quarta-feira, 21 de agosto de 2019 VALE DO RIO TIJUCAS E COSTA ESMERALDA

Culto fake

Postado em 4 de junho de 2019
Arte: Reprodução

De família tradicional, irmão do ex-vereador Edson Souza (MDB) – candidato a vice-prefeito no pleito de 2016 em Tijucas – e do vereador Flávio Souza (PDT), de Bombinhas, o irreverente Evandro Souza ficou uma fera com quem anunciou nas redes sociais o “grandioso culto na Igreja Só o Senhor é Deus, no Jardim Progresso” em que ele, como “pastor evangélico”, seria o ministrante.

Em mensagens nada ortodoxas no WhatsApp, em que distribui xingamentos e atribui a galhofa a um grupo de taxistas e comerciantes com ponto no terminal rodoviário, ele diz que “esse negócio está repercutindo demais” e que “vários amigos já haviam confirmado que iriam ao culto”. Por fim, Souza esclarece: “sou padre, e não sou pastor”. Pois, então?!

Tchau, querido!

Postado em 21 de novembro de 2018

canário criado no ninho periquito, enfim, voou. A regência do MDB de Tijucas se reuniu anteontem para tratar de um incômodo: a presença do vereador Cláudio Tiago Izidoro nas fileiras do partido. O assunto, que há tempos frequenta a pauta dos encontros emedebistas no município, teve um capítulo final. Por maioria absoluta de votos, o parlamentar foi expulso.

Apenas o ex-vereador Edson Souza e um dos atuais, Odirlei Resini, optaram por manter Izidoro na legenda. Todo o restante do diretório, porém, votou pela expulsão.

ERA ESPERADO

O parlamentar, que conquistou a suplência em 2016 na retaguarda de Elmis Mannrich (MDB), foi alçado à Câmara em aliança com a base governista e, desde então, vem defendendo resolutamente a gestão do prefeito Elói Mariano Rocha (PSD), na contramão da cartilha periquita.

O tolhimento de Izidoro das fileiras emedebistas, a propósito, não chega a ser um ônus ao vereador. Ele próprio, em oportunidades diversas, teria pedido ao presidente do partido no município, Fernando Fagundes, para que o diretório formalizasse a expulsão.

CIENTE E CONSCIENTE

Questionado pelo Blog, o vereador, agora sem partido, disse que “ainda não recebeu o comunicado oficial”, mas que já soube da decisão do diretório por terceiros.

Pela unidade

Postado em 4 de abril de 2018
Foto: Divulgação

Um encontro para acertar os ponteiros. Assim os líderes periquitos em Tijucas trataram a reunião de ontem, que começou na casa do ex-vereador Edson Souza e terminou com o ex-secretário municipal Giovani Bleichuvel de anfitrião. Na pauta, o item primordial: os interesses do MDB acima de qualquer projeto pessoal. Um recado franco às três – ou quatro – alas que vinham colidindo nas internas do partido desde as eleições de 2016.

Além de Souza, que recebeu os correligionários para o tête-à-tête, a família Fagundes – do atual presidente municipal da legenda, vereador Fernando Fagundes – e o ex-prefeito Elmis Mannrich comandavam grupos distintos no diretório. O casal de vereadores Esaú BayerFernanda Melo também ostentava fiéis escudeiros e propostas paralelas no seio emedebista. De acordo com os mais otimistas, a unidade do partido voltou.

OPOSIÇÃO BRANDA

Outro tema que regrou a assembleia foi a oposição, descrita como branda, que os vereadores periquitos têm imposto ao prefeito Elói Mariano Rocha (PSD) nas tribunas da Câmara Municipal. Se houver mudança de postura, mais veemência nos discursos e combate intensivo às ações do governo no parlamento tijuquense, são, sem dúvidas, fruto do encontro emedebista e sinais de que as lideranças do partido voltaram, de fato, a remar na mesma direção.

SUCESSÃO MUNICIPAL

Sobre a sucessão municipal de 2020 – que motiva, desde sempre, desgastes e desagrados entre os líderes do MDB de Tijucas – há decidido, pelo menos nas rezas, que ninguém é, hoje, garantido ou favorito. “Temos que parar com esse egoísmo. Não pode existir uma vontade isolada. Em 2020 o candidato a prefeito pode ser Pedro, João ou José. Poderia ser o Zé Bigonha se estivesse vivo. Não existe cacique no MDB de Tijucas. Somos todos índios”, garante, com exclusividade ao Blog, um dos participantes da reunião.

