segunda-feira, 21 de outubro de 2019 VALE DO RIO TIJUCAS E COSTA ESMERALDA

Pesos e medidas

Postado em 27 de setembro de 2019

Uma das deliberações da futura regência do MDB de Tijucas, com a vereadora Fernanda Melo Bayer na presidência entre 2020 e 2021, diz respeito aos controversos votos duplos e triplos nas convenções do partido. A questão gerou polêmica, tanto em 2012 quanto em 2016, quando ex-prefeitos e delegados estaduais votaram duas ou três vezes — por regulamento —, pesaram em favor de Valério TomaziElmis Mannrich respectivamente, e desequilibraram a contenda.

A sugestão teria partido do advogado Marcio Rosa — que, em 2012, quando quis se candidatar a prefeito, perdeu o pleito interno do partido para Tomazi em razão das indicações duplas e triplas —, e a próxima presidente acatou. De 2020 em diante, os votos cumulativos no MDB municipal estão extintos. Se são 45 membros, serão 45 votos iguais.

Sai um, entra outro

Postado em 26 de setembro de 2019

Próxima presidente do MDB de Tijucas, a vereadora Fernanda Melo Bayer recebeu correligionários, ontem, em casa, para resolver, definitivamente, a formação do diretório e da executiva municipal. Entre os quais, o ex-prefeito Elmis Mannrich, que, inicialmente, havia rejeitado a chapa apresentada.

No ato, Mannrich não fez ponderações, não argumentou e sequer falou. Entrou mudo e saiu calado. Permaneceu, por prestígio, entre os 45 membros votantes nas convenções, mas foi relegado na executiva e perdeu o posto de delegado estadual do partido.

As vantagens que o diretor técnico da Aresc (Agência Reguladora de Serviços Públicos de Santa Catarina) ostentava na representação municipal do MDB ficaram todas com o também ex-prefeito Valério Tomazi, a quem a próxima presidente vem tratando de “braço direito”. Pois, então?!

Consenso e rusgas

Postado em 25 de setembro de 2019

Um plano de metas e a “profissionalização” da gestão do partido estão no discurso da vereadora Fernanda Melo Bayer para assumir a presidência do MDB de Tijucas. A convenção está marcada para 19 de outubro, com chapa única e aparente consenso. Mas, apesar do ajustamento, há fissuras. Líder benemérito da legenda, o ex-prefeito Elmis Mannrich deve ficar de fora do diretório.

Na semana passada, em reunião, o ex-mandatário tijuquense discordou do plano, intimou correligionários apregoados — como o ex-candidato a vice-prefeito Edson Souza e o vereador Elói Geraldo — a tomarem posição e as rédeas do partido, e pediu que o descontentamento com a chapa apresentada constasse em ata.

Desde então, a vereadora trabalha com a formação de um diretório sem Mannrich; e, ainda, com a reintegração do ex-prefeito Valério Tomazi aos postos de honra no partido. Outro encontro foi marcado para hoje, sem um convite formal ao diretor técnico da Aresc (Agência de Regulação de Serviços Públicos de Santa Catarina), que, mesmo assim, deve marcar presença.

Sem retorno

Postado em 23 de setembro de 2019

A bruxa anda solta na Ditran (Diretoria de Trânsito e Transportes) de Tijucas. E não é de agora. Desde a gestão de Valério Tomazi (MDB), o departamento lidera, com folga, a lista de trocas de comando no governo municipal. Sexta-feira (20), o atual diretor, coronel Renato Moacir Bento, entregou o cargo. Se despediu dos colegas, e saiu dizendo que não mais voltava.

De acordo com um passarinho incolor, Bento deixou o posto para cuidar do pai, que enfrenta problemas de saúde. Ele substituiu Alvino Aurélio Müller em março e ficou apenas seis meses no comando da Ditran. O prefeito Elói Mariano Rocha (PSD) — que ainda não se manifestou oficialmente sobre a baixa — já procura, com cautela, um novo nome para o cargo.

