segunda-feira, 21 de outubro de 2019 VALE DO RIO TIJUCAS E COSTA ESMERALDA

Mudar faz bem

Postado em 8 de julho de 2019

Pedra cantada no Blog fechou o bingo. O vice-prefeito Adalto Gomes, enfim, deixou oficialmente o PT – partido onde militou por 30 anos, foi eleito vereador em três legislaturas consecutivas (2001 a 2012) e concorreu à Assembleia Legislativa (2010) e à prefeitura de Tijucas (2012). O pedido de desfiliação foi assinado ontem, com direito a carta de agradecimento aos companheiros.

Gomes, que pretende pleitear novamente o cargo máximo do município em 2020, deve protocolar o ingresso no PL (ex-PR) nos próximos momentos. Os detalhes da transferência já foram acordados com líderes estaduais do partido – e o deputado estadual Nilso Berlanda (PL), um dos maiores caixas-altas de Santa Catarina, dono de uma cadeia de lojas de eletrodomésticos no estado, teve participação decisiva no trâmite.

Desarquivamento

Postado em 17 de junho de 2019

Em razão da nota “Omissão“, de terça-feira (11) no Blog, a Câmara Municipal de Tijucas publicou comunicado oficial que confirma o arquivamento da matéria, por imposição do regimento interno, e que garante que as contas do ex-prefeito Valério Tomazi (MDB) serão, sim, julgadas pelo Legislativo neste mês.

Aliás, diz o texto, foi aprovado em plenário, como forma de dar andamento à análise, o requerimento 95/2019, que convida auditores do TCE (Tribunal de Contas do Estado), servidores da prefeitura e o próprio ex-mandatário para a sessão do próximo dia 24, para prestar informações sobre as contas do exercício 2016.

Mudança à vista

Postado em 15 de fevereiro de 2018

A prefeitura de Tijucas informa: o Samae (Serviço Autônomo Municipal de Água e Esgoto) vai funcionar em novo endereço. Mas, a propósito, faltou dizer que a autarquia passa a operar, a partir de março, numa propriedade do advogado ex-vice-prefeito Roberto Vailati, um dos apoiadores da campanha do então candidato a prefeito Elói Mariano Rocha (PSD) em 2016. O que não é ilegal; mas serve à curiosidade popular.

Há justificativas sólidas, de fato, para a mudança. A necessidade de mais espaço – uma vez que parte do maquinário do Samae é abrigada, sobretudo, no pátio da prefeitura – e o custo-benefício no aluguel – de R$ 18 por para R$ 8 por – seriam razões consistentes, elencadas no comunicado oficial.

Revogação da ordem

Postado em 24 de julho de 2017

Com a imprensa convocada às pressas, o prefeito Elói Mariano Rocha (PSD) esteve reunido com o deputado federal João Rodrigues (PSD-SC), agora, no primeiro gabinete do paço municipal de Tijucas, para um comunicado importante. De acordo com o parlamentar, que esteve em recente audiência com o governador Raimundo Colombo (PSD), “a ordem de serviço para a construção de uma penitenciária industrial em Tijucas foi revogada”.

Rodrigues disse, ainda, que esse “é o resultado de uma série de motivos, entre eles, a inviabilidade ambiental para a construção da unidade, já que a área é considerada de alto risco pela própria Defesa Civil do Estado”; e que pesaram também as mobilizações políticas e sociais realizadas nos últimos tempos.

Audiência incógnita

Postado em 6 de março de 2017

Entende-se por audiência pública todo encontro realizado na comunidade com a participação popular, a fim de buscar opiniões e soluções para as demandas sociais e acesso às respostas de pessoas ou instituições públicas, normalmente propostos e conduzidos por agentes ou entidades públicas e, obviamente, com ampla divulgação prévia e posterior. Portanto, se respeitada a fundamentação do ato, a Comissão de Finanças, Orçamento e Fiscalização Financeira da Câmara Municipal de Tijucas não teria argumentos para nominar “audiência pública” o evento constituído na sexta-feira (24 de fevereiro) para tratar da avaliação das contas do município no último quadrimestre.

Um breve levantamento técnico revela que a publicidade da reunião no Diário Oficial do município deu-se a menos de 48 horas do evento – ao tempo em que pelo menos 15 dias de antecedência seriam obrigatórios, segundo a Lei, para a divulgação do evento nos mecanismos oficiais. Além de quê, apenas seis presentes acompanharam o ato; a mesa diretora da Câmara garante não ter recebido qualquer comunicado, e para um dos componentes da própria comissão, o vereador Fernando Fagundes (PMDB), não houve convocação.

Em discurso efusivo, quinta-feira (2), na tribuna da Casa do Povo, a vereadora oposicionista Fernanda Melo (PMDB) tratou o evento de “fraude” e pediu o afastamento dos vereadores Elizabete Mianes da Silva (PSD) e Juarez Soares (PPS) da Comissão de Finanças, além da intervenção do Ministério Público e do TCE (Tribunal de Contas do Estado) no caso.