sexta-feira, 12 de abril de 2024 VALE DO RIO TIJUCAS E COSTA ESMERALDA

Xeque

Postado em 10 de abril de 2024
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
Foto: Arquivo Pessoal

O ex-vereador Sérgio Murilo Cordeiro e o presidente do Samae (Serviço Autônomo Municipal de Água e Esgoto de Tijucas), Luiz Rogério da Silva, impuseram situação de absoluto desconforto ao prefeito Eloi Mariano Rocha (PSD) com apenas um movimento no tabuleiro.

Em suma, podaram a autoridade e ataram as mãos do chefe do Executivo tijuquense na articulação governista. Para manter chances de sucesso nas eleições de outubro, Mariano Rocha, em tese, precisaria, agora, render-se aos caprichos do UNIÃO BRASIL e da dupla de estrategistas. O mandatário tijuquense ainda não assimilou o golpe.

Serginho e Rogerinho, para tanto, usaram dissidentes do movimento situacionista, como os vereadores Maurício Poli e Cláudio de Oliveira, e, ao mesmo tempo, mutilaram o PSD, partido do prefeito, com a translação da secretária de Cultura do município, Paula Regina da Silva, e do vereador suplente José Roberto “Betinho” Giacomossi.

Eles criaram a “noiva”, que pode casar com quem quiser e quando quiser. As convenções acontecem apenas 45 dias antes das eleições, e, até lá, estariam aptos a receber cortejos, pedidos de namoro, e avaliar quem seria o pretendente mais vigoroso. Não necessariamente aquele que o voluntarioso alcaide indicar. Pois então…

Histórico

Postado em 5 de abril de 2024
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
Foto: Arquivo Pessoal

A secretária de Cultura do município, Paula Regina da Silva, eleita vereadora no PSD, filiou-se hoje ao UNIÃO BRASIL. A expectativa de participação no pleito majoritário, provavelmente como candidata a vice-prefeita na chapa governista, teria motivado a manobra.

Mas o especulado ingresso do vereador Maickon Campos Sgrott no PSD não se confirmou. Ele permanece no PP, e se for chancelado representante do governo na disputa da prefeitura com Paulinha de adjuvante, provocaria um marco na política tijuquense. Seria a primeira vez que a dupla situacionista ignoraria frontalmente o partido do prefeito articulador na proposta de sucessão.

Em tempo: Eloi Mariano Rocha, o chefe do Executivo tijuquense e base intelectual da construção governista para o pleito de 2024, é o presidente do PSD no município.

Boca de urna

Postado em 2 de abril de 2024
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
Foto: Divulgação

Não é incomum, em períodos que antecedem uma eleição, que os cidadãos mais atentos ao cotidiano da política promovam, com amigos e familiares, simples e rápidas pesquisas que, embora não prevejam o resultado de um pleito, podem ajudar e muito nas tomadas de decisões.

O ex-vereador Antônio Zeferino Amorim pode ter usado ferramenta similar para confirmar sua ida ao MDB – que deve ser oficializada nos próximos momentos. Afinal, dias atrás, em uma propriedade particular, o policial militar aposentado simulou uma eleição municipal.

Os convidados do encontro eram conduzidos a um livro de registros e recebiam cédulas previamente produzidas. Nelas, cada um escolhia entre três opções: uma com inclinação governista, outra tradicionalmente oposicionista e um terceiro nome como alternativa aos movimentos históricos.

Um a um, os “eleitores” depositavam os sufrágios em uma urna. Mais tarde, o recipiente foi aberto e os 25 votos contabilizados. O Blog teve acesso ao resultado, mas, por respeito ao processo eleitoral legítimo, priva-se da divulgação do escrutínio.

Pode-se revelar, entretanto, que houve diferença mínima entre o primeiro e o segundo colocados, e uma vantagem importante de ambos para o terceiro. Pois então…

Fumaça branca

Postado em 28 de março de 2024
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
Foto: Arquivo Pessoal

A contumácia do prefeito Eloi Mariano Rocha (PSD) na promoção do vereador Maickon Campos Sgrott (PP) em manifestações públicas, mesmo que o parlamentar negasse peremptoriamente qualquer intenção de candidatura nestas eleições, parece ter surtido efeito. Embora o chefe do Executivo municipal mantivesse o discurso diplomático de que o grupo governista contava com três pré-candidatos, a preferência pelo progressista escapava inesperadamente nos menores movimentos.

