sexta-feira, 12 de abril de 2024 VALE DO RIO TIJUCAS E COSTA ESMERALDA

Na Capital Federal

Postado em 11 de abril de 2024
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
Foto: Divulgação

O prefeito Pedro Alfredo Ramos (MDB), de São João Batista, foi recebido no Palácio do Planalto, em Brasília, pela equipe do presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva (PT), ontem à tarde.

Acompanhado do chefe de Gabinete, Artur Antunes Pereira, o mandatário batistense apresentou demandas do município. Entre as prioridades, estava o pedido de envio de sete novos ônibus escolares, para que substituam os veículos destruídos por um incêndio, no ano passado.

“É uma reivindicação importante de nossa cidade, que continuamos empenhados em resolver. Foi uma reunião bastante produtiva e esperamos que, em breve, possa resultar em boas notícias para São João Batista”, avaliou o chefe do Poder Executivo batistense.

SEBRAE

Pedroca esteve, ainda, reunido com o presidente nacional do Sebrae (Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas), Décio Lima. A reunião tratou da possibilidade de inclusão da Capital Catarinense dos Calçados no programa de crédito destinado aos pequenos negócios, desenvolvido pelo Governo Federal.

Bloco único

Postado em 11 de abril de 2024
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
Foto: Divulgação

Os rumores de que os grupos de oposição ao prefeito Diogo Francisco Alves Maciel (PL), em Canelinha, poderiam organizar um bloco único para o enfrentamento no pleito de outubro, ganharam força nas últimas semanas.

O Blog apurou que o tradicional PP, que já administrou o município em quatro oportunidades (uma ainda como PDS), liderou as conversas com o UNIÃO BRASIL. As duas legendas, hoje, integram um projeto conjunto com vistas no processo eleitoral.

Das conversas, saiu a decisão de que o vereador e ex-presidente do Poder Legislativo municipal Robinson Carvalho Lima deveria se filiar ao UNIÃO. O translado, inclusive, foi aprovado e apoiado pelos progressistas, mesmo que a baixa deixe o PP sem representação no parlamento municipal.

Com o movimento, o advogado estaria apto a representar o grupo nas eleições como candidato a prefeito. Mais do que isso: poderia, sem o “11” na frente, construir uma composição com o MDB e juntar, no mesmo palanque, os dois mais tradicionais partidos do município que, por décadas, rivalizaram e disputaram, voto a voto, boa parte dos pleitos em Canelinha.

11 + 15 = 44

Os principais articuladores entendem que disputar o eleitorado canelinhense, dividindo a eleição em três candidaturas, facilitaria a caminhada de Alves Maciel para a reeleição. Mas, em contrapartida, não seria fácil convencer um emedebista ferrenho a digitar o 11 na urna. O contrário também.

Entretanto, há um consenso de que tanto os colas-brancas quanto os colas-pretas poderiam assimilar melhor a ideia de votar 44, em prol de uma retomada do Executivo municipal. Pois então…

Conselho

Postado em 10 de abril de 2024
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
Foto: Luan Lucas | Arquivo | Linha de Frente

O grupo de empresários, amigos e apoiadores da gestão Eloi Mariano Rocha (PSD), de Tijucas, conhecido por G-8 ou Conselho, não foi consultado pelo mandatário antes ou durante os seus últimos movimentos políticos, sobretudo em atenção ao pleito eleitoral de outubro.

Uma das lideranças envolvidas, o médico e empresário Rogério de Souza, que ao longo das últimas décadas participa ativamente das campanhas colas-brancas, revelou, durante a live CONEXÃO POLÍTICA – Vale do Rio Tijucas e Costa Esmeralda, ontem, que houve uma diminuição na frequência de encontros e, portanto, o distanciamento entre Mariano Rocha e o grupo.

“As reuniões ficaram um pouco mais escassas e perdemos um pouco do contato com o prefeito. Mas, por estratégia. Não vamos convidá-lo para todas as reuniões. Mas, sim, para aquela que a gente acha importante a participação dele. Nas últimas, optamos por não estarmos com o prefeito”, disse o ex-secretário de Saúde do município.

