terça-feira, 18 de junho de 2019 VALE DO RIO TIJUCAS E COSTA ESMERALDA

À espera

Postado em 11 de junho de 2019

Se a relação entre prefeito e vice, de fato, desandar, Elói Mariano Rocha (PSD) já teria um nome (?) para substituir Adalto Gomes (PT) no comando da Secretaria Municipal de Obras, Transportes e Serviços Públicos de Tijucas: Renato Sartori, atual chefe do Departamento de Estrada de Rodagem.

Quem goza da confiança do presidente deposto do PSL conta que ele esfrega as mãos à espera do confronto final, e vem revelando que tem a garantia de Mariano Rocha para, assim que o desacerto se consumar e Gomes deixar o governo, assumir a pasta de Obras. Pois, então?!

Casa nova

Postado em 29 de maio de 2019
Foto: Divulgação

O vice-prefeito Adalto Gomes esteve ontem com o deputado estadual Nilso Berlanda para acertar, de vez, a filiação ao PR – que deve mudar, em breve, para PL.

No fim de 2018, o adjunto tijuquense havia decidido deixar o PT e, desde então, procurava um partido que pudesse dar sustentação à programada candidatura a prefeito de Tijucas nas eleições municipais de 2020. Opções como PSB, Patriota e PV também foram consideradas nesse ínterim.

Na foto, Gomes e o chefe de gabinete Márcio Poletto emolduram Berlanda, na Assembleia Legislativa, em Florianópolis.

Debandada

Postado em 28 de maio de 2019

A frase “o último que sair apaga a luz” vem caindo bem ao PT em Tijucas. Assim como o vice-prefeito Adalto Gomes, o primeiro suplente de vereador da legenda, Sivoney Silva, deve oficializar, nos próximos momentos, a desfiliação do partido que mais vezes governou a República. Com 31 anos de petismo, ele acatou as súplicas da família e anunciou o fim.

Silva somou 126 votos nas eleições de 2016 e era o substituto imediato de Maria Edésia da Silva Vargas (PT) na Câmara Municipal. A segunda colocada do PT, Cláudia Raitz Büchele, que alcançou 292 votos no último pleito, havia se transferido para o PSD no início de 2018.

Rachou

Postado em 27 de maio de 2019

Reuniões e conversas definitivas à parte, o vice-prefeito Adalto Gomes (PT) já decidiu: só aceita compor uma chapa com o PSD em 2020 se estiver na cabeça. O secretário municipal de Obras garante, via assessoria pessoal, que “não está sabendo de nada” sobre o noticiado encontro, para breve, com o prefeito Elói Mariano Rocha (PSD), para definir a conjuntura das próximas eleições.

Gomes segue irredutível quanto à candidatura a prefeito em 2020 e se esteia num “termo de compromisso” supostamente firmado em setembro de 2016 que garantiria a inversão da chapa nas próximas eleições municipais, com recursos financeiros advindos do PSD. O documento, enviado ao Blog, não tem a assinatura de Mariano Rocha ou de qualquer peessedista, mas, de acordo com a assessoria do vice-prefeito, o atual chefe do Executivo, então candidato, teria assegurado que “não precisaria assinar, pois tinha palavra”.

NOVOS ARES

O adjunto tijuquense, que já havia decidido deixar o PT, está de malas prontas para o PR. As articulações da mudança de partido teriam envolvido o ex-vice-prefeito e advogado Roberto Carlos Vailati (PT) e o deputado estadual Nilso Berlanda (PR).

DENTRO, MAS FORA

Gomes vem, ainda, conversando sistematicamente com líderes oposicionistas e postulantes ao cargo máximo do município em 2020. Depois da aproximação com o presidente municipal do MDB, vereador Fernando Fagundes, o vice-prefeito estaria mantendo contato com o empresário Thiago Peixoto dos Anjos, que assumiu pré-candidatura majoritária no PDT.

“Uma grande coalizão de partidos será montada em Tijucas para as próximas eleições. O Elói e o PSD estão sozinhos”, diz a assessoria pessoal do adjunto, com exclusividade ao Blog. Pois, então?!

Ou vai, ou racha

Postado em 22 de maio de 2019

É chegada a “hora do vamos ver” entre o prefeito Elói Mariano Rocha (PSD) e o vice-prefeito Adalto Gomes (PT), de Tijucas. Uma reunião entre os dois foi marcada para os próximos dias. O encontro tem uma só finalidade: definir, de uma vez por todas, as intenções para o pleito municipal de 2020.

