera que os resultados das pesquisas de opinião pública, realizadas regularmente no município, mostram um “recado da sociedade” e avalia que o pedido deve ser atendido. 

“A cidade não é minha e nem do Paulinho. É de um coletivo de pessoas. Tem que ter delicadeza pra ouvir o recado que a sociedade transmite. A gente faz pesquisas com muita frequência, porque tememos ser traídos pelo nosso coração. Não adianta eu escolher A, B ou C, se a cidade não pensa assim”, explica.