terça-feira, 16 de julho de 2019 VALE DO RIO TIJUCAS E COSTA ESMERALDA

Panos quentes

Postado em 10 de julho de 2019

De malas prontas para o PL, o vice-prefeito Adalto Gomes jura que não falou, em reunião com apoiadores, sobre um “prazo de 120 dias para entregar o comando da Secretaria de Obras, Transportes e Serviços Públicos do município” — embora as precisas fontes do Blog continuem reafirmando a informação.

Gomes garante, inclusive, que continua no governo até o fim do mandato, “seja como secretário ou apenas como vice-prefeito” e que não descarta qualquer convenção política para as eleições de 2020, sobretudo a manutenção da dupla, na mesma ordem, com o prefeito Elói Mariano Rocha (PSD).

O adjunto tijuquense, no entanto, segue crente na inversão da chapa. “Temos um compromisso. Continuo acreditando que ele (Mariano Rocha) vá cumprir”, diz.

Rachou

Postado em 27 de maio de 2019

Reuniões e conversas definitivas à parte, o vice-prefeito Adalto Gomes (PT) já decidiu: só aceita compor uma chapa com o PSD em 2020 se estiver na cabeça. O secretário municipal de Obras garante, via assessoria pessoal, que “não está sabendo de nada” sobre o noticiado encontro, para breve, com o prefeito Elói Mariano Rocha (PSD), para definir a conjuntura das próximas eleições.

Gomes segue irredutível quanto à candidatura a prefeito em 2020 e se esteia num “termo de compromisso” supostamente firmado em setembro de 2016 que garantiria a inversão da chapa nas próximas eleições municipais, com recursos financeiros advindos do PSD. O documento, enviado ao Blog, não tem a assinatura de Mariano Rocha ou de qualquer peessedista, mas, de acordo com a assessoria do vice-prefeito, o atual chefe do Executivo, então candidato, teria assegurado que “não precisaria assinar, pois tinha palavra”.

NOVOS ARES

O adjunto tijuquense, que já havia decidido deixar o PT, está de malas prontas para o PR. As articulações da mudança de partido teriam envolvido o ex-vice-prefeito e advogado Roberto Carlos Vailati (PT) e o deputado estadual Nilso Berlanda (PR).

DENTRO, MAS FORA

Gomes vem, ainda, conversando sistematicamente com líderes oposicionistas e postulantes ao cargo máximo do município em 2020. Depois da aproximação com o presidente municipal do MDB, vereador Fernando Fagundes, o vice-prefeito estaria mantendo contato com o empresário Thiago Peixoto dos Anjos, que assumiu pré-candidatura majoritária no PDT.

“Uma grande coalizão de partidos será montada em Tijucas para as próximas eleições. O Elói e o PSD estão sozinhos”, diz a assessoria pessoal do adjunto, com exclusividade ao Blog. Pois, então?!

Novela mexicana

Postado em 26 de março de 2019

O futuro partidário do vice-prefeito Adalto Gomes, de Tijucas, vem ganhando contornos de novela mexicana. Já se vão meses de ensaios e expectativas de anúncio da nova sigla. Mas, até agora, nada. Sabe-se apenas que no PT ele não permanece. No páreo, conforme a assessoria pessoal do adjunto tijuquense, estão Patriota, PV e PSB.

As intenções de Gomes, aliás, não esmoreceram com a propalada disposição do prefeito Elói Mariano Rocha (PSD) à reeleição. O policial rodoviário federal aposentado continua crente que o chefe do Executivo municipal vai retroceder, e cumprir o “compromisso” – de abrir mão da candidatura para apoiá-lo na concorrência majoritária de 2020. “O diálogo entre eles se mantém, e em nível muito bom”, garante a assessoria do vice-prefeito.

Estrela cadente

Postado em 25 de janeiro de 2019

Maior expoente do PT em Tijucas na atualidade, o vice-prefeito Adalto Gomes já preparou o discurso de adeus. Figuras centrais do partido – como o advogado e ex-vice-prefeito Roberto Vailati e a vereadora Maria Edésia da Silva Vargas – estão cientes e compreendem os motivos do adjunto tijuquense. Ele planeja concorrer à prefeitura em 2020 e avalia, enfim, que a legenda minimizaria as chances de sucesso nas urnas. O prazo para a desfiliação é fevereiro.

