quinta-feira, 9 de junho de 2022 VALE DO RIO TIJUCAS E COSTA ESMERALDA

Cidadã honorária

Postado em 9 de junho de 2022
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
Foto: Divulgação

A deputada estadual Ana Paula da Silva (PODE), natural de Bombinhas — onde foi vereadora e prefeita —, vai poder dizer, muito em breve, que é oficialmente tijuquense. Ela recebe o título de cidadã honorária de Tijucas amanhã, em sessão solene da Câmara Municipal comemorativa aos 162 anos de emancipação político-administrativa do município. O proponente do galardão é o presidente do Legislativo, Rudnei de Amorim (PSD), que mantém relação muito estreita com a parlamentar.

 

Na foto, Paulinha posa com o vereador, esposa e filhos na tradicional Festa do Trabalhador Rural, na localidade de Campo Novo, mês passado, em Tijucas.

Reprovação prenunciada

Postado em 2 de maio de 2022
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

A ex-vereadora Rúbia Alice Tamanini Duarte — que deixou o comando da Secretaria Municipal de Assistência Social de São João Batista no início de janeiro e recebeu, sexta-feira (29), chamado do governo estadual para ocupar a secretaria adjunta de Estado do Desenvolvimento Social — não deve contar com o aval da Câmara Municipal para se afastar das funções de professora na Capital Catarinense do Calçado. A apreciação do parlamento foi marcada para hoje, e, na boca de urna, conjetura-se que ela não teria os votos necessários para ganhar a causa.

Sequer a bancada situacionista, sobretudo os vereadores do MDB, devem aprovar consonantemente a cessão da batistense para o Estado. Pesa contra ela o imbróglio, ainda velado, mas com capítulos cada vez mais sintomáticos, entre o prefeito Pedro Alfredo “Pedroca” Ramos (MDB) e seu antecessor, Daniel Netto Cândido (PODE), que fez a indicação da professora para o cargo que ocupou até mês passado no governo estadual.

ALTERNATIVA

Segundo consultoria jurídica do Blog, Rúbia não precisaria passar pelo crivo da vereança. Bastava pedir licença não remunerada ao prefeito em exercício Almir “Déi do Gás” Peixer (PSD) — com quem tem excelente relação — e aceitar a nomeação do governador Carlos Moisés da Silva (REPUBLICANOS) para a secretaria adjunta de Estado.

Mas, mesmo que a cessão seja reprovada na Câmara, ela teria, ainda, tempo para recorrer a esta opção.

BASTIDORES

Aos seus, intimamente, a ex-vereadora viria garantindo que seja qual for o resultado da votação no Legislativo batistense, vai aceitar o convite do governo estadual. Nos bastidores, especula-se que ela esteja apenas observando atitudes e posturas de aliados e oposicionistas para compreender a cena política do município e decidir que caminho tomar no futuro.

A exemplo de 2020, quando abriu mão de uma candidatura para contemplar o grupo que integrava, Rúbia se mantém na lista de cotações para a disputa da prefeitura nas próximas eleições da Capital Catarinense do Calçado.

DOIS PESOS

Caso semelhante passou pela Casa no ano passado, quando o Executivo pediu a cessão de outros dois servidores ao governo estadual, dentre os quais Rildo Vargas, tradicional correligionário do grupo governista. Na ocasião foram apenas três votos contrários — todos da bancada do PP — sob a justificativa de que não haveria fundamento legal para a transferência. Os demais vereadores, sem exceção, foram favoráveis.

Desta vez, a expectativa diz respeito à eventual mudança dos votos situacionistas e as motivações, alegações e satisfações a partir daí.

Portas abertas

Postado em 29 de abril de 2022
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

O ex-prefeito de São João Batista, Daniel Netto Cândido (PODE) deixou a secretaria adjunta de Estado do Desenvolvimento Social no fim do prazo de desincompatibilizações, há quase um mês, para concorrer a uma cadeira no parlamento catarinense, mas manteve portas abertas no governo estadual. Tanto que indicou a substituta para o posto que ocupava, foi atendido, e, dizem os seus, não poderia ter feito melhor escolha.

Hoje, o governador Carlos Moisés da Silva (REPUBLICANOS) enviou ofício para a prefeitura da Capital Catarinense do Calçado em que solicita a disposição da ex-secretária de Assistência Social e ex-vereadora Rúbia Alice Tamanini Duarte, lotada no município como professora, para a ocupação do cargo de secretária adjunta de Estado do Desenvolvimento Social. Basta, agora, que a Câmara batistense aprove a cessão para que a nomeação ocorra oficialmente no governo do Estado.