Sgrott, agora, tem procurado correligionários para informar, oficialmente, que repensou a decisão e se tornou novamente disponível ao pleito. Uma recente reunião com a regência do Portobello Grupo e os pedidos encarecidos do presidente Cesar Gomes Junior teriam sido o empurrão que faltava, mas, ao que parece, as resoluções haviam sido costuradas muito antes, e sem interferências, nas coxias do poder. Notas que corroboram com a teoria de que a desistência anunciada meses atrás teria sido puro ilusionismo.

Fontes precisas do Blog garantem que a decisão de Mariano Rocha já foi tomada. E não vem de hoje. Para desolação dos outros dois interessados, o vice-prefeito Sérgio “Coisa Querida” Cardoso (PSD) e o vereador Rudnei de Amorim (PSD), que juravam ter a predileção do mandatário tijuquense em qualquer eventual cenário de desempate.

Nem a recente pesquisa que o grupo governista contratou, e que rodou em Tijucas nos últimos dias, foi argumento definidor para a escolha do candidato à sucessão municipal. De acordo com o levantamento, tanto Coisa Querida quanto Amorim superariam, atualmente, o filho do ex-prefeito Uilson Sgrott no questionário espontâneo. “Os números servem, mas não foram o critério decisivo. Avaliamos tudo e teremos o melhor candidato”, diz um participante do propalado grupo de conselheiros da gestão para justificar aquela que deve ser, nos próximos momentos, a indicação do prefeito.

Nome quase certo 

Postado em 10 de agosto de 2023
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
Foto: Divulgação

O nome do vice-prefeito e secretário de Saúde de Bombinhas, Alexandre da Silva (PDT), continua com amplo favoritismo para representar o grupo governista no pleito de sucessão ao prefeito Paulo Henrique Dalago Muller (sem partido), em 2024. 

Silva mantém boa relação com o atual mandatário e, também, com a deputada estadual e ex-prefeita bombinense, Ana Paula da Silva (PODE). Paulinha, aliás, confirmou, dias atrás, no LINHA DE FRENTE, a preferência pelo adjunto. 

“Hoje, o Alexandre se habilita não por ser o vice. E sim, porque nas pesquisas de opinião, ele, disparadamente, é o que tem a melhor avaliação e a melhor condição de assumir a cidade. Se será ele, não posso responder. O desenho hoje é para que o Alexandre ocupe esse espaço. Ele tem a minha aprovação e minha total confiança”, justifica. 

Estatística

A escolha, a propósito, não estaria baseada em proximidade ou no bom trânsito da relação. Paulinha pondera que os resultados das pesquisas de opinião pública, realizadas regularmente no município, mostram um “recado da sociedade” e avalia que o pedido deve ser atendido. 

“A cidade não é minha e nem do Paulinho. É de um coletivo de pessoas. Tem que ter delicadeza pra ouvir o recado que a sociedade transmite. A gente faz pesquisas com muita frequência, porque tememos ser traídos pelo nosso coração. Não adianta eu escolher A, B ou C, se a cidade não pensa assim”, explica. 

Sem contraste

Postado em 18 de novembro de 2021
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

A oposição, em Porto Belo, reduziu-se ao incógnito Republicanos — que, em 2020, apesar de Romario Luiz Tancredo na disputa majoritária, elegeu apenas um vereador: Jonatha Cabral. E o cenário pode ficar ainda mais favorável ao prefeito Emerson Stein (MDB), reeleito com a maior diferença de votos da história do município e pretenso postulante a uma cadeira no Legislativo catarinense em 2022.

Costuras entre o chefe do Executivo portobelense, Cabral e o suplente de vereador Marcos Vinícius Marques (REPUBLICANOS) trazem a legenda para a base de sustentação do governo; independentemente da resistência de alguns membros da comissão municipal do partido. A manobra está em curso, e foi dada como certa nos bastidores políticos da Capital Catarinense dos Transatlânticos.

O titular da cadeira do REPUBLICANOS na Câmara, que se aproximou da administração municipal recentemente, licenciou-se da vereança por 180 dias e deu lugar a Marquinhos, presidente do partido em Porto Belo e figura benquista na localidade de Araçá. A proposta é a de que ambos, em curto prazo, passem a frequentar a prefeitura: o suplente em cargo comissionado, e Cabral, de volta ao Legislativo nos próximos meses, como governista. Pois, então?!