Comes e bebes

Postado em 20 de agosto de 2019
Foto: Divulgação

Na selfie, o vereador Fabiano Morfelle mais os suplentes André MirandaJoão Luiz Lopes com o anfitrião e pré-candidato a prefeito Thiago Peixoto dos Anjos, todos do PDT, quinta-feira (15), em Santa Luzia, no churrasco que o administrador do Hotel do Valle promoveu e que o empresário Leonardo “Nadinho” dos Santos patrocinou.

Os proventos vieram de uma aposta entre Peixoto dos Anjos e Nadinho sobre os votos dos vereadores tijuquenses na absolvição do ex-prefeito Valério Tomazi (MDB), que teve as contas de 2016 embargadas no TCE (Tribunal de Contas do Estado). O pedetista venceu o páreo e convidou os amigos — especialmente os correligionários — para saborear o triunfo.

Removedor de manchas

Postado em 23 de julho de 2019

Muitos emedebistas ainda não entendem por que o ex-prefeito Elmis Mannrich (MDB) se envolveu na articulação em favor do sucessor, Valério Tomazi (MDB) — a quem acusam de “trair o partido” e atribuem o fracasso nas eleições de 2016 —, que entrou na malha do Tribunal de Contas do Estado e foi salvo, quinta-feira (18), pela Câmara Municipal.

A quem insiste em perguntar, Mannrich explica que “não seria bom para o partido ter um ex-prefeito com as contas rejeitadas” e que essa mácula, por enquanto, “ficaria apenas com os adversários (leia-se Uilson Sgrott (DEM), que governou o município entre 2001 e 2004)”.

Articulação vitoriosa

Postado em 22 de julho de 2019

Por nove a três, o ex-prefeito Valério Tomazi (MDB) conseguiu os votos necessários na Câmara, quinta-feira (18), para escapar da malha do TCE (Tribunal de Contas do Estado) – que recomendou a rejeição das contas do município em 2016 – e das ações repressivas da Justiça Eleitoral.

Tomazi e o ex-vice-prefeito Ailton Fernandes (PSD) estiveram na platéia e acompanharam o julgamento, voto a voto. O clima de tensão, no entanto, não contrariou as previsões. A articulação venceu, e o placar arquitetado nos bastidores se confirmou.

PELA TANGENTE

Último a votar, o presidente do Legislativo, vereador Vilson Natálio Silvino (PP), encontrou um jeito de contentar gregos e troianos. Com o perdão a Tomazi já garantido pelos colegas, restou, apenas, se abster. Nem sim, nem não.

Silvino não contrariou a colega e tutora Elizabete Mianes da Silva (PSD), que pedia insistentemente clemência ao ex-prefeito; e nem o Conselho – formado por apoiadores do governo municipal –, que queria a validação do entendimento do TCE.

BANDEIRA E RAZÃO

Única emedebista a votar contra a absolvição de Tomazi, a vereadora Fernanda Melo Bayer cumpriu a promessa, neste caso, de ser justa com o que acredita, independente das convicções partidárias.

Serviu ao MDB apenas como anfitriã, quando recebeu os correligionários e o ex-prefeito para tratar do assunto, no escritório de advocacia que mantém na cidade, e na hora agá – certa ou errada, pontos de vista à parte – decidiu com a consciência.

Hora da decisão

Postado em 17 de julho de 2019

O prazo venceu. As contas do Executivo municipal em 2016 devem entrar na pauta da sessão de amanhã, na Câmara. E a situação do ex-prefeito Valério Tomazi (MDB) continua indefinida. A recomendação do Tribunal de Contas é pela rejeição; e o vai-e-vem nas coxias do Legislativo segue à toda.

Não será surpresa se a mesa diretora, formada sumamente por governistas, jogar a bomba para a oposição. A tendência — por estratégia — é que os correligionários de Tomazi sejam os primeiros a votar; e que o placar emedebista indique o caminho para a bancada situacionista.

