segunda-feira, 30 de novembro de 2020 VALE DO RIO TIJUCAS E COSTA ESMERALDA

Passaporte rasgado

Postado em 26 de novembro de 2020

Entre os planos do prefeito eleito Diogo Francisco Alves Maciel (PSL) para a gestão 2021-2024 em Canelinha, desde a campanha, estaria a manutenção da atual secretária de Educação do município Rosângela Maria Leal Cordeiro no comando da pasta. Mas, dias antes da eleição, ela teria publicado um vídeo nas redes sociais recheado de pesadas críticas ao peesselista — sobretudo com fake news — e rasgado o passaporte para o próximo governo.

Alves Maciel, por sua vez, alertado da publicação na véspera do pleito, chegou a escrever um comentário na postagem, que foi excluída minutos depois. A secretária, além de perder a chance de seguir na gerência da Educação municipal, deve, ainda, responder um processo por calúnia e difamação. A ação, movida pela coligação “A Canelinha Que Queremos”, já estaria tramitando nas orbes judiciais.

Barba, cabelo e bigode

Postado em 26 de novembro de 2020

O prefeito reeleito Emerson Stein (MDB), de Porto Belo, conseguiu não somente a vitória com a maior diferença de votos da história do município e a segunda em proporção no Estado, como ainda deve governar, de 2021 a 2024, praticamente sem oposição. Dos 11 vereadores eleitos na Capital Catarinense dos Transatlânticos, dez compõem o grupo governista — cinco do MDB, três do PL e dois do PP. Do outro lado das trincheiras, apenas Jonatha Cabral (REPUBLICANOS) se elegeu.

A maior baixa da eleição municipal de Porto Belo foi a restringência absoluta do PT, do ex-prefeito Evaldo Guerreiro e da mais rigorosa crítica do governo na Câmara, vereadora Rosaura Rodrigues. O partido que administrou o município entre 2013 e 2016, além de não ter apresentado candidato a prefeito desta vez, sequer elegeu um vereador para a próxima legislatura. Pois, então?!

De olho na Alesc

Postado em 25 de novembro de 2020

Há especulações, que partem do grupo governista e ganham as mesas de botequim e rodas de esquina, sobre um suposto interesse do prefeito reeleito Eloi Mariano Rocha (PSD), de Tijucas, nas eleições gerais de 2022. O assunto viria sendo discutido internamente há meses, e passaria pela confirmação da reeleição — sobretudo se o vice-prefeito eleito fosse alguém de extrema confiança do mandatário tijuquense, para quem teria que entregar a prefeitura em caso de renúncia para concorrer a uma cadeira na Assembleia Legislativa.

Mariano Rocha não confirma esse plano, mas também não nega. Quinta-feira (19), em entrevista ao LINHA DE FRENTE, na VipSocial TV, ele disse que qualquer movimento nesse sentido “é muito prematuro”, mas que não descarta a possibilidade. “Somos políticos. Neste momento, não posso dizer que sim. Mas conforme o andar da carruagem, avaliaremos”, respondeu. Assista à íntegra do programa com o prefeito e o vice-prefeito eleito Sérgio “Coisa Querida” Cardoso (PSD), transmitido na semana passada:

Talk show com personalidades da política que tenham relação direta ou indireta com o Vale do Rio Tijucas e a Costa Esmeralda, o LINHA DE FRENTE vai ao ar semanalmente, todas as quintas-feiras, às 19h30, na VipSocial TV e com transmissões simultâneas nas redes FacebookYouTube e Instagram.

Fiel da balança

Postado em 24 de novembro de 2020

O prefeito eleito Diogo Francisco Alves Maciel (PSL), de Canelinha, já iniciou a peregrinação por governança na Câmara. Com apenas dois peesselistas na próxima legislatura — José Tarquino Melo Neto e Vagner Simas —, ele precisa de pelo menos mais três vereadores aliados para conquistar a maioria no Legislativo e a gestão sem estorvos na Casa do Povo.

Parte da solução vem do PSD, com Eloir João “Lico” ReisMoacir Elias praticamente acertados na bancada situacionista. As negociações iniciaram pouco tempo depois das eleições, e o martelo já teria sido batido.

O fiel da balança, no entanto, é o estreante Robinson Carvalho Lima (PP), que faz jogo duro. Único progressista eleito e com votos em todas as urnas da Cidade das Cerâmicas, ele vem assumindo postura de neutralidade; e, especula-se, tem ampla cotação para a presidência da Câmara — sobretudo com apoio do MDB, que inicia 2021 com quatro vereadores e a maior bancada da Casa. Tanto o prefeito eleito quanto os emedebistas já teriam procurado o advogado para tratar da aliança no Legislativo.