Souza ponderou, inclusive, que a importância do cargo concede ao mandatário o papel de “maior líder político” da cidade. O que, por lógica, lhe daria o direito de organizar o grupo governista no projeto de sucessão à sua maneira.

“Como maior líder político do município, o prefeito tem toda a liberdade para fazer o trabalho de pré-campanha ao seu modo. As definições de acerto ou erro, só podem ocorrer lá na frente, quando soubermos dos resultados efetivos deste trabalho. Neste momento, ele se cercou das ideias e das atitudes que ele achou melhor para o momento e assim fez”.

Entretanto, o empresário garante que o G-8 participará ativamente dos processos e que, muito em breve, os membros do grupo serão procurados por Mariano Rocha. “Isso acontecerá naturalmente. Em algum momento, o prefeito vai tomar essa atitude. Até porque isso sempre ocorreu informalmente. Chega um momento em que é um por todos e todos por um.

COISAS DIFERENTES

Progressista por convicção, o médico tijuquense compartilha a ideia de que PP e PSD, embora estejam juntos e integrem o mesmo movimento na Capital do Vale, são “coisas diferentes”.

“PP e PSD não são a mesma coisa. PP é PP, PSD é PSD. São parceiros políticos. Mas nunca concordei com essa ideia de ‘deixa o PP vir porque é tudo a mesma coisa, farinha do mesmo saco’. Conversa! Não é. Comungam da mesma ideia, mas não é a mesma coisa”, afirmou.

Presença confirmada

Postado em 10 de abril de 2024
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
Foto: Luan Lucas | Arquivo | Linha de Frente

Os mais atentos observadores do cenário político de Tijucas notaram, dias atrás, a ausência do ex-prefeito Valério Tomazi no evento de filiações do MDB local. O fato, somado à recente decisão do ex-mandatário em retirar sua pré-candidatura à prefeitura, semanas antes, foi o suficiente para que pulgas se aconchegassem atrás das orelhas de muita gente.

Em entrevista ao programa LINHA DE FRENTE, quinta-feira passada (4), o presidente do MDB tijuquense, Elmis Mannrich, afirmou que Tomazi havia informado, algumas horas antes do evento, que não participaria do ato por um problema particular.

Consultado pelo Blog, o ex-mandatário garantiu que o contratempo impediu sua presença, mas reforçou que acompanhará e apoiará o projeto emedebista. “Estou participando para o sucesso do pleito”, resumiu.

Xeque

Postado em 10 de abril de 2024
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
Foto: Arquivo Pessoal

O ex-vereador Sérgio Murilo Cordeiro e o presidente do Samae (Serviço Autônomo Municipal de Água e Esgoto de Tijucas), Luiz Rogério da Silva, impuseram situação de absoluto desconforto ao prefeito Eloi Mariano Rocha (PSD) com apenas um movimento no tabuleiro.

Em suma, podaram a autoridade e ataram as mãos do chefe do Executivo tijuquense na articulação governista. Para manter chances de sucesso nas eleições de outubro, Mariano Rocha, em tese, precisaria, agora, render-se aos caprichos do UNIÃO BRASIL e da dupla de estrategistas. O mandatário tijuquense ainda não assimilou o golpe.

Serginho e Rogerinho, para tanto, usaram dissidentes do movimento situacionista, como os vereadores Maurício Poli e Cláudio de Oliveira, e, ao mesmo tempo, mutilaram o PSD, partido do prefeito, com a translação da secretária de Cultura do município, Paula Regina da Silva, e do vereador suplente José Roberto “Betinho” Giacomossi.

Eles criaram a “noiva”, que pode casar com quem quiser e quando quiser. As convenções acontecem apenas 45 dias antes das eleições, e, até lá, estariam aptos a receber cortejos, pedidos de namoro, e avaliar quem seria o pretendente mais vigoroso. Não necessariamente aquele que o voluntarioso alcaide indicar. Pois então…

Menos mal

Postado em 9 de abril de 2024
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
Foto: Arquivo Pessoal

Nem tudo são perdas no estratagema do prefeito Eloi Mariano Rocha (PSD) para o pleito de outubro. O bálsamo nas escoriações do partido pode ter sido o ingresso do empresário Paulo Sérgio Pinto, popular Galinha, nas fileiras peessedistas nesta janela.

