segunda-feira, 21 de outubro de 2019 VALE DO RIO TIJUCAS E COSTA ESMERALDA

Obstáculo

Postado em 1 de outubro de 2019

As preocupações do vereador Rudnei de Amorim (DEM) aumentaram com as novas regras para as eleições de 2020. Com as coligações proporcionais impedidas, ele vem confessando aos mais próximos que o quociente eleitoral, no DEM, pode dificultar a reeleição ao Legislativo tijuquense. Para atingir o objetivo, o parlamentar precisa liderar um time com 18 candidatos à Câmara e somar, com eles, cerca de 1,7 mil votos. A atual restringência do partido, que já governou o município e vem sofrendo baixas sistematicamente, seria o principal empecilho.

Amorim, no entanto, aguarda definições sobre o PSL no município. Se o irmão, o secretário municipal Rosenildo de Amorim, conseguir a regência peesselista em Tijucas, é certo que o vereador migre, na próxima janela, para o partido do presidente Jair Bolsonaro — onde, supostamente, a formação de uma nominata mais consistente seria facilitada.

Festa em dobro

Postado em 16 de setembro de 2019
Foto: Divulgação

O empresário Eliel Hamilton Ventura, de Tijucas (ao centro, de vermelho), comemorou dobrado, sábado (14), no Timbé. Primeiro pelas 42 primaveras recém-completadas, e depois pelas presenças de ilustres convidados — como, por exemplo, o prefeito Elói Mariano Rocha (PSD) acompanhado da primeira-dama Izineide Paloschi, o vereador Rudnei de Amorim (DEM) e, especialmente, o deputado federal Darci de Matos (PSD-SC).

Ventura e Matos, a propósito, aproximaram-se nas eleições de 2018 — por intermédio do diretor de Operações do Grupo Angeloni, o batistense Atanázio dos Santos Netto — e vêm mantendo contato desde então. A relação entre o empresário tijuquense e o deputado deve render, inclusive, 1,5 quilômetro de asfalto para o Timbé. O parlamentar garantiu uma emenda de R$ 600 mil para a obra; e a prefeitura vai entrar com outros R$ 400 mil de contrapartida. A ordem de serviço deve ser assinada no início de 2020.

Reafirmação

Postado em 10 de setembro de 2019
Foto: Léo Nunes

O vereador Vilson Natálio Silvino fez suspense, mas, no fim, reassumiu, sem surpresas, a presidência do PP tijuquense por mais um mandato. A cerimônia de homologação da única chapa, por aclamação, ontem, na sede social do Jardim das Amendoeiras, contou com progressistas de Tijucas, Canelinha, São João Batista, Major Gercino e Nova Trento, e, destacadamente, com o prestigiado senador Esperidião Amin, acompanhado da mulher, a deputada federal Ângela Amin, e do filho, deputado estadual João Amin — seguramente, os maiores expoentes do partido no estado.

Nem somente, porém, os pepistas formaram o quórum do evento. Além do prefeito Elói Mariano Rocha (PSD) e do vice-prefeito Adalto Gomes (PL), que estiveram na mesa de honra, representantes de outras legendas — como o ex-prefeito Uilson Sgrott (DEM), os vereadores Rudnei de Amorim (DEM), Fabiano Morfelle (PDT) e Odirlei Resini (MDB), mais o empresário Thiago Peixoto dos Anjos, que deve concorrer à prefeitura em 2020 no PDT — ainda participaram do ato.

Figuras preminentes do partido, como o ex-prefeito Nilton de Brito, o empresário Helio Gama e o médico Rogério de Souza, evidentemente, também assinaram o protocolo na prestigiada convenção do PP tijuquense.

Gangorra

Postado em 9 de julho de 2019

O jogo está virando. O livramento do ex-prefeito Valério Tomazi (MDB) das censuras do Tribunal de Contas e sanções da Justiça Eleitoral, que parecia ajustado na Câmara Municipal, já não é mais tão certo. O abarcamento do também ex-prefeito Elmis Mannrich (MDB) nas articulações provocou fissuras; e o prefeito Elói Mariano Rocha (PSD), embora nutra estima e gratidão ao antecessor, lavou as mãos e liberou os vereadores governistas para decidir como quiserem.

Neste momento, Tomazi está na corda bamba. O presidente Vilson Natálio Silvino (PP), mais os colegas Ecio Helio de Melo (PP) e Rudnei de Amorim (DEM) passaram a fazer coro com Juarez Soares (CIDA) pelo “voto técnico” – que acompanha a recomendação do TCE, pela rejeição das contas de 2016 do Executivo municipal. É o limite para o ex-prefeito. Se perder outro vereador, a vaca vai para o brejo.