Fogo amigo

Postado em 18 de janeiro de 2018

Presidente municipal do PPS partido do vereador Juarez Soares, presidente do Poder Legislativo de Tijucas , o empresário Edenilson Devitte diz, em comentário no Blog, que é a favor da nomeação do servidor efetivo Gustavo Lemos Souza na direção geral da Câmara Municipal. “Se é para economizar de verdade, e ele se dispõe a trabalhar sem remuneração, nada mais justo que aproveitar seu conhecimento e competência. Devemos, sim, pensar no assunto”, registra.

Lemos Souza, filho do ex-vereador Edson Souza (MDB), se dispôs à função sem ônus ao tesouro municipal – ou seja, sem o recebimento de diferenças salariais positivas entre o vencimento estipulado para o cargo de diretor geral e o cargo efetivo que ocupa. O presidente da Câmara rejeitou a proposta, e deve nomear o assessor Lucas Régis na direção geral da Casa do Povo.

Torcida à parte

Postado em 23 de outubro de 2017
Foto: Divulgação

Respectivos candidatos a vice-prefeito e prefeito de Tijucas na concorrência majoritária de 2016, Edson Souza e Elmis Mannrich, que defendiam interesses paralelos na convenção municipal do PMDB, mantiveram a diplomacia no retrato para mostrar que, independente do resultado, o partido precisa seguir forte e unido com vistas no pleito municipal de 2020.

“Temos que respeitar as críticas, porque todas têm o objetivo de melhorar cada vez mais o nosso partido no município. Vamos desejar sucesso aos eleitos”, registrou Souza, após a convenção, entre amigos periquitos num grupo de conversação do WhatsApp.

Fogueira acesa

Postado em 23 de outubro de 2017

O processo que começou conturbado, sovado em negociações e conciliações, trouxe um tópico a mais para as discussões: a traição. Sábado (21), na convenção municipal do PMDB, as rupturas se evidenciaram. De um lado do salão, o ex-prefeito Elmis Mannrich e o vereador Fernando Fagundes – único candidato à presidência do partido em Tijucas, indicado pelo atual comando – saudavam os filiados, que unanimemente votaram “sim” para a oficialização do parlamentar no posto. Na outra ponta, os proponentes da renovação integral do diretório, liderados pela vereadora Fernanda Melo e apoiados pelo ex-vereador Edson Souza.

Independente das dissonâncias, a homologação da presidência do diretório jamais esteve em cheque. Fagundes havia conquistado o consentimento dos contrários, desde que a chefe de gabinete da Câmara Municipal, Elenita Mara Alexandre, fosse contemplada na secretaria geral do partido. Existia, inclusive, um tratado, avalizado e concordado entre o atual comando e os propositores da renovação.

A tórrida surpresa chegou em seguida do escrutínio das cédulas, na divulgação do corpo diretivo do PMDB de Tijucas para o biênio 2018-2019. Na secretaria geral, para revolta, principalmente, da chefe de gabinete da Câmara e da vereadora, anunciou-se Rafaela Marques – que mantém estreitas relações com a ex-secretária geral do partido, Flávia Fagundes, irmã do novo presidente.

Num grupo de conversação do PMDB municipal, Fernanda Melo publicou, em seguida, que “a formula do sucesso está invertida mais uma vez. A democracia traz o sucesso, e a autocracia, o fracasso”.

PINGUE-PONGUE

Ao blog, a ex-secretária Flávia Fagundes afirma que desconhece qualquer negociação prévia e que “renovar é uma coisa, mas, a história não pode ser excluída”. Depois, porém, revelou ter tomado conhecimento sobre um pedido para que Elenita Alexandre fosse empossada secretária adjunta do partido.

Consultada, a vereadora Fernanda Melo mantém a primeira versão, e enfatiza que o tratado foi descumprido. “Aceitamos o acordo com Elenita na secretaria geral, e Lays Zimermann na secretaria adjunta! Cobramos do ex-prefeito Elmis Mannrich em seguida. Ele nos respondeu, em bom tom: ‘eu tenho o diretório, sou o líder, e eu mando’. Mudaram tudo na hora, sem comunicar ninguém”, conta.

TELEGRAMA

Aquele passarinho incolor revela, ainda, que o presidente estadual do PMDB, deputado federal Mauro Mariani, recebeu as reclamações com preocupação, e pretende vir a Tijucas com alguns extintores de incêndio na bagagem.