A decisão, que é irreversível, passa, sobretudo, pelas eleições de 2018. Se o PT houvesse vencido o pleito presidencial com Fernando Haddad, Gomes seguiria no partido.

COMPROMISSO

Tal qual em 2004, os governistas têm um compromisso de inversão da chapa – que naquela feita não foi cumprido – para a próxima eleição municipal. Gomes diz aos seus que confia no cumprimento do tratado e que, por imposição da saúde do prefeito Elói Mariano Rocha (PSD), ressurge como franca opção entre os situacionistas; mas que não descarta ser alternativa ao governo e, inclusive, à oposição em 2020.

NOVO RUMO

Conforme noticiado no Blog em dezembro, o PSB é a sigla que mais seduz o vice-prefeito, fundamentalmente pela ideologia, que se assemelha, em partes, à do PT. Mas o rumo do policial rodoviário federal aposentado ainda é incógnito. O que se sabe, porém, é que a preferência seria por um partido pequeno, sem história na política do município; apesar das investidas severas do PSD.

Promessa cumprida

Postado em 21 de janeiro de 2019
Foto: Divulgação

O senador eleito Esperidião Amin (PP-SC) veio a Tijucas, acompanhado da mulher, deputada federal eleita Ângela Amin (PP-SC), hoje pela manhã, cumprir um compromisso com o presidente da Câmara e do PP municipal, vereador Vilson Natálio Silvino, com o líder benemérito do partido, ex-prefeito Nilton de Brito, e com o prefeito Elói Mariano Rocha (PSD).

O ex-governador entregou uma Mitsubishi/L200 Triton Sport, avaliada em mais de R$ 160 mil, para a frota da Secretaria de Saúde do município.

Fala, Mannrich!

Postado em 4 de janeiro de 2019

Sobre a nota “Puxada de tapete“, de ontem, o ex-prefeito Elmis Mannrich (MDB) diz com exclusividade ao Blog que apenas deixa o cargo que ocupa no governo estadual – na diretoria técnica da Aresc (Agência de Regulação de Serviços Públicos de Santa Catarina) – se quiser ou se o governador Carlos Moisés da Silva (PSL) optar pela desativação da agência. “Tenho mandato. Fui sabatinado na Assembleia Legislativa. Só saio em 2 de outubro de 2022. Não existe deputado que possa me tirar”, garante.

A respeito do suposto litígio com o deputado estadual Jerry Comper (MDB) em razão das eleições de 2018, Mannrich afirma que não tem problemas com o parlamentar. “Sei que ele ficou chateado, mas não sei se tentou me prejudicar. Ele entendeu que eu deveria apoiá-lo por conta do meu compromisso com o Aldo (Schneider, de quem Comper era assessor e que faleceu pouco antes das eleições). Se o Aldo fosse candidato à reeleição, eu certamente estaria com ele. Apoiei o (ValdirCobalchini porque somos muito amigos e porque o Aldo faleceu”, pontua o ex-prefeito.

Caneta, lençol e balão

Postado em 26 de dezembro de 2018

Galera do programa DijaHoje Breaking News, da Rádio Primeira FM, de Tijucas, roubou a cena na entrevista coletiva com o pentacampeão mundial Ronaldinho Gaúcho – que participou do Jogo das Estrelas na Arena Multiuso –, dias atrás, em Brusque. O âncora da atração, Juliano “Toko” Fritzen, arrancou gargalhadas gerais quando deu uma caneta e um lençol, literalmente, para o craque.

Em seguida, porém, o ex-jogador deu um balão em 6o fãs que o esperavam para um jantar exclusivo num clube da cidade. Segundo a revista IstoÉ, Ronaldinho furou o compromisso para encontrar amigos em Balneário Camboriú, onde, lógico!, curtiu a noite adoidado.

Volta ao começo

Postado em 17 de dezembro de 2018
Foto: Léo Nunes

Já diziam nossos avós: quem não queria, não queria, no fim até o prato lambia. Pivô das agruras do grupo governista na Câmara Municipal de Tijucas nos tempos mais recentes, o atual presidente Juarez Soares (PPS) foi o último a deixar a festa em comemoração ao sucesso do confrade, quase adversário, Vilson Natálio Silvino (PP), no pleito interno do Legislativo.

