terça-feira, 16 de julho de 2019 VALE DO RIO TIJUCAS E COSTA ESMERALDA

Gangorra

Postado em 9 de julho de 2019

O jogo está virando. O livramento do ex-prefeito Valério Tomazi (MDB) das censuras do Tribunal de Contas e sanções da Justiça Eleitoral, que parecia ajustado na Câmara Municipal, já não é mais tão certo. O abarcamento do também ex-prefeito Elmis Mannrich (MDB) nas articulações provocou fissuras; e o prefeito Elói Mariano Rocha (PSD), embora nutra estima e gratidão ao antecessor, lavou as mãos e liberou os vereadores governistas para decidir como quiserem.

Neste momento, Tomazi está na corda bamba. O presidente Vilson Natálio Silvino (PP), mais os colegas Ecio Helio de Melo (PP) e Rudnei de Amorim (DEM) passaram a fazer coro com Juarez Soares (CIDA) pelo “voto técnico” – que acompanha a recomendação do TCE, pela rejeição das contas de 2016 do Executivo municipal. É o limite para o ex-prefeito. Se perder outro vereador, a vaca vai para o brejo.

IMPASSE

Nas entranhas do MDB, a vereadora Fernanda Melo Bayer não esconde a insatisfação de ter que absolver Tomazi. Por si, diz aos mais próximos, ela daria o quinto – e letífero – voto pela rejeição; para ser justa com o que acredita e para contrariar a colega Elizabete Mianes da Silva (PSD), que enreda o perdão ao ex-prefeito nas coxias do Legislativo.

O partido, inclusive, estaria propondo que a vereadora pedisse afastamento temporário do cargo, para que o suplente imediato Oscar Luiz Lopes – ou o próximo, Lauri Cardoso – assumisse o posto e votasse favoravelmente ao ex-mandatário tijuquense.

Prenúncio do fim

Postado em 2 de julho de 2019

As fotos dos eventos sociais e institucionais não mostram, mas a parceria entre o prefeito Elói Mariano Rocha (PSD) e o vice-prefeito Adalto Gomes (PL), pelo menos no campo político, já não existe. O adjunto tijuquense, aliás, só não entregou o comando da Secretaria Municipal de Obras, Transportes e Serviços Públicos ainda porque aguarda a assinatura da ordem de serviço para o asfaltamento da Avenida Beira-Rio – e, obviamente, os créditos da obra. Mas o fim está cada vez mais próximo.

Na sexta-feira (28), Gomes se reuniu com apoiadores e definiu um prazo: 120 dias para entregar o cargo e abandonar o governo. Correligionários do vice-prefeito insistem na indicação de um substituto, mesmo com a inevitável ruptura.

EXECUTIVO E LEGISLATIVO

O conflito chegou, sobretudo, à Câmara Municipal. Vereadores governistas já não defendem o secretário e vice-prefeito quando o tema “obras” vem à pauta; e se juntam aos oposicionistas para culpar o ex-petista por qualquer ingerência na infraestrutura do município. Gomes vem sendo fritado, e tanto no Executivo quanto no Legislativo virou persona non grata.

SUBSTITUTO

No ninho cola-branca, conselheiros de Mariano Rocha já tramam a troca de comando na pasta de Obras. As investidas começaram na primeira quinzena de junho, durante os encontros de celebração dos 159 anos de Tijucas. O eloquente vereador Rudnei de Amorim (DEM) – coincidentemente ou não, um dos críticos mais incisivos do vice-prefeito na Câmara – é quem teria a preferência de figuras clássicas do Conselho, como os empresários Geremias Teles SilvaUilson Sgrott, para assumir o posto.

Ausência e defesa escrita

Postado em 1 de julho de 2019

Na berlinda do TCE (Tribunal de Contas do Estado) – que recomenda a reprovação das contas do Executivo tijuquense em 2016 –, o ex-prefeito Valério Tomazi (MDB) não atendeu ao chamado da Câmara Municipal, quinta-feira (27), para se justificar na tribuna. Em vez disso, protocolou a defesa por escrito na Casa do Povo. O ex-mandatário atribui as falhas na execução orçamentária daquele ano à recessão econômica do país e aos repasses estaduais e federais que, segundo ele, não foram honrados com o município.

Os vereadores têm, a partir de agora, 20 dias para apreciar e julgar as contas municipais de 2016. Tomazi precisa que nove parlamentares contrariem a recomendação do TCE para não sofrer as sanções da Justiça Eleitoral – que podem resultar em oito anos de inelegibilidade.