Câmara anormal

Postado em 26 de abril de 2022
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

As atipicidades nas sessões da Câmara Municipal de Major Gercino estão se transformando em marca registrada. Bizarras e estapafúrdias também poderiam servir como descrição, dadas as situações inusitadas, quase inimagináveis, que se registram nos encontros parlamentares do menor município do Vale.

A participação frequente do prefeito Valmor Pedro Kammers (REPUBLICANOS) nas reuniões, inclusive com espaço cativo no uso da tribuna — para, pasmem!, anunciar a conquista de recursos e a realização de obras públicas — é apenas uma das esquisitices do parlamento majorense. Outros casos que se destacam caem na conta da pirotecnia, com show de fogos de artifício durante a manifestação do chefe do Executivo, e dos bate-bocas desenfreados e ofensas prosaicas nos microfones da Casa ou fora deles.

CONFRONTO DIRETO

Na semana passada, com Kammers mais uma vez na tribuna, a contenda envolveu o vereador Jade José “Tichico” David (PODE). Tratamentos específicos, como “mentiroso” e “caco”, além de acusações de recebimentos ilegais, marcaram o encontro do prefeito com o parlamentar na Casa do Povo. O espetáculo de indecências foi tamanho que a sonorização precisou ser interrompida e a sessão suspensa.

O presidente do Legislativo, Augustinho Orlandi (UB), decidiu remarcar o encontro — e, novamente, com convite para o mandatário majorense e caminho livre para uso dos microfones. Pois, então?!

Sem desculpas

Postado em 13 de abril de 2022
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

O prefeito de Major Gercino, Valmor Pedro Kammers (REPUBLICANOS), quer que o vereador Jade José “Tichico” David (PODE) faça uma reparação pública por tê-lo chamado de “aloprado” na tribuna da Câmara. O chefe do Executivo municipal enviou pedido de retratação à Casa do Povo dias atrás.

O ofício foi lido, mas o parlamentar, que acusa Kammers de tê-lo denunciado ao Ministério Público por manter uma propriedade próxima ao rio, não acatou.

Ao jornal Correio Catarinense, de São João Batista, o prefeito negou qualquer relação com o episódio e informou que o próprio MP pediu à prefeitura, em 2020, que realizasse um levantamento, por georreferenciamento, de construções no leito do Rio Tijucas para que todas as situações fossem analisadas. “Não é uma questão municipal”, pontuou o mandatário majorense sobre o caso.

Microfone fechado

Postado em 6 de abril de 2022
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

O prefeito Diogo Francisco Alves Maciel (REPUBLICANOS), de Canelinha, foi impedido de usar a tribuna da Câmara Municipal na sessão de ontem. Ele queria explicar um projeto do Executivo para contratação de operação de crédito com a Caixa Econômica Federal protocolado momentos antes e sem aval da comissão responsável na Casa. A proposta para que o mandatário canelinhense se manifestasse no Legislativo foi formalizada pelo vereador Vagner Simas (PSL) e prontamente negada pelo presidente Robinson Carvalho Lima (PP).

Com o revés, tanto Simas quanto o correligionário José Tarquino Melo Neto (PSL) decidiram se retirar da reunião. E, pouco depois, se juntaram a um grupo de apoiadores do governo, em recepção a Alves Maciel na fachada da empresa da família do prefeito, na região central da Cidade das Cerâmicas.

Para a negativa, Carvalho Lima argumentou que o regimento da Câmara restringia a discussão, por quem quer que fosse, de projetos que não estivessem na pauta. E, aproveitando a evasão dos parlamentares governistas, foi à forra: “A partir do momento em que o prefeito precisa explicar um projeto, entende-se que ele reconhece a incompetência dos vereadores da base”, bradou o presidente na tribuna do Legislativo.

Saída serena

Postado em 5 de abril de 2022
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Três meses após assumir a direção geral da Câmara Municipal de Tijucas, a ex-vereadora Elizabete Mianes da Silva deixou o cargo. Diz que a decisão foi pessoal — porque, como funcionária em cargo de comissão, impediria, segundo a Lei, um dos filhos, empresário, de participar de processos licitatórios no Poder Público municipal —, elogia o presidente do Legislativo, vereador Maickon Campos Sgrott (PP), a equipe funcional da Casa, e garante que teve uma grata experiência enquanto diretora. “Consegui enxergar o todo, sem relações partidárias como no tempo de vereança, e perceber coisas que antes eu não via. Pude ter mais contato com as pessoas, os funcionários, e isso foi muito gratificante”, comenta.

Professora aposentada e recordista de mandatos consecutivos no parlamento tijuquense, Bete quer, agora, dedicar-se integralmente à família e ter mais tempo para a recreação. “É o que se leva da vida”, diz a ex-secretária de Educação do município e seis vezes seguidas vereadora.