IMPASSE

Nas entranhas do MDB, a vereadora Fernanda Melo Bayer não esconde a insatisfação de ter que absolver Tomazi. Por si, diz aos mais próximos, ela daria o quinto – e letífero – voto pela rejeição; para ser justa com o que acredita e para contrariar a colega Elizabete Mianes da Silva (PSD), que enreda o perdão ao ex-prefeito nas coxias do Legislativo.

O partido, inclusive, estaria propondo que a vereadora pedisse afastamento temporário do cargo, para que o suplente imediato Oscar Luiz Lopes – ou o próximo, Lauri Cardoso – assumisse o posto e votasse favoravelmente ao ex-mandatário tijuquense.

Prenúncio do fim

Postado em 2 de julho de 2019

As fotos dos eventos sociais e institucionais não mostram, mas a parceria entre o prefeito Elói Mariano Rocha (PSD) e o vice-prefeito Adalto Gomes (PL), pelo menos no campo político, já não existe. O adjunto tijuquense, aliás, só não entregou o comando da Secretaria Municipal de Obras, Transportes e Serviços Públicos ainda porque aguarda a assinatura da ordem de serviço para o asfaltamento da Avenida Beira-Rio – e, obviamente, os créditos da obra. Mas o fim está cada vez mais próximo.

Na sexta-feira (28), Gomes se reuniu com apoiadores e definiu um prazo: 120 dias para entregar o cargo e abandonar o governo. Correligionários do vice-prefeito insistem na indicação de um substituto, mesmo com a inevitável ruptura.

EXECUTIVO E LEGISLATIVO

O conflito chegou, sobretudo, à Câmara Municipal. Vereadores governistas já não defendem o secretário e vice-prefeito quando o tema “obras” vem à pauta; e se juntam aos oposicionistas para culpar o ex-petista por qualquer ingerência na infraestrutura do município. Gomes vem sendo fritado, e tanto no Executivo quanto no Legislativo virou persona non grata.

SUBSTITUTO

No ninho cola-branca, conselheiros de Mariano Rocha já tramam a troca de comando na pasta de Obras. As investidas começaram na primeira quinzena de junho, durante os encontros de celebração dos 159 anos de Tijucas. O eloquente vereador Rudnei de Amorim (DEM) – coincidentemente ou não, um dos críticos mais incisivos do vice-prefeito na Câmara – é quem teria a preferência de figuras clássicas do Conselho, como os empresários Geremias Teles SilvaUilson Sgrott, para assumir o posto.

Ausência e defesa escrita

Postado em 1 de julho de 2019

Na berlinda do TCE (Tribunal de Contas do Estado) – que recomenda a reprovação das contas do Executivo tijuquense em 2016 –, o ex-prefeito Valério Tomazi (MDB) não atendeu ao chamado da Câmara Municipal, quinta-feira (27), para se justificar na tribuna. Em vez disso, protocolou a defesa por escrito na Casa do Povo. O ex-mandatário atribui as falhas na execução orçamentária daquele ano à recessão econômica do país e aos repasses estaduais e federais que, segundo ele, não foram honrados com o município.

Os vereadores têm, a partir de agora, 20 dias para apreciar e julgar as contas municipais de 2016. Tomazi precisa que nove parlamentares contrariem a recomendação do TCE para não sofrer as sanções da Justiça Eleitoral – que podem resultar em oito anos de inelegibilidade.

LEGENDA E RESSENTIMENTO

O ex-prefeito dispensou o uso da tribuna, mas não parou de articular nos bastidores. Fez reuniões com os vereadores do MDB – mais o pedetista Fabiano Morfelle, que compõe a bancada de oposição – e reafirmou o propósito de permanecer no partido e contribuir nos próximos pleitos.

Os votos dos oposicionistas parecem encaminhados. Mas não sem ressalvas. Presidente do MDB municipal, o vereador Fernando Fagundes teria pontuado, durante o encontro com Tomazi, que “se a votação fosse no ano passado, os emedebistas certamente seriam contrários à aprovação das contas, porque a mágoa (com a postura do ex-mandatário nas eleições de 2016, quando teria preferido Elói Mariano Rocha (PSD) ao correligionário Elmis Mannrich) ainda era muito grande”.

CABO ELEITORAL

Na bancada governista, a vereadora Elizabete Mianes da Silva (PSD) é quem vem arrebanhando votos em favor de Tomazi. Por influência da professora aposentada, os colegas Vilson Natálio Silvino (PP), Odirlei Resini (MDB) e Ecio Helio de Melo (PP) devem optar pela aprovação das contas.