Entra e sai

Postado em 23 de novembro de 2020

Quem mais comemora a eleição do estreante Cláudio de Oliveira (PP) ao Legislativo tijuquense é a representação municipal do Podemos, que cedeu o chefe da frota veicular da Secretaria de Saúde ao partido do presidente da Câmara, vereador Vilson Natálio Silvino (PP), na janela de março.

Com dificuldades para formar uma nominata de candidatos a vereadores consistente, Silvino chegou a agradecer aos dirigentes do Podemos, na época, pela parceria e fortalecimento da legenda. O empresário e presidente municipal do PP, com bagagem política e estrutura eleitoral consolidada, no entanto, não imaginou que pudesse ser superado por Oliveira — e por mais dois progressistas do grupo — e ficar sem a reeleição. Pois, então?!

Vitórias indiscutíveis

Postado em 23 de novembro de 2020

O prefeito reeleito de Porto Belo, Emerson Stein (MDB), alcançou uma marca histórica nestas eleições. Foi o segundo em percentual de votos no Estado, com 83,24% da preferência do eleitorado, atrás apenas do correligionário Jairo Celoy Custódio (MDB), que venceu o pleito majoritário de Balneário Rincão com 87,02% dos votos válidos.

Stein, aliás, foi o campeão da Amfri (Associação dos Municípios da Foz do Rio Itajaí) em percentual de votos. Mas a Costa Esmeralda, entretanto, esteve muito bem representada na regional, com Paulo Henrique Dalago Müller (DEM) — o segundo — reeleito em Bombinhas com 73,53%, e Nilza Simas (PSD) — terceira colocada — reconduzida ao novo mandato em Itapema com 63,74% do eleitorado.

Marketing

Postado em 19 de novembro de 2020

Se o prefeito Eloi Mariano Rocha (PSD) não era mais a mudança e, evidentemente, teria que extinguir o mote de 2016, “Mudar faz bem”, acertou em não mudar o marqueteiro de campanha. Manteve a mente criativa da eleição passada e lucrou com o slogan “Faz um 55 aí!”, que impulsionou a reeleição principalmente nas redes sociais.

Ambos os bordões foram engendrados pelo ex-vice-prefeito Luiz Rogério da Silva, o Rogerinho, que se absteve da organização do PSB — partido do qual é vice-presidente no município — nestas eleições para, mais uma vez, assumir a propaganda estratégica do projeto eleitoral de Mariano Rocha.

Digno de registro

Postado em 18 de novembro de 2020

O vencedor da eleição majoritária de Tijucas, com todos os méritos e a maior diferença de votos da história, foi o prefeito Eloi Mariano Rocha (PSD). É fato, lavrado e aprovado, e não se muda. Mas a atuação do jovem estreante Thiago Peixoto dos Anjos (PDT) no pleito merece registro.

Para o colunista Marcelo Lula, do portal SCemPauta Plus – O Radar da Política Catarinense, “o desempenho do empresário, que nunca havia disputado uma eleição, surpreendeu”. O jornalista pontuou, ainda, que “sem base consolidada e com um partido ainda em construção, Peixoto dos Anjos fez 20,7% dos votos e superou o tradicional MDB, da candidata Fernanda Melo, que ficou com 15,36%”.

No Facebook, o pedetista publicou que sai do pleito “de cabeça erguida, porque o que nós fizemos nessa eleição foi histórico. Com poucos recursos, distantes de conchavos políticos e sem troca de favores, fomos longe. Fomos com ideias, com pessoas e com a consciência limpa de que estivemos lutando pelo certo, desde o início da campanha”.

Vitória na derrota

Postado em 18 de novembro de 2020

Se alguns favoritos na corrida à Câmara Municipal de Tijucas lamentam não terem sido eleitos por falta de votos, o cozinheiro José Vicente de Souza e Silva (PL), presidente da Associação de Moradores do Bairro Nova Descoberta, só pode reclamar dos colegas de partido. Ele fez a sétima maior votação do pleito (643) e, mesmo assim, não conseguiu uma vaga entre as 13 do Legislativo municipal. Esbarrou no quociente eleitoral, que, desta vez, girou em torno de 1.577 votos por chapa para eleger um vereador.

No total, os 12 candidatos do PL somaram 989 votos — número insuficiente para garantir uma cadeira na Câmara. Metade dos postulantes liberais ao Legislativo municipal nestas eleições, inclusive, ficou aquém dos 25 votos. Zezinho da Associação, mesmo com marca expressiva, pagou o pato.

SUPLÊNCIA E ESPERANÇA

Situação semelhante, mas com expectativas diferentes, passam o ex-superintendente da Fundação Municipal de Esportes, José Roberto Giacomossi (PSD), e o empresário Ezequiel de Amorim (PSD), que conquistaram 536 e 510 votos respectivamente, e também não foram eleitos. Na lista de maiores votações, figuram em 10º e 11º; e, agora, estão na suplência imediata do PSD, que elegeu cinco representantes no Legislativo.