Unanimidade desfeita

Postado em 17 de março de 2022
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

O trânsito de Canelinha não precisa de um setor responsável na prefeitura. Pelo menos, é como entendem os vereadores do município — agora, com algumas ressalvas, a propósito. O projeto de lei de origem do Executivo que criaria a Ditran (Diretoria Municipal de Trânsito) foi rejeitado em segunda votação no Legislativo. Mas, desta vez, sem manifestação de professores no plenário, nem pressão, e, como era de se esperar, nem unanimidade.

Se na apreciação inicial, com a Câmara tomada por profissionais da Educação que bradavam contra qualquer intenção de sobrecarga na folha do município, a proposta foi recusada por cem por cento da vereança, na mais recente, anteontem, o placar foi de 6 a 2. Os governistas José Tarquino Melo Neto (PSL) e Vagner Simas (PSL) mudaram o discurso e votaram na aprovação do projeto.

EM TEMPO…

No contraponto à nota “Pressão e rejeição“, de semana passada no Blog, o vereador Eloir “Lico” Reis (PSD), que pediu vista ao projeto na primeira votação, diz que tentou intervir justamente porque avaliou que “não era momento para discutir criação de cargos em meio à dificuldade que o município atravessa na questão do reajuste dos professores”, e não porque, conforme subentendido na publicação, atendia interesses do Executivo.

E ele, entretanto, manteve a coerência. Anteontem, foi um dos seis que repetiram o voto e rejeitaram a proposta.

Pressão e rejeição

Postado em 9 de março de 2022
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

O cargo de diretor de Trânsito no município de Canelinha não saiu do papel. Quis o destino que o projeto do Executivo fosse posto em votação justamente no momento em que a Câmara era tomada por servidores municipais da Educação que reivindicavam, em manifestação pacífica, os 33,24% de reajuste nos salários da categoria previstos na Lei. Diante da justificativa do prefeito Diogo Francisco Alves Maciel (sem partido), de que a prefeitura não teria orçamento para cobrir a pedida, parlamentar nenhum foi capaz de abonar, naquela situação, uma proposta que dilataria a folha de pagamentos.

Aliado do governo, o vereador Eloir “Lico” Reis (PSD) tentou, arguciosa e elegantemente, pedir vista ao projeto — para que fosse apreciado em sessão futura. Mas a bateria de vaias no plenário foi suficiente para que o ex-prefeito, ex-vice-prefeito e ex-secretário municipal de Saúde recuasse, repensasse e se rendesse ao clamor da numerosa plateia. O placar, por ocasião ou pressão, terminou em oito a zero pela rejeição. Apenas o presidente Robinson Carvalho Lima (PP) não votou; porque não precisou. Base, centro e oposição foram unânimes.

INEDITISMO

Foi a primeira vez, em 14 meses da atual administração, que uma proposta do Executivo recebeu a recusa do parlamento. Muito embora o governo não goze de maioria na Câmara, as solicitações do paço sempre foram acatadas na Casa do Povo.

BASTIDORES

Diz-se nos porões da política canelinhense que a função de diretor de Trânsito do município estaria prometida ao suplente de vereador Daniel José Pereira (PSL). O cargo seria um compromisso do grupo gestor da Cidade das Cerâmicas para, ainda durante a pré-campanha de 2020, atrair o policial militar de reserva, destacado ex-comandante da guarnição local e então pretenso postulante à vereança, para a sua base eleitoral.

Faixas e cartazes

Postado em 8 de março de 2022
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Servidores municipais da Educação programam uma manifestação, hoje, na Câmara Municipal de Canelinha. Assim como nos demais municípios da região, profissionais do magistério cobram o reajuste de 33,24% nos ordenados da categoria. Com o ato, professores e funcionários do setor pretendem chamar a atenção do Executivo e mobilizar a vereança em favor da causa.

Na sexta-feira (4), o prefeito Diogo Francisco Alves Maciel (sem partido) esteve reunido com representantes da classe. Na proposta do município, os salários seriam reajustados em 10% — que fariam referência à recomposição de perdas de 2021 para todos os servidores municipais —, mais 6% para o magistério. Muito aquém das reivindicações, o acordo não foi aceito.

MOTIVAÇÃO EXTRA

O protesto tem, ainda, um aditivo: a criação do cargo em comissão de diretor de Trânsito, proposto pelo Executivo e sob avaliação dos vereadores na sessão desta noite. Os servidores da Educação não admitem que Alves Maciel justifique “ausência de orçamento” para o pagamento integral do reajuste, mas sobrecarregue o erário com a abertura de novas funções na estrutura municipal. Pois, então?!