Se o secretário de Obras persistir na ideia de candidatura à chefia do Executivo, o desembarque do governo é inevitável. Mariano Rocha espera que o adjunto mude o discurso e que abrace o projeto de reeleição da chapa, com a mesma formação, sem acordos de gaveta com oposicionistas ou manifestações públicas de descontentamento. Caso contrário, o caldo entorna. Pois, então?!

Amigos rivais

Postado em 30 de abril de 2019

Os itinerários do vice-prefeito Adalto Gomes (PT) e do vereador Fernando Fagundes (MDB) têm coincidido bastante ultimamente. Quando não casualmente, em confraternizações e entre amigos comuns, os encontros são provocados; a exemplo de uma visita do adjunto tijuquense ao ex-prefeito Nilton “Gordo” Fagundes, pai do parlamentar. Pode ser apenas cortesia e diplomacia – já que o patriarca dos Fagundes esteve com a saúde comprometida recentemente –, mas há quem garanta que essa aproximação tem a ver com o pleito majoritário de 2020.

Gomes tem cada vez menos espaço entre os colas-brancas, e vê as chances de candidatura a prefeito, com suporte do governo, se esvaírem nos clamores de reeleição a Elói Mariano Rocha (PSD). E o vereador, presidente municipal do MDB, pode ser o fio condutor para uma composição com o partido que mais vezes governou Tijucas. Ninguém afirma e nem confirma, mas essa possível aliança vem sendo especulada desde que Fagundes foi recebido, amistosa e discretamente, para uma conversa, a portas fechadas, com o vice-prefeito na Secretaria de Obras, Transportes e Serviços Públicos meses atrás. Pois, então?!

Novela mexicana

Postado em 26 de março de 2019

O futuro partidário do vice-prefeito Adalto Gomes, de Tijucas, vem ganhando contornos de novela mexicana. Já se vão meses de ensaios e expectativas de anúncio da nova sigla. Mas, até agora, nada. Sabe-se apenas que no PT ele não permanece. No páreo, conforme a assessoria pessoal do adjunto tijuquense, estão Patriota, PV e PSB.

As intenções de Gomes, aliás, não esmoreceram com a propalada disposição do prefeito Elói Mariano Rocha (PSD) à reeleição. O policial rodoviário federal aposentado continua crente que o chefe do Executivo municipal vai retroceder, e cumprir o “compromisso” – de abrir mão da candidatura para apoiá-lo na concorrência majoritária de 2020. “O diálogo entre eles se mantém, e em nível muito bom”, garante a assessoria do vice-prefeito.

Fim da linha

Postado em 25 de fevereiro de 2019

O fim de semana – e de fevereiro – é o dead line para o vice-prefeito Adalto Gomes no PT. Ele tem reunião marcada com sectários políticos para um parecer final, e deve usar o feriado de Carnaval para definir por que partido concorrer à prefeitura de Tijucas em 2020.

“Temos alguns contatos, e tomaremos a melhor decisão”, garante o adjunto tijuquense, que não abre mão de disputar o próximo pleito eleitoral na Capital do Vale.

Desaceleração

Postado em 5 de fevereiro de 2019

Crescem os burburinhos, tanto nos corredores do paço quanto nas searas oposicionistas, de que o prefeito Elói Mariano Rocha (PSD) estaria desacelerando na intenção de concorrer à reeleição em 2020. O mandatário tijuquense vem se recuperando de outro derrame, ocorrido em dezembro; e limitando as atenções à gestão do município, à saúde pessoal, e nem tanto à política.

Assim, abre-se o caminho para o vice-prefeito Adalto Gomes, que deve deixar o PT nos próximos momentos e continua crente no cumprimento do tratado com o grupo governista, de apoio integral no próximo pleito majoritário. Mas, entre os canários ainda persiste o sonho de firmar a campanha em torno da candidatura do engenheiro Sérgio “Coisa Querida” Cardoso (PSD)  que, mais uma vez, desfaz expectativas e diz que não quer e não vai.

Sai, mas fica

Postado em 30 de janeiro de 2019

O vice-prefeito de Tijucas, Adalto Gomes, sai, de fato, do PT. Mas o PT realmente não sai dele. Apesar de alguns militantes petistas terem ficado muito contrariados com a decisão do adjunto tijuquense, caciques do partido vêm garantindo que estarão abraçados a ele numa possível candidatura majoritária em 2020, seja por que legenda for.

O advogado Roberto Vailati, ex-vice-prefeito e bastião do PT na Capital do Vale, a propósito, foi um dos que orientaram Gomes, em tempos passados, a deixar o partido de LulaDilma Rousseff se quisesse realizar o sonho de governar o município.