LEGENDA E RESSENTIMENTO

O ex-prefeito dispensou o uso da tribuna, mas não parou de articular nos bastidores. Fez reuniões com os vereadores do MDB – mais o pedetista Fabiano Morfelle, que compõe a bancada de oposição – e reafirmou o propósito de permanecer no partido e contribuir nos próximos pleitos.

Os votos dos oposicionistas parecem encaminhados. Mas não sem ressalvas. Presidente do MDB municipal, o vereador Fernando Fagundes teria pontuado, durante o encontro com Tomazi, que “se a votação fosse no ano passado, os emedebistas certamente seriam contrários à aprovação das contas, porque a mágoa (com a postura do ex-mandatário nas eleições de 2016, quando teria preferido Elói Mariano Rocha (PSD) ao correligionário Elmis Mannrich) ainda era muito grande”.

CABO ELEITORAL

Na bancada governista, a vereadora Elizabete Mianes da Silva (PSD) é quem vem arrebanhando votos em favor de Tomazi. Por influência da professora aposentada, os colegas Vilson Natálio Silvino (PP), Odirlei Resini (MDB) e Ecio Helio de Melo (PP) devem optar pela aprovação das contas.

Em tempo: no pleito proporcional de 2016, Bete, que chegava do MDB sob grande desconfiança e uma projetada dificuldade nas urnas, teria sido amplamente apoiada pelo ex-prefeito e garantiu a reeleição.

VOTO GARANTIDO

Secretário de Obras, Transportes e Serviços Públicos no governo de Tomazi, outro que deve votar em favor da aprovação das contas de 2016, por gratidão, é o vereador Cláudio Tiago Izidoro (sem partido).

INDECISOS E CONTRÁRIOS

Diante das projeções, o ex-prefeito deve conseguir a absolvição. Os votos contrários, neste momento, podem ser, no máximo, três.

O estreante Juarez Soares (CIDA) vem repetindo sistematicamente que pretende fazer uma opção técnica, a partir do entendimento do TCE, pela rejeição. Braço direito da administração municipal na Câmara, Rudnei de Amorim (DEM) ainda não se decidiu, e diz aos mais próximos que a ausência de Tomazi na última sessão “mudou tudo” e que ficou “muito chateado” com a postura do ex-prefeito. E a advogada Fernanda Melo Bayer (MDB) já manifestou, internamente, que, por ideologia, deve contrariar, sempre que puder, as intervenções da colega Eliazabete Mianes da Silva.

Visita e promessa

Postado em 25 de junho de 2019
Foto: Divulgação

O vereador Rudnei de Amorim (DEM) convidou, e o deputado federal Darci de Matos (PSD-SC) fez um pit stop em Tijucas para prestigiar a 3ª Fecon (Feira da Construção Civil) e o stand da Rudnex Instalações e Segurança. Na foto, eles posam com o coordenador do Núcleo das Construtoras e Imobiliárias da Acit (Associação Comercial e Industrial de Tijucas), Pedro Pierezan.

Amorim e Matos vêm, há tempos, solidificando uma relação que deve resultar em mais três quilômetros de asfalto no Timbé, no interior da Capital do Vale. Durante a visita, o deputado revelou que os recursos estariam garantidos e que aguarda os trâmites do município.

Vídeo-represália

Postado em 8 de abril de 2019

Vem do Vale do Itajaí, produzido por um cidadão de lá com familiares cá, o polêmico vídeo intitulado “Festinha Tijucana” – que tentava desabonar a sessão especial da Câmara Municipal em homenagem ao Dia Internacional da Mulher, ocorrida em 28 de março. O alvo era o presidente do Legislativo tijuquense, vereador Vilson Natálio Silvino (PP).

O autor da matéria, aliás, disse num grupo de conversação online que as produções não param por aí; e que os parlamentares de Tijucas, “um por um”, terão vez de protagonistas. Recentemente, o vereador Rudnei de Amorim (DEM) passou por situação idêntica, acusado, em vídeo, de influenciar o emprego de familiares no serviço público municipal.

Autodenominado jornalista e político – foi candidato nas eleições de 2018 –, o produtor dos vídeos quer, segundo um passarinho incolor, que o Legislativo atue contra a possível exoneração da irmã, servidora pública na Capital do Vale e ré em processo administrativo do município.

Sem acordo

Postado em 1 de abril de 2019

As negativas de Tijucas para a instalação de uma penitenciária industrial no município persistem. Na semana passada, o prefeito Elói Mariano Rocha (PSD) esteve, mais uma vez, acompanhado dos vereadores Juarez Soares (PPS) e Rudnei de Amorim (DEM), na sede da Justiça Federal, em Florianópolis, para nova audiência sobre o tema.