Se, por mérito, Giacomossi voltar à superintendência da FME, o que, muito provavelmente, deve acontecer, Amorim passa à primeira suplência. E bastaria, ainda, que um dos cinco peessedistas eleitos fosse convidado para o primeiro escalão do próximo governo do prefeito Eloi Mariano Rocha (PSD) — e as chances são gigantescas — para que o jovem empresário assumisse, finalmente, a vereança.

Se a eleição majoritária de Tijucas não inspirou surpresas, a proporcional, no entanto, foi repleta de acontecimentos inusitados. A renovação quase que integral da Câmara de Vereadores se transformou no assunto do momento, causou espanto — e alguma frustração para gatos mestres do cotidiano político da cidade, que ainda tentam entender esse fenômeno — e traduz o novo momento do processo eleitoral com o fim das coligações para o Legislativo.

Nos extremos da imprevisibilidade estão o triunfo do jornalista Cláudio Eduardo de Souza (PDT), que conquistou a maior votação (908) entre os 121 concorrentes e quebrou a banca de apostas, e o insucesso do jovem vereador Esaú Bayer (MDB), uma das mais promissoras lideranças da Capital do Vale, que somou apenas 442 votos — menos que metade dos 969 que fez em 2016 — e não conseguiu a reeleição.

MANUTENÇÕES

Os reeleitos foram apenas dois: Rudnei de Amorim (PSD), com 688 votos, e Fernando Fagundes (MDB), com 677. O suplente Ecio Helio de Melo (PP), que passou a maior parte desta legislatura na Câmara, também conseguiu a manutenção da cadeira, como titular a partir de 2021, com 465 votos.

DESILUSÃO

Favoritos que não obtiveram êxito, assim como Bayer, formam uma grande lista. Mas os principais desapontamentos caem na conta do atual presidente do Legislativo municipal, Vilson Natálio Silvino (PP), único a comandar a mesa diretora da Câmara por dois anos consecutivos (2019 e 2020) e ordenador da propalada reforma do prédio da Casa do Povo, que fez apenas 404 votos, e da vereadora Maria Edésia da Silva Vargas (PSB), cunhada do ex-vice-prefeito Roberto Carlos Vailati, que contava com estrutura partidária e econômica notáveis, e ficou com 382 votos.

PEDRA CANTADA

No rol de mais cotados e prováveis eleitos, e que confirmaram os prognósticos, além de Cláudio do Jornal, que promove um trabalho social destacado, figuram a servidora pública municipal Nadir Olindina Amorim de Limas (PSD) — segunda mais votada, com 741 indicações —, pela atuação consistente na Saúde do município e pelo ressalto político do irmão, ex-vereador Antônio Zeferino “Tonho Polícia” Amorim; o administrador Maickon Campos Sgrott (PP), pela estrutura de campanha e proeminência do pai, ex-prefeito Uilson Sgrott; a professora e ex-secretária de Cultura do município Paula Regina da Silva (PSD) — que somou 557 votos —, pela ascensão política e trabalho de bastidores do marido, advogado e ex-vereador Sérgio Murilo Cordeiro; e o ex-vereador Edson José Souza (MDB) — com 502 votos —, pelo lastro eleitoral de seguidas e bem-sucedidas campanhas.

MEIO A MEIO

Das apostas com boas chances, e que surpreenderam, além de Ecinho de Melo, que já cumpria a vereança e construía um eleitorado sólido, destacam-se o servidor público municipal Claudemir Correia (PSD) — eleito com 693 votos —, pelo dinamismo no setor de Finanças da prefeitura, trato com o contribuinte e notoriedade do pai, ex-vereador Adir Arnaldo “Bigode” Corrêa; o servidor em comissão do município Paulo César Pereira (PSD) — com 568 votos —, pela surpreendente marca de 340 votos no pleito de 2016 e expectativa de ascensão nestas eleições; e o comerciário Erivelto Leal dos Santos (PDT) — com 443 votos —, pela atuação destacada na gerência do Procon municipal em governos anteriores e altivez política do tio, empresário Nivaldo dos Santos.

SURPRESA

Entre as surpresas de fato, aparecem o servidor público municipal Cláudio de Oliveira (PP) — com 443 votos —, apesar do trabalho consistente na frota veicular da Saúde municipal e transporte de pacientes, mas pela estreia no processo eleitoral com estrutura enxuta e baixa exposição; e o administrador e empresário Mauricio Poli (PSB) — com 421 votos —, outro estreante na vida pública e filiado ao partido que reelegeria, segundo a banca de apostas, apenas a vereadora Déda Vargas.