Ele chega para contrapor a filiação do sogro, ex-vereador Antônio Zeferino Amorim, o Tonho Polícia, ao MDB e para, momentaneamente, reequilibrar Mariano Rocha na corda bamba do PSD catarinense.

Alguns apoiadores do mandatário tijuquense, inclusive, já defendem a hipotética candidatura de Galinha a vice-prefeito, em chapa com o predileto do governo, vereador Maickon Campos Sgrott (PP). “Melhor que a Paulinha (Paula Regina da Silva, secretária de Cultura, recém-filiada ao UNIÃO BRASIL e especulada pré-candidata a vice-prefeita no dueto situacionista), que tem muita rejeição”, comenta um porta-voz de Mariano Rocha ao Blog.

Caso decida apostar no empresário, o prefeito minimizaria, pelo menos por ora, a enxurrada de críticas e cobranças que vem recebendo de correligionários por não ter sustentado uma opção do PSD na construção da chapa governista à sucessão.

Infidelidade

Postado em 8 de abril de 2024
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
Foto: Arquivo Pessoal

Um dos problemas do prefeito Eloi Mariano Rocha (PSD) poderia ter sido facilmente resolvido se o vereador Maickon Campos Sgrott (PP) estivesse, agora, filiado ao PSD. Mas a manobra não seria simples.

Havia uma ordem expressa na executiva estadual do partido do prefeito para que, caso a ficha assinada por Sgrott chegasse, fosse imediatamente rejeitada. Ao preterir duas opções peessedistas para apostar no pré-candidato do PROGRESSISTAS, Mariano Rocha provocou a ira dos correligionários na cúpula. Embora siga dizendo, convenientemente, que “em Tijucas PSD e PP são a mesma coisa”, a ideia passa longe de ser assimilada na ponta da pirâmide em Santa Catarina.

CONSEQUÊNCIA

Com isso, o mandatário tijuquense pode, agora, ter acumulado outra preocupação. Os recados têm sido francos e o futuro incerto. Ninguém, neste momento, poderia garantir que Mariano Rocha chegue ao período eleitoral no comando do PSD municipal.

A exemplo de 2008, quando uma determinação da regência estadual do DEMOCRATAS mudou da noite para o dia os rumos da legenda em Tijucas, a possibilidade de intervenção no PSD passou a ser fortemente especulada. A propósito: o partido do prefeito continua como “órgão provisório” no município.

Vias variadas

Postado em 8 de abril de 2024
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
Foto: Divulgação

Atendendo ao prazo de desincompatibilização para quem pretende concorrer a uma cadeira no Legislativo, em outubro, o prefeito Diogo Francisco Alves Maciel (PL) assinou a exoneração de dois secretários e de outros quatro coordenadores que compõe a administração municipal.

Os substitutos, aliás, já foram anunciados. Um deles, em especial, chamou mais atenção. O vereador suplente Eduardo Furtado – que fez parte de três legislaturas no parlamento municipal -, passa a responder, a partir de agora, pela secretaria de Assistência Social, Habitação e Desenvolvimento Econômico.

Em sua primeira participação eleitoral, Furtado alcançou uma das cadeiras da Câmara, em 1982, pelo antigo PDS – hoje PP. Seis anos depois, tentou a vice-prefeitura, em chapa com João Dias (PFL), mas sem êxito. Em 2008, retornou ao cenário político e conquistou uma vaga na Câmara, novamente pelo PP. Mais tarde, presidiu o parlamento municipal.

CONTRAMÃO

Em 2016, Furtado – depois de um período na regência local do PP -, decidiu deixar a legenda e se filiou ao PSB, onde concorreu novamente à vereança, mas, desta vez, coligado ao MDB, de Moacir Montibeler, adversário de décadas. A mudança, à época, foi motivada pela não indicação do então prefeito Antônio da Silva (PP) ao projeto de sucessão, já que o candidato governista, naquele ano, foi Eloir João “Lico” Reis (então no PSDB).

