quinta-feira, 22 de fevereiro de 2024 VALE DO RIO TIJUCAS E COSTA ESMERALDA

Compromisso rompido

Postado em 8 de fevereiro de 2024
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
Foto: Divulgação

A coalizão PSD/PL em Tijucas, costurada engenhosamente pelo vice-prefeito Sérgio “Coisa Querida” Cardoso (PSD) – e depois, com autoria despojada para o prefeito Eloi Mariano Rocha (PSD) –, quebrou na emenda.

A regência municipal do partido do governador Jorginho Mello cansou de esperar. Mariano Rocha, por acordo, entraria com a indicação do representante do grupo na concorrência majoritária de outubro para que o PL definisse o complemento da chapa. Mas a procrastinação do chefe do Executivo tijuquense acabou irritando os liberalistas – que argumentaram pressa na resolução de estratégias para o pleito, como, especialmente, a formação de uma nominata consistente de postulantes à Câmara Municipal.

Como contragolpe, e para mostrar descontentamento com a violação do tratado, a representação do PL local se reuniu ontem com a cúpula estadual do partido e definiu que deve concorrer à prefeitura de Tijucas nestas eleições. Há, entretanto, impasse na decisão entre o empresário Thiago Peixoto dos Anjos, segundo colocado no pleito de 2020, que chegou à legenda em dezembro, e o vereador Fernando Fagundes, que continua no MDB, mas com promessa de assinar filiação na janela de março.

EM CIMA DO MURO

Conforme noticiado anteriormente no Blog, a indecisão do prefeito sobre o candidato governista na concorrência majoritária tem frustrado, inclusive, apoiadores da gestão.

Seguidas reuniões do grupo, a propósito, têm sido realizadas sem a presença de Mariano Rocha para debater o assunto. Conselheiros da administração municipal, nestes encontros, teriam elencado prejuízos que a postergação das definições pudesse causar. E um deles seria o afastamento do PL, que vem se confirmando.

MEDIDA DESESPERADA

O prefeito tem encontro às pressas, hoje, com o braço direito do governador Jorginho Mello e presidente do PL em Florianópolis, Heleno Orlandino, para tentar minimizar os danos.

O proponente da reunião teria sido o deputado federal Darci de Matos (PSD), que deve participar das negociações. Entre eles, deve estar, ainda, o vereador Rudnei de Amorim, talvez a indicação de ordem de Mariano Rocha no ensaio de uma retomada da conjuntura.

Governador dezessete

Postado em 13 de janeiro de 2020
  •  
  •  
  • 16
  •  
  •  

Pesquisa do Instituto Síntese para o Grupo Notícias do Dia, de Florianópolis, confirma o que muitos já desconfiavam: 54% dos catarinenses sequer sabem o nome do governador do Estado, Carlos Moisés da Silva (PSL). O resultado deixa claro que a esmagadora maioria dos eleitores barrigas-verdes, em 2018, não votou no ex-comandante do Corpo de Bombeiros e muito menos em um programa de governo; e confiou no número 17, do então candidato a presidente Jair Bolsonaro.

onda, inclusive, gerou esforços homéricos no Vale do Rio Tijucas. Uma reunião com a imprensa, convocada por prefeitos do PSD e partidos aliados, no segundo turno daquela eleição, evidenciou o cenário de quase desespero da classe em favor de Gelson Merisio (ex-PSD, agora no PSDB). Mas uma virada de jogo àquela altura era praticamente impossível; e o número, e a esperança de novos tempos, venceu.

Somos todos

Postado em 28 de maio de 2018
  •  
  •  
  • 47
  •  
  •  

Num instante, conhecemo-nos. Deixamos de ser tijuquenses, canelinhenses, batistenses, neotrentinos para ser brasileiros. Compramos a briga e acreditamos em tudo. E nos apresentamos como humanos, com acertos e erros; e de perfis diversos. Nem Freud conseguiria nos entender.

No prenúncio, nos dividimos entre descrentes e precavidos. Depois passamos a otimistas e preocupados. Depois, a acomodados e incomodados. O combustível estava no fim, o boca-a-boca profetizava o caos, e passamos a nos separar novamente em outras duas classes: os preguiçosos e os egoístas. Uns não queriam enfrentar a fila, não queriam ver o problema; e outros nem queriam saber quem ou quantos vinham atrás.

No tempo da realidade, formamos os desesperados e os oportunistas. Enquanto se falava em “crise”, houve quem enxergasse oportunidade e lucrasse desvairadamente com a angústia e a ignorância. Também há quem se mobilize, quem manobre, por muitas razões: para ser visto, ser lembrado, ser útil, ser líder, ser contra, ser político; e outros que apenas torcem, ou criticam à distância, ou ficam à margem, na sombra, nas redes sociais, à espera do fim.

Não apenas #somos todos caminhoneiros. Também #somos gente que precisa aprender muito.

Lixo esquecido

Postado em 14 de fevereiro de 2017
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Por uma questão ética, o prefeito Elói Mariano Rocha (PSD) não comenta a saúde financeira da prefeitura de Tijucas enquanto os cálculos não estiverem devidamente concluídos. Mas, de antemão, sabe-se por convidados do banquete real que a situação é quase desesperadora.

Uma das heranças da gestão anterior, a propósito, vem tirando o sono do chefe do Executivo municipal. De acordo com o passarinho transparente, os pagamentos à empresa de coleta de lixo na cidade não foram realizados por três meses no governo passado; e o ultimato da prestadora de serviços chegou, trazendo inquietudes extras ao paço. Pois, então?!

Política do ódio

Postado em 18 de julho de 2016
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

No vídeo, amplamente disseminado nas redes sociais, o sapateiro Carlos Fraga Feller, o Calinho da Téta, relata com detalhes, entre risos e aconchegado por um copo de cerveja, o desespero do vereador Vilmar Francisco Machado, o Bá (PPS) – ou Bazinho, devido à estatura debilitada (1,30m) –, a quem teria supostamente agredido de maneira brutal na tarde de sexta-feira (15), em São João Batista.

O parlamentar, enquanto tirava uma saca de ração para cavalos do porta-malas do carro, teria sofrido um golpe na cabeça pelas costas, e, já no chão, vários chutes e pisões. Bazinho, que recebeu os primeiros atendimentos pela guarnição dos Bombeiros, registrou, em boletim de ocorrência, que chegou a implorar pela vida antes de perder a consciência; e que o agressor, enfurecido, entre um golpe e outro, dizia apenas “vou te matar porque tu és contra o prefeito”.