Em tempo: no pleito proporcional de 2016, Bete, que chegava do MDB sob grande desconfiança e uma projetada dificuldade nas urnas, teria sido amplamente apoiada pelo ex-prefeito e garantiu a reeleição.

VOTO GARANTIDO

Secretário de Obras, Transportes e Serviços Públicos no governo de Tomazi, outro que deve votar em favor da aprovação das contas de 2016, por gratidão, é o vereador Cláudio Tiago Izidoro (sem partido).

INDECISOS E CONTRÁRIOS

Diante das projeções, o ex-prefeito deve conseguir a absolvição. Os votos contrários, neste momento, podem ser, no máximo, três.

O estreante Juarez Soares (CIDA) vem repetindo sistematicamente que pretende fazer uma opção técnica, a partir do entendimento do TCE, pela rejeição. Braço direito da administração municipal na Câmara, Rudnei de Amorim (DEM) ainda não se decidiu, e diz aos mais próximos que a ausência de Tomazi na última sessão “mudou tudo” e que ficou “muito chateado” com a postura do ex-prefeito. E a advogada Fernanda Melo Bayer (MDB) já manifestou, internamente, que, por ideologia, deve contrariar, sempre que puder, as intervenções da colega Eliazabete Mianes da Silva.

Visita e promessa

Postado em 25 de junho de 2019
Foto: Divulgação

O vereador Rudnei de Amorim (DEM) convidou, e o deputado federal Darci de Matos (PSD-SC) fez um pit stop em Tijucas para prestigiar a 3ª Fecon (Feira da Construção Civil) e o stand da Rudnex Instalações e Segurança. Na foto, eles posam com o coordenador do Núcleo das Construtoras e Imobiliárias da Acit (Associação Comercial e Industrial de Tijucas), Pedro Pierezan.

Amorim e Matos vêm, há tempos, solidificando uma relação que deve resultar em mais três quilômetros de asfalto no Timbé, no interior da Capital do Vale. Durante a visita, o deputado revelou que os recursos estariam garantidos e que aguarda os trâmites do município.

Vídeo-represália

Postado em 8 de abril de 2019

Vem do Vale do Itajaí, produzido por um cidadão de lá com familiares cá, o polêmico vídeo intitulado “Festinha Tijucana” – que tentava desabonar a sessão especial da Câmara Municipal em homenagem ao Dia Internacional da Mulher, ocorrida em 28 de março. O alvo era o presidente do Legislativo tijuquense, vereador Vilson Natálio Silvino (PP).

O autor da matéria, aliás, disse num grupo de conversação online que as produções não param por aí; e que os parlamentares de Tijucas, “um por um”, terão vez de protagonistas. Recentemente, o vereador Rudnei de Amorim (DEM) passou por situação idêntica, acusado, em vídeo, de influenciar o emprego de familiares no serviço público municipal.

Autodenominado jornalista e político – foi candidato nas eleições de 2018 –, o produtor dos vídeos quer, segundo um passarinho incolor, que o Legislativo atue contra a possível exoneração da irmã, servidora pública na Capital do Vale e ré em processo administrativo do município.

Sem acordo

Postado em 1 de abril de 2019

As negativas de Tijucas para a instalação de uma penitenciária industrial no município persistem. Na semana passada, o prefeito Elói Mariano Rocha (PSD) esteve, mais uma vez, acompanhado dos vereadores Juarez Soares (PPS) e Rudnei de Amorim (DEM), na sede da Justiça Federal, em Florianópolis, para nova audiência sobre o tema.

Governo estadual e Ministério Público Federal tentaram, por quase duas horas, negociar contrapartidas e convencer a comitiva tijuquense a aceitar os termos, mas não houve acordo. Outra audiência ficou agendada para setembro.

Ex-gigante?

Postado em 5 de fevereiro de 2019

Legenda que já governou Tijucas – de 2001 a 2004, quando ainda era PFL –, o DEM enfrenta dificuldades para manter o protagonismo no município. Algumas figuras sobressalentes do partido, com vistas nas eleições municipais de 2020 – que devem impedir as coligações proporcionais –, vêm procurando refúgio em outras siglas. Dizem que entre si as alternativas são escassas, e que precisariam de esforços excessivos para atingir o quociente eleitoral no próximo pleito do município.

Quem não liga o nome às pessoas, nem acredita: é o partido do ex-prefeito Uilson Sgrott, do notável empresário Geremias Teles Silva e do vereador Rudnei de Amorim – que já manifestou vontade de se transferir para o PDT. É, também, pasme!, o partido dos atuais presidentes do Senado e da Câmara Federal, Davi AlcolumbreRodrigo Maia, e tem três ministros no governo de Jair Bolsonaro (PSL).