terça-feira, 29 de novembro de 2022 VALE DO RIO TIJUCAS E COSTA ESMERALDA

Sem intervenção

Postado em 18 de novembro de 2022
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Em razão da nota “Saída traumática”, de hoje no Blog, o ex-prefeito Emerson Stein (MDB) se manifesta. Ele garante que não foi ao paço para intervir na decisão do atual mandatário, Joel Orlando Lucinda (MDB) — sobre a exoneração da secretária de Administração do município, Eliane Tomaz.

“O prefeito me chamou para comunicar a saída, e eu disse apenas que ele tinha o direito de escolher com quem trabalhar. A gestão é dele. Não dou opinião no governo e respeito o que ficar decidido. Cada um administra do seu jeito”, contrapôs Stein.

Adiamento

Postado em 14 de novembro de 2022
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

O cenário de instabilidade que o Brasil atravessa, muito em função das eleições para a presidência da República, fez mais uma vítima na região: a conceituada Cachaçada do Xirú, marcada para sábado (19), teve de ser adiada.

O clima de insegurança, os desdobramentos na economia e as manifestações em todo o território catarinense frearam a frequência de uma das day partys mais tradicionais do Vale do Rio Tijucas e da Costa Esmeralda. O evento, desta vez, aconteceria no CTG Fazenda Silva Neto, em Canelinha, e apresentaria o aclamado Leonardo como atração principal.

A organização decidiu reeditar a festa em 21 de janeiro próximo, mas deu liberdade ao público para, se preferir, efetuar o reembolso das compras de ingressos e camarotes nos canais de interação com o cliente, na internet ou nos pontos de venda.

Foco dividido

Postado em 31 de maio de 2022
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

O ex-prefeito de Porto Belo, Emerson Stein (MDB), tem jornada dupla nesta reta de decisão para o município. Além das andanças pelo Estado, em razão da pré-campanha ao parlamento catarinense, ele tem trabalhado internamente para que o prefeito interino Joel Orlando Lucinda (MDB) conquiste o comando do Executivo, de fato e de direito, na eleição suplementar da Capital Catarinense dos Transatlânticos, neste domingo (5).

Anteontem, a propósito, Stein usou as redes sociais para pedir que os eleitores portobelenses “não esqueçam de ir às urnas, mesmo fora de época” e que elejam Lucinda “para dar continuidade ao trabalho” que ele e equipe iniciaram em 2017.

Cumprimento de protocolo

Postado em 21 de abril de 2022
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
Foto: Divulgação

Para surpresa de ninguém, o prefeito interino de Porto Belo, Joel Orlando Lucinda, venceu a convenção do MDB, ontem, e vai representar o partido na eleição suplementar do município, em 5 de junho. O vereador licenciado obteve 36 das 45 indicações do diretório, confirmou o amplo favoritismo e superou com tranquilidade os concorrentes Diogo dos Santos, com 11, e Magno Muñoz, que não foi votado.

 

Lucinda, que tem sete mandatos consecutivos na Câmara Municipal, tinha larga predileção entre os servidores e dirigentes da aliança governista, e se manteve sempre alinhado ao ex-prefeito e pré-candidato a deputado estadual Emerson Stein (MDB), o que, seguramente, foi fator crucial na decisão dos convencionais.

COMPOSIÇÃO

Definida a cabeça, a chapa foi completada. Em reunião paralela, o PL escolheu o vereador Ailto Neckel por aclamação como candidato a vice-prefeito. Os dois partidos já haviam decidido antecipadamente que manteriam a aliança que administra a Capital Catarinense dos Transatlânticos desde 2017.

Outras legendas que devem compor com MDB e PL no pleito extraordinário são o PP, que se reúne internamente hoje e oficializa a união, e REPUBLICANOS, que, se não realizar convenção, vai, mesmo assim, declarar apoio branco ao projeto governista.

CHAPA ÚNICA

Diante da vultosa coalizão, e com a dificuldade de organização de grupos contrários, os prognósticos de eleição com chapa única, propalados recorrentemente nas rodas sócio-políticas de Porto Belo, parecem cada vez mais próximos de uma confirmação.

Se assim for, Lucinda e Neckel precisarão de apenas 50% do eleitorado local e mais um voto para se garantirem na prefeitura. O cenário, para os governistas, não poderia ser mais favorável.