Rejeição aconselhada

Postado em 10 de julho de 2019

Mais um capítulo da saga do ex-prefeito Valério Tomazi (MDB) contra a malha do Tribunal de Contas vem à tona. A mudança de postura de parte dos vereadores governistas — que antes absolveriam o ex-mandatário tijuquense, e agora devem votar pela rejeição das contas de 2016 — tem a ver com a presença, ora informal, do empresário e ex-prefeito Uilson Sgrott (DEM) na sede do Legislativo municipal, quinta-feira (4).

Sgrott não esteve na Câmara apenas, como se supôs, para divulgar a programação da Festa de São Cristóvão. Antes da sessão, ele se reuniu com os parlamentares pró-governo como porta-voz do Conselho, o escrete cola-branca que participou da organização da campanha de 2016 e que continua orientando politicamente a administração municipal. Foi pedir aos confrades que votem conforme a recomendação do TCE, pela rejeição.

Na sexta-feira (5) pela manhã, o empresário encabeçou nova reunião com os vereadores situacionistas. Desta vez, no gabinete do prefeito Elói Mariano Rocha (PSD) — que juntou a orientação dos conselheiros com a notícia do envolvimento do ex-prefeito Elmis Mannrich (MDB) na articulação pró-Tomazi e decidiu liberar a bancada para votar como quisesse.

BIFURCAÇÃO

Quem, neste momento, está em sinuca de bico é o presidente do Legislativo tijuquense, vereador Vilson Natálio Silvino (PP). Se mantiver a decisão, acompanhar a orientação do Conselho e votar pela rejeição, vai, certamente, desagradar a colega e tutora Elizabete Mianes da Silva (PSD) — que articula a absolvição de Tomazi entre os governistas, assim como articulou a eleição da presidência da Câmara em favor do progressista.

Mas, se decidir salvar o ex-prefeito e contentar Bete, abespinha a congregação e, sobretudo, o amigo e mentor Helio Gama, que integra o grupo de conselheiros da administração municipal. Ou seja: se ficar o bicho pega, e se correr o bicho come.

Gangorra

Postado em 9 de julho de 2019

O jogo está virando. O livramento do ex-prefeito Valério Tomazi (MDB) das censuras do Tribunal de Contas e sanções da Justiça Eleitoral, que parecia ajustado na Câmara Municipal, já não é mais tão certo. O abarcamento do também ex-prefeito Elmis Mannrich (MDB) nas articulações provocou fissuras; e o prefeito Elói Mariano Rocha (PSD), embora nutra estima e gratidão ao antecessor, lavou as mãos e liberou os vereadores governistas para decidir como quiserem.

Neste momento, Tomazi está na corda bamba. O presidente Vilson Natálio Silvino (PP), mais os colegas Ecio Helio de Melo (PP) e Rudnei de Amorim (DEM) passaram a fazer coro com Juarez Soares (CIDA) pelo “voto técnico” – que acompanha a recomendação do TCE, pela rejeição das contas de 2016 do Executivo municipal. É o limite para o ex-prefeito. Se perder outro vereador, a vaca vai para o brejo.

IMPASSE

Nas entranhas do MDB, a vereadora Fernanda Melo Bayer não esconde a insatisfação de ter que absolver Tomazi. Por si, diz aos mais próximos, ela daria o quinto – e letífero – voto pela rejeição; para ser justa com o que acredita e para contrariar a colega Elizabete Mianes da Silva (PSD), que enreda o perdão ao ex-prefeito nas coxias do Legislativo.

O partido, inclusive, estaria propondo que a vereadora pedisse afastamento temporário do cargo, para que o suplente imediato Oscar Luiz Lopes – ou o próximo, Lauri Cardoso – assumisse o posto e votasse favoravelmente ao ex-mandatário tijuquense.