Ao lado de Montibeler, Furtado venceu os ex-aliados e, como prêmio, foi alçado à diretoria do Semais (Serviço Municipal de Água, Infraestrutura e Saneamento). Para provar a fidelidade e lealdade ao mandatário, filiou-se ao MDB e concorreu, outra vez, ao Legislativo, mas atingiu apenas a suplência.

TERCEIRA VIA

Furtado chega à denominada “terceira via” com vasta experiência em processos eleitorais, com passagens, inclusive, pelos dois mais tradicionais movimentos políticos do município. O que pode, certamente, ser um trunfo a mais para o projeto de reeleição de Alves Maciel.

Três baixas

Postado em 8 de abril de 2024
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
Foto: Divulgação

Dentre as especuladas e prováveis nove saídas do governo Eloi Mariano Rocha (PSD), com base no calendário eleitoral estabelecido pelo TSE (Tribunal Superior Eleitoral), apenas três delas foram confirmadas.

O Blog, semana passada, havia antecipado que o número seria abaixo do esperado. Afastaram-se das funções e devem concorrer novamente ao Legislativo os agora ex-secretários de Saúde, Vilson José “Tem” Porcincula (PP), e de Obras, Vilson Natálio “Vilsinho” Silvino (PP), e o ex-superintendente da FME (Fundação Municipal de Esportes), Ezequiel de Amorim (PSD).

Mariano Rocha, a propósito, já definiu e nomeou os substitutos. As escolhas não surpreenderam, já que o mandatário optou por realocar os “braços-direitos” dos ex-comandantes em cada pasta. São os casos de Josiane de Amorim, na Saúde, Loisiane dos Santos, em Obras, e Osmar “Marinho” Adriano Filho, na FME.

Sentimentos

Postado em 8 de abril de 2024
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
Foto: Luan Lucas

O ex-prefeito Elmis Mannrich, de Tijucas, diz ter notado pelas ruas do município um “sentimento de mudança”. Em paralelo, o presidente local do MDB avalia que o partido há muito tempo não se unia tanto em prol de um projeto político.

Em entrevista ao programa LINHA DE FRENTE, quinta-feira (4), o pré-candidato emedebista à prefeitura ponderou que o cenário atual é muito diferente de 2016, quando o resultado das eleições foi negativo para a legenda. E que hoje, inclusive, o povo tijuquense fala da sua gestão com “saudade”.

“Agora, a cada dia que passa, a população está com mais saudade do Elmis, com o gabinete aberto, atendendo a população, trabalhando todo dia, chegando na prefeitura às seis horas… Eu peguei uma situação de mudança e aconteceu aquele fato. Chega uma hora que as pessoas querem mudar, às vezes, pra pior. Mas querem mudar. Com certeza querem mudar de novo, mas pra melhor. Porque conhecem o que já fizemos pelo povo de Tijucas”, disse o ex-mandatário.

Mannrich pontuou, ainda, que obras de alta aprovação popular são importantes, mas que o atendimento à comunidade não pode ficar em segundo plano. O emedebista frisou também que vê a cidade “parada”, “abandonada” e “triste”.

“É importante ouvir os reclames da sociedade e visitar as pessoas. Fizemos isso com propriedade, mas com simplicidade. Gostamos disso. Tijucas ficou sem (os desfiles de) 7 de Setembro Reveillon, Carnaval, Festival de Talentos… Por isso o nosso partido se colocou à disposição do município. Conhecemos a população e sabemos da necessidade”, disse.

MORRO ABAIXO

Embora destaque a relevância da militância histórica do MDB no processo, o ex-prefeito reconhece a importância de uma composição que fortaleça a proposta. Haveria, inclusive, em andamento, conversas com outros grupos de oposição que tenham o mesmo projeto de “mudança”.

“O ex-governador Luiz Henrique (da Silveira) sempre colocava pra nós: ‘se puder fazer uma eleição morro abaixo, não vamos fazer morro acima’. Hoje tenho convicção de que podemos ganhar a eleição mesmo que PL e UNIÃO tenham projetos próprios. Mas, temos conversado com os dois”, revelou.