Governo estadual e Ministério Público Federal tentaram, por quase duas horas, negociar contrapartidas e convencer a comitiva tijuquense a aceitar os termos, mas não houve acordo. Outra audiência ficou agendada para setembro.

Ex-gigante?

Postado em 5 de fevereiro de 2019

Legenda que já governou Tijucas – de 2001 a 2004, quando ainda era PFL –, o DEM enfrenta dificuldades para manter o protagonismo no município. Algumas figuras sobressalentes do partido, com vistas nas eleições municipais de 2020 – que devem impedir as coligações proporcionais –, vêm procurando refúgio em outras siglas. Dizem que entre si as alternativas são escassas, e que precisariam de esforços excessivos para atingir o quociente eleitoral no próximo pleito do município.

Quem não liga o nome às pessoas, nem acredita: é o partido do ex-prefeito Uilson Sgrott, do notável empresário Geremias Teles Silva e do vereador Rudnei de Amorim – que já manifestou vontade de se transferir para o PDT. É, também, pasme!, o partido dos atuais presidentes do Senado e da Câmara Federal, Davi AlcolumbreRodrigo Maia, e tem três ministros no governo de Jair Bolsonaro (PSL).

Traje sob medida

Postado em 4 de fevereiro de 2019
Foto: Léo Nunes

Estratégia de marketing, recado subliminar ou mostra de personalidade? Se a ex-prefeita de Bombinhas e deputada estadual Ana Paula da Silva (PDT) queria marcar território e roubar a cena na cerimônia de posse do Legislativo catarinense, sexta-feira (1), conseguiu. Desde então, é nela – ou no figurino que escolheu para a ocasião – que os jornais e comentaristas de Facebook estão interessados.

Bastou a parlamentar se apresentar vestida de vermelho e com um generoso decote para que a censura voraz desse as caras na rede. Críticas como “parece que veio direto da boate para a posse” e “para a zona que é a política brasileira, ela está vestida a caráter” se multiplicaram na internet.

À colunista Dagmara Spautz, do NSC Total, Paulinha fez questão de esclarecer que a escolha do vestuário não foi um erro, mas uma mensagem. “O recado foi dado. Mulheres estão na política e a sociedade tem que se acostumar com elas como são”, disse. E para quem imagina que a internet é terra de ninguém, a deputada tem outro aviso: “printamos (copiamos) tudo. Vamos avaliar (ações judiciais contra os autores dos comentários nas redes sociais)”.

Na  foto, Ana Paula da Silva, já no gabinete, sem o blazer e com o questionado decote à mostra, posa com o vereador Rudnei de Amorim (DEM), de Tijucas, que encorpou a campanha da recém-empossada parlamentar catarinense na Capital do Vale

Rumo à posse

Postado em 28 de janeiro de 2019

Caravanas se formam em Tijucas para a posse da ex-prefeita de Bombinhas, Ana Paula da Silva (PDT), como deputada estadual, sexta-feira (1º de fevereiro), na Assembleia Legislativa, em Florianópolis. Comitivas locais devem ser organizadas no PDT tijuquense e com o vereador Rudnei de Amorim (DEM) – que teve atuação destacada na campanha da ex-mandatária bombinense na Capital do Vale. A euforia tem sentido: a região volta, depois de anos, a ter representação genuína no Legislativo catarinense.

Na legislatura anterior, por exemplo, Altair Silva (PP) e Mário Marcondes (MDB) estiveram nesse posto, porque são nascidos em Major Gercino e São João Batista respectivamente; mas não convenciam – uma vez que estão radicados nas respectivas Chapecó e São José há muito tempo. Paulinha, quinta mais votada entre todos os candidatos ao parlamento estadual, agora, é quem, de fato, responde e deve ao Vale do Rio Tijucas e principalmente à Costa Esmeralda.

Votos e rezas

Postado em 3 de dezembro de 2018

Presidente do PP em Tijucas e pré-candidato ao comando da Câmara Municipal em 2019, o vereador Vilson Natálio Silvino já encomendou a champagne e os fogos. Tem, garantidos para o pleito interno – marcado para dia 13 –, entre sete e oito votos favoráveis; e mais uma oração.

A aprovação deve vir, principalmente, da bancada governista – com Cláudio Tiago Izidoro (sem partido), Elizabete Mianes da Silva (PSD), Écio Helio de Melo (PP), Maria Edésia da Silva Vargas (PT) e Rudnei de Amorim (DEM) – com as prováveis adesões dos opositores Elói Pedro Geraldo (MDB) e Odirlei Resini (MDB); e a prece vem do religioso Fabiano Morfelle (PDT), que vota no projeto concorrente, seja ele qual for, mas que está “orando pela vitória” do parlamentar progressista. Pois, então?!