Soares, nos últimos meses, vinha anunciando o descumprimento do acordo de alternância da presidência da Casa do Povo entre os vereadores de situação e provocando contra-ataques severos e desmedidos nos próprios pares. Uma das mazelas do imbróglio foi a abertura de espaço, na mesa diretora, para um representante da oposição. A aprovação de Odirlei Resini (MDB) na vice-presidente da Câmara fatalmente passaria longe de ser considerada não fosse o litígio entre o atual presidente e o próximo.

PASSO ATRÁS

Ainda na tribuna, na prenunciada vitória de Silvino, a resistência passou à aderência. Na justificativa do voto, o atual presidente, já sem perspectivas de reeleição e com a candidatura renunciada, enfim, deu o braço a torcer. “Meu pai me ensinou que um homem deve honrar a palavra empenhada. Em homenagem a ele, voto no vereador Vilson”, pontuou Soares, e pôs panos quentes na relação com a bancada situacionista.

Câmara, rádio e WhatsApp

Postado em 5 de outubro de 2018

Desde que se lançou pré-candidato a deputado estadual, o vereador Juarez Soares (PPS), que compunha a bancada situacionista, vem entrando em rota de colisão com a administração municipal. A candidatura não se confirmou, mas as rusgas com o governo do prefeito Elói Mariano Rocha (PSD) não se dissiparam. O presidente da Câmara queria ser apoiado na prefeitura, mas o chefe do Executivo já tinha um compromisso pré-estabelecido com a candidata Marlene Fengler (PSD) para a corrida ao parlamento catarinense.

Soares partiu para a retaliação. Além das fotos em redes sociais com Mauro Mariani (MDB) – principal adversário de Gelson Merisio (PSD), candidato a governador apoiado por Mariano Rocha e companhia – e da recente intenção de concorrer novamente à presidência do Legislativo com discurso de neutralidade, em detrimento da planejada eleição do governista Vilson Natálio Silvino (PP) para o comando da mesa diretora da Casa do Povo, o edil pepessista passou a reprochar as ações da administração nas tribunas. A mais recente, de segunda-feira (1), inclusive, provocou resposta imediata do vice-prefeito e secretário municipal de Obras, Adalto Gomes (PT), no programa Notícia e Opinião, na Rádio Primeira FM.

Durante a atração, Gomes disse que o vereador, ao criticar o atraso de uma necessária obra na Rua Antônio Apolônio Vargas, agiu “de má fé” e que o presidente da Câmara precisa “se acertar com o prefeito”. O assunto, que começou nos microfones do Legislativo e passou para o rádio, continuou no grupo do WhatsApp formado por parlamentares governistas e secretários municipais. Em mensagem de áudio, Soares pontuou que não agiu de má fé, que o gestor de Obras do município “precisa absorver as críticas e resolver as coisas” e que “levar a público que existe um desacordo entre um vereador de situação e o prefeito, é lamentável”.

O vice-prefeito e secretário, no mesmo grupo, respondeu: “Juarez agiu de má fé, sim! Algumas vezes conversou comigo, sabia que o projeto para drenagem daquela rua está pronto (…) e que precisa entrar em acordo com o prefeito para o repasse do Legislativo. Ele está bem informado, e conhece a solução. É má fé, sim! Não é primeira vez que faz críticas à minha pessoa e, quando cobro, me dá apenas uma risadinha. Agora, deu, Juarez! A sociedade precisa saber que você faz as coisas de má fé! Estou cansado!”, concluiu Gomes.

Legenda à parte

Postado em 1 de outubro de 2018

Natural de Nova Trento, o deputado federal Rogério “Peninha” Mendonça (MDB) ignorou o correligionário Henrique Meirelles (MDB) – que também concorre à presidência da República nestas eleições – e Geraldo Alckmin (PSDB), o preferido do MDB catarinense, e promoveu, semana passada, em Ibirama, no Alto Vale do Itajaí, uma “aliança suprapartidária em apoio a Jair Bolsonaro (PSL)”, de quem é muito amigo.

Além de 34 prefeitos e vice-prefeitos, 25 presidentes municipais e seis coordenadores regionais do MDB assinaram um documento que formaliza o compromisso com Bolsonaro na região. O presidenciável, que já deixou o hospital e deve retomar a campanha, agradeceu a Peninha, por telefone, pela mobilização.