Brecha

Postado em 5 de abril de 2022
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Sempre especulado como opção natural nos pleitos majoritários de Porto Belo, o ex-prefeito Evaldo Guerreiro Filho (PT) passa a ser, mais uma vez, tema das conjecturas habituais sobre a eleição suplementar do município, marcada para 5 de junho. Mas, assim como em 2020, ele prefere a plateia ao palco do espetáculo. “Neste momento da minha vida, não existe qualquer chance (de candidatura)”, afirma, com exclusividade ao Blog.

Guerreiro Filho revela, no entanto, que, independentemente da sua posição pessoal, o PT pode apresentar um candidato a prefeito ou participar ativamente do pleito extraordinário da Capital Catarinense dos Transatlânticos. “O partido está avaliando, mas ainda não tomou uma decisão concreta”, pontua o ex-mandatário portobelense.

Decisões tomadas

Postado em 30 de março de 2022
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Dia de definições para a deputada estadual e pré-candidata à reeleição Ana Paula da Silva, de Bombinhas, e para o ex-prefeito de São João Batista e atual secretário adjunto de Estado do Desenvolvimento Social, Daniel Netto Cândido, também postulante à Assembleia Legislativa nestas eleições. Eles devem oficializar hoje o ingresso no PODEMOS, partido da base do governador Carlos Moisés da Silva (REPUBLICANOS).

Paulinha, inclusive, já fala como integrante do PODEMOS e deve ter o prefeito de Bombinhas, Paulo Henrique Dalago Müller (atualmente no UB), como companheiro de legenda. A construção foi conjunta, entre eles e figuras proeminentes do partido, como os prefeitos de Balneário Camboriú, Fabricio Oliveira, e de Blumenau, Mário Hildebrandt.

Cândido, no entanto, como de costume, tem sido mais cauteloso. “Mas essa (de migração para o PODEMOS) é a maior possibilidade”, pontua a assessoria de Comunicação do batistense. Os últimos detalhes serão finalizados nas próximas horas, e o anúncio da filiação deve ser feito ainda hoje.

Anúncio antecipado

Postado em 23 de março de 2022
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

O vice-prefeito Elias Cabral (PL), de Porto Belo, planejava deixar o cargo juntamente com o prefeito Emerson Stein (MDB), na sexta-feira (25), quando o mandatário portobelense programou oficializar a renúncia para concorrer nas eleições deste ano. Mas foi orientado por pessoas mais próximas a antecipar o anúncio, a fim de preservar o titular e permitir que a data sirva única e exclusivamente como start da campanha do chefe do Executivo ao parlamento catarinense.

Desde que revelou a desistência de assumir a prefeitura, Cabral decidiu não falar mais no assunto. E, inclusive, pediu ao setor de Comunicação da prefeitura que recusasse qualquer oferta da imprensa para entrevistas ou declarações, justificando que tudo o que deveria ser dito está na fatídica nota que publicou nas redes sociais.

Saída na entrada

Postado em 22 de março de 2022
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

O burburinho vinha ecoando nos corredores da prefeitura de Porto Belo havia semanas. O vice-prefeito Elias Cabral (PL), substituto imediato do titular Emerson Stein (MDB), que planeja se candidatar a deputado estadual nestas eleições e programou a desincompatibilização para sexta-feira (25), estaria repensando a assunção do município. Embora se confabulasse que a famigerada “intriga da oposição” pudesse ser o foco das informações, também se considerava que o governo portobelense não tem, atualmente, oposição na cidade, e que, obviamente, existia um fundo de verdade em tudo que se dizia.

Hoje, entretanto, Cabral foi às redes sociais para confirmar que desistiu de assumir o comando da Capital Catarinense dos Transatlânticos. No texto, ele diz que a decisão “é pessoal e não decorre de qualquer fato ou ato vivido ou presenciado na administração municipal” e que retorna automaticamente para o serviço público estadual como professor na Escola de Educação Básica Tiradentes. Aos mais próximos, porém, o vice-prefeito trata do assunto com brevidade: “Entrei com o Emerson e vou sair com o Emerson”, pontua, conforme relata, com exclusividade ao Blog, um vereador da base governista.