Volta ao começo

Postado em 2 de outubro de 2017

O encontro, sábado (30), capitaneado pelo ex-vereador Edson Souza (PMDB) e com presença, inclusive, pasme!, da ex-vereadora Lialda Lemos (PSDB) que se aproximou do ninho periquito pelas mãos do ex-prefeito Elmis Mannrich (PMDB) e, agora, parece mais alinhada ao movimento contrário à manutenção do atual comando do partido pode trazer novas cores à eleição interna do PMDB.

De lá, após o ensejo, chega a informação ao blog de que nada está definido, e que as surpresas devem marcar o pleito, agendado para os próximos dias. “Vamos bater chapa (com Fernando Fagundes (PMDB), vereador e candidato à presidência prescrito pela chefia vigente)”, afirma um dos presentes. Pois, então?!

Fumaça branca no PMDB

Postado em 25 de setembro de 2017

É no trepidar da carroça que as melancias se ajeitam. As definições no PMDB de Tijucas, agora, parecem mais claras. Com eleições internas marcadas para outubro, o partido que mais vezes governou o município deve, enfim,  chancelar o vereador Fernando Fagundes como presidente para o próximo biênio. As negociações, porém, foram e continuam sendo desgastantes.

Líder do movimento contrário à manutenção dos poderes ao presidente Elmis Mannrich e seus mais próximos como, por exemplo, a família Fagundes , a vereadora Fernanda Melo teria imposto, como condição, que a secretária geral do diretório municipal, Flávia Fagundes, irmã do próximo presidente, deixasse a executiva do partido. A reivindicação teria sido atendida. Outros cargos de maior relevância, dominados pelo clã do ex-prefeito, também teriam sido negociados e devem apresentar novos ocupantes.

Há conversas em andamento com o ex-vereador Edson Souza, que ensaiou fazer frente à chapa proposta na concorrência convencional.

Opositores internos de Mannrich, entre si, planejam a tomada do ninho periquito apenas em 2019, quando das novas convenções e mais próximos do pleito eleitoral de 2020 no município.

Ponto de equilíbrio

Postado em 13 de setembro de 2017

Nem tudo está decidido nas internas do PMDB de Tijucas. Embora o vereador Fernando Fagundes conte com o respaldo do ex-prefeito e líder supremo da legenda no município Elmis Mannrich para a presidência da agremiação, um movimento contrário articulado veladamente às voltas do casal Esaú Bayer e Fernanda Melo vem resistindo consistentemente às imposições da cúpula atual.

As negociações seguem no ninho periquito; e um nome de consenso pode surgir até as eleições do diretório, em outubro. Amplamente identificado com a sigla, e com relevante histórico de serviços prestados ao partido, o ex-vereador Edson Souza candidato a vice-prefeito vencido no pleito de 2016 teria passado a integrar a lista de sugestões recentemente.

Quinze: A campanha antes do fim

Postado em 6 de dezembro de 2016

Para concluir a série “Os 15 Motivos”, o blog traz um apanhado dos possíveis, e muito prováveis, equívocos da recente campanha do PMDB, baseado em análises pontuais de quatro observadores da política de Tijucas – dois com propensão à continuidade e outros dois inclinados à alternância de poder –, consultados ocasionalmente para a construção deste artigo. Seguem, em tópicos:

  • Os desencontros dos grupos de oposição podem ter sido mais prejudiciais ao PMDB do que propriamente aos adversários. A diluição do movimento L.I.M.P.E., que surgia como esperança concreta de novos rumos na política de Tijucas, e a consequente indicação do professor Elói Mariano Rocha (PSD) – alheio ao processo eleitoral havia oito anos – como candidato a prefeito dos oposicionistas, foram fatores que contribuíram para um possível relaxamento nas bases peemedebistas. A confiança, até a campanha, passou a conviver com altas e perigosas doses de presunção.
  • A coordenação de campanha do PMDB não era a mesma. Algumas figuras cerebrais de eleições passadas foram substituídas; e não escondem pontas de mágoa por isso. Os novos coordenadores, a propósito, estavam crentes que apenas o nome do ex-prefeito Elmis Mannrich (PMDB) e seus acertos nas gestões 2005-2008 e 2009-2012 eram suficientes para vencer o pleito.
  • O arrojo, que margeava com a vaidade, era tipificado nos contatos iniciais com alguns líderes comunitários, formadores de opinião e simpatizantes do PMDB, que, desconfortáveis com as novidades apresentadas, ameaçavam não acompanhar o partido, não hastear a bandeira e, em alguns casos, não votar em Mannrich. Alguns relatam com ressentimento que, nessas situações, especialmente nas fases iniciais da campanha, eram prontamente descartados com a famigerada frase “não fazes falta”.
  • As decisões estavam restritas a poucas cabeças, e o eleitor ferrenho, que discutia publicamente e levava a voz do partido adiante, não conhecia os detalhes do processo e, conseguintemente, ficava sem argumentos para construir defesas consistentes em favor do PMDB. Em paralelo, a comunidade era convidada a debater sobre os benefícios da “mudança”, e qualquer elemento favorável à manutenção dos peemedebistas no poder era facilmente suplantado pelo slogan “mudar faz bem”.
  • As visitas e comícios foram reduzidos como nunca antes nas campanhas do PMDB em Tijucas. Os badalados arrastões se restringiram a poucos passos, e os ajuntamentos públicos se comprimiram nos encontros de bairros – onde, de acordo com participantes ativos desses eventos, poucos eram, de fato, os moradores assestados. Os analistas, contribuintes deste último capítulo, foram unânimes em atribuir esse fator à ausência de ineditismos – afinal, os eleitores já conheciam o candidato do partido –, à campanha curta e à falta de recursos econômicos, de parte a parte, para despesas dessa ordem. As pesquisas anteriores ao processo eleitoral, todas amplamente favoráveis, também teriam motivado essa desnecessidade de grande empenho.
  • A identidade da nominata de vereadores com o PMDB também é contestada. No quadro de candidaturas, muito pelos agravos da Operação Iceberg, não havia um grande número de puxadores; aqueles que, mesmo antes do pleito, eram líderes nas apostas de votações expressivas. Nos lugares de periquitos históricos, o eleitor enxergou postulantes à Câmara que meses atrás ainda participavam do exército adversário. E estes, conforme mostram os resultados da eleição, pouca diferença fizeram.
  • Até mesmo o material de campanha ficou aquém das versões anteriores. Nos santinhos e plotagens, Mannrich e Edson Souza (PMDB) não sorriam; não pareciam leves. O semblante sisudo dos candidatos peemedebistas no retrato desagradou a massa periquita mais atenta. Diferentemente, Marino Rocha, que sempre teve humor mais contido, exibia uma promissora alegria nas estampas dos colas-brancas.
  • Surpreendentemente, o PMDB copiou fielmente um dos principais erros dos adversários em eleições anteriores. Para rebater os números do respeitado Instituto Mapa, que antecipava vitória de Mariano Rocha em 11 pontos percentuais, a coordenação de campanha de Mannrich apresentou índices discrepantes assinados pelo desconhecido, ora suspeito, Incope (Instituto Catarinense de Opinião Pública e Estatística).
  • Os motes de campanha que se sustentavam na “mudança” foram avassaladores, e não houve qualquer estratégia de combate – ou, pelo menos, uma que fosse efetiva – para confrontar esse argumento.
  • Não obstante, sequer os desgastes do PT, que compôs a chapa oposicionista com o candidato a vice-prefeito Adalto Gomes, foram explorados consistentemente. Os seguidos escândalos nacionais, que culminaram com as prisões de inúmeras lideranças do partido por corrupção, difundidos incansavelmente pelos noticiários do país, praticamente varreram dos governos municipais do Brasil inteiro todo e qualquer representante da sigla; e Tijucas passou a constar na lista de exceções.

Os equívocos – e acertos – na campanha existem em ambos os lados das trincheiras. Este último episódio da série “Os 15 Motivos” traz alguns deles, conhecidos nos bastidores, produtos de pesquisas e análises, que podem ter sido preponderantes para o resultado das urnas; mas que apenas acompanharam uma tendência natural, edificada em 12 anos de situações vividas nos governos do PMDB e na política interna de Tijucas. No fim, é prudente afirmar que venceu quem errou menos; ou quem aproveitou melhor o momento e as fraquezas do adversário.

A série, calcada em informações privilegiadas e contribuições de fontes diversas, evidencia, sobretudo, que a prescrita derrota do PMDB nas últimas eleições de Tijucas tem um pano de fundo muito mais abrangente que a campanha recente. O blog espera, entretanto, que tenha servido – e que ainda venha servir adiante – de objeto para outras análises. A gratidão pela aprazível companhia dos leitores permanece, agora e sempre.