INCONSISTÊNCIA

Em meio à indecisão, Elias Cabral cumpria naturalmente a agenda de transição. Iniciou o processo com reuniões nos órgãos essenciais do governo, e tudo caminhava na mais absoluta normalidade. Depois, porém, faltou a compromissos em setores subsequentes e reacendeu a chama da desconfiança na cúpula governista. “Ele marcou conosco na Assistência Social, depois de ter ido na Secretaria de Administração, e não apareceu. Ficamos receosos, claro! Sabíamos que ele estava querendo desistir”, conta um servidor comissionado do município.

ÚLTIMO APELO

Não faltaram súplicas do prefeito Emerson Stein para que o companheiro voltasse atrás. Desde que Cabral comunicou a decisão, o clima na prefeitura é de incredulidade e preocupação. E o chefe do Executivo, que teve o vice-prefeito no planejamento da pré-candidatura a deputado estadual e a promessa de continuidade do modelo administrativo no município, não deixou de cobrar, insistir e, contam fontes do Blog, até implorar para que a programação engendrada logo após a reeleição fosse cumprida.

Consultado, Stein não quis comentar a postura do vice-prefeito, mas garantiu que o fato em nada afeta o projeto de candidatura ao parlamento catarinense, e que vai cumprir todo o cronograma previamente estabelecido.

CURSO NATURAL

Imediatamente, definiu-se que o governo não interfere politicamente e que o presidente da Câmara Municipal, vereador Joel Orlando Lucinda (MDB), assume o comando do município. De acordo com a legislação, ele deve convocar nova eleição para a chefia do Executivo em 90 dias.

Dos males, o menor. Lucinda goza de prestígio com o prefeito Emerson Stein e participa do rol de confiança do mandatário portobelense.

O presidente do Legislativo, aliás, já teria se colocado à disposição para se candidatar à prefeitura no pleito extraordinário. Outra opção seria o jovem Diogo dos Santos (MDB), que também teria a mesma intenção. Nos bastidores da Câmara, as confabulações seguem à toda. Na preferência da maioria, por enquanto, estaria Lucinda, que acumula sete mandatos consecutivos no parlamento e seria, independentemente de Elias Cabral, uma das alternativas governistas altamente cotadas para a sucessão municipal em 2024.

Fora, mas dentro

Postado em 8 de março de 2022
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Ex-prefeito e ex-vice-prefeito de Ituporanga, deputado estadual por três legislaturas e, atualmente, no terceiro mandato como deputado federal, o neotrentino de berço Rogério “Peninha” Mendonça (MDB-SC) não vai à reeleição. E nem quer saber de candidatura, a não ser que surja um (improvável) convite para o Executivo estadual ou para o Senado Federal. A decisão foi tomada há tempos, comunicada aos caciques emedebistas do Estado, e não tem volta.

Peninha, no entanto, tem um compromisso com o pleito: eleger o jornalista Rafael Pezenti (MDB), seu assessor de Comunicação, para a Câmara Federal. E por ele deve continuar frequentando sua fiel e numerosa carteira de eleitores até outubro.

HERANÇA

As aparições de Pezenti têm sido mais frequentes na região. Em Tijucas, por exemplo, caminha pelas mãos do vereador Fernando Fagundes (MDB), cabo eleitoral de Peninha em seguidas eleições e, agora, herança do jornalista.

Pré-candidatura

Postado em 4 de fevereiro de 2022
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

O suplente de vereador Juarez Soares (PP), de Tijucas, vai disputar as eleições gerais deste ano. Já oficializou pré-candidatura a deputado federal na executiva estadual do partido e ontem se reuniu com a bancada progressista na Câmara Municipal — o presidente do Legislativo, Maickon Campos Sgrott, e os correligionários Cláudio de Oliveira e Ecio Helio de Melo —, mais o vereador Maurício Poli (PSB), para comunicar a decisão.

Nos próximos momentos, Soares deve conversar com o presidente municipal do PP, Vilson Natálio Silvino, para tratar do aporte do partido à candidatura. Ele espera, ainda, contar com o apoio dos 3,5 mil colegas agentes penitenciários do Estado, e diz que foi levado à pré-candidatura por não haver, no Vale do Rio Tijucas, até o momento, alguém que se dispusesse a representar a região na Câmara Federal.