domingo, 20 de outubro de 2019 VALE DO RIO TIJUCAS E COSTA ESMERALDA

Removedor de manchas

Postado em 23 de julho de 2019

Muitos emedebistas ainda não entendem por que o ex-prefeito Elmis Mannrich (MDB) se envolveu na articulação em favor do sucessor, Valério Tomazi (MDB) — a quem acusam de “trair o partido” e atribuem o fracasso nas eleições de 2016 —, que entrou na malha do Tribunal de Contas do Estado e foi salvo, quinta-feira (18), pela Câmara Municipal.

A quem insiste em perguntar, Mannrich explica que “não seria bom para o partido ter um ex-prefeito com as contas rejeitadas” e que essa mácula, por enquanto, “ficaria apenas com os adversários (leia-se Uilson Sgrott (DEM), que governou o município entre 2001 e 2004)”.

Hora da decisão

Postado em 17 de julho de 2019

O prazo venceu. As contas do Executivo municipal em 2016 devem entrar na pauta da sessão de amanhã, na Câmara. E a situação do ex-prefeito Valério Tomazi (MDB) continua indefinida. A recomendação do Tribunal de Contas é pela rejeição; e o vai-e-vem nas coxias do Legislativo segue à toda.

Não será surpresa se a mesa diretora, formada sumamente por governistas, jogar a bomba para a oposição. A tendência — por estratégia — é que os correligionários de Tomazi sejam os primeiros a votar; e que o placar emedebista indique o caminho para a bancada situacionista.

Rejeição aconselhada

Postado em 10 de julho de 2019

Mais um capítulo da saga do ex-prefeito Valério Tomazi (MDB) contra a malha do Tribunal de Contas vem à tona. A mudança de postura de parte dos vereadores governistas — que antes absolveriam o ex-mandatário tijuquense, e agora devem votar pela rejeição das contas de 2016 — tem a ver com a presença, ora informal, do empresário e ex-prefeito Uilson Sgrott (DEM) na sede do Legislativo municipal, quinta-feira (4).

Sgrott não esteve na Câmara apenas, como se supôs, para divulgar a programação da Festa de São Cristóvão. Antes da sessão, ele se reuniu com os parlamentares pró-governo como porta-voz do Conselho, o escrete cola-branca que participou da organização da campanha de 2016 e que continua orientando politicamente a administração municipal. Foi pedir aos confrades que votem conforme a recomendação do TCE, pela rejeição.

Na sexta-feira (5) pela manhã, o empresário encabeçou nova reunião com os vereadores situacionistas. Desta vez, no gabinete do prefeito Elói Mariano Rocha (PSD) — que juntou a orientação dos conselheiros com a notícia do envolvimento do ex-prefeito Elmis Mannrich (MDB) na articulação pró-Tomazi e decidiu liberar a bancada para votar como quisesse.

BIFURCAÇÃO

Quem, neste momento, está em sinuca de bico é o presidente do Legislativo tijuquense, vereador Vilson Natálio Silvino (PP). Se mantiver a decisão, acompanhar a orientação do Conselho e votar pela rejeição, vai, certamente, desagradar a colega e tutora Elizabete Mianes da Silva (PSD) — que articula a absolvição de Tomazi entre os governistas, assim como articulou a eleição da presidência da Câmara em favor do progressista.

Mas, se decidir salvar o ex-prefeito e contentar Bete, abespinha a congregação e, sobretudo, o amigo e mentor Helio Gama, que integra o grupo de conselheiros da administração municipal. Ou seja: se ficar o bicho pega, e se correr o bicho come.

Gangorra

Postado em 9 de julho de 2019

O jogo está virando. O livramento do ex-prefeito Valério Tomazi (MDB) das censuras do Tribunal de Contas e sanções da Justiça Eleitoral, que parecia ajustado na Câmara Municipal, já não é mais tão certo. O abarcamento do também ex-prefeito Elmis Mannrich (MDB) nas articulações provocou fissuras; e o prefeito Elói Mariano Rocha (PSD), embora nutra estima e gratidão ao antecessor, lavou as mãos e liberou os vereadores governistas para decidir como quiserem.

Neste momento, Tomazi está na corda bamba. O presidente Vilson Natálio Silvino (PP), mais os colegas Ecio Helio de Melo (PP) e Rudnei de Amorim (DEM) passaram a fazer coro com Juarez Soares (CIDA) pelo “voto técnico” – que acompanha a recomendação do TCE, pela rejeição das contas de 2016 do Executivo municipal. É o limite para o ex-prefeito. Se perder outro vereador, a vaca vai para o brejo.

IMPASSE

Nas entranhas do MDB, a vereadora Fernanda Melo Bayer não esconde a insatisfação de ter que absolver Tomazi. Por si, diz aos mais próximos, ela daria o quinto – e letífero – voto pela rejeição; para ser justa com o que acredita e para contrariar a colega Elizabete Mianes da Silva (PSD), que enreda o perdão ao ex-prefeito nas coxias do Legislativo.

O partido, inclusive, estaria propondo que a vereadora pedisse afastamento temporário do cargo, para que o suplente imediato Oscar Luiz Lopes – ou o próximo, Lauri Cardoso – assumisse o posto e votasse favoravelmente ao ex-mandatário tijuquense.

Noves fora

Postado em 26 de junho de 2019

O ex-prefeito Valério Tomazi (MDB) foi convidado a prestar esclarecimentos, e exercer o direito de defesa, amanhã, na Câmara Municipal de Tijucas, em atenção à recomendação, pelo TCE (Tribunal de Contas do Estado), de rejeição das contas de 2016 do Executivo municipal. Da tribuna, ele tem a oportunidade de explicar aos vereadores e à comunidade por que o entendimento do tribunal não deve prevalecer.

Para reverter o posicionamento do TCE, Tomazi precisa que pelo menos dois terços da Câmara – ou nove parlamentares – seja favorável à aprovação das contas de 2016. Se não conseguir, o ex-mandatário pode, inclusive, perder os direitos políticos por oito anos.

Omissão

Postado em 11 de junho de 2019

O TCE (Tribunal de Contas do Estado) negou o recurso do ex-prefeito Valério Tomazi (MDB) e segue recomendando à Câmara Municipal que vote e rejeite as contas do Executivo tijuquense em 2016.

No ano passado, o então presidente do Legislativo, vereador Juarez Soares (PPS), decidiu não chamar o caso à pauta enquanto o tribunal não resolvesse o recurso do ex-mandatário; e agora, a partir do Decreto Legislativo 1/2018, a mesa diretora da Câmara – formada por Vilson Natálio Silvino (PP), Odirlei Resini (MDB), Maria Edésia da Silva Vargas (PT) e Elizabete Mianes da Silva (PSD) – optou, simplesmente, e deliberadamente, pelo arquivamento da votação sobre o parecer prévio do TCE.

Ficha corrida

Postado em 31 de janeiro de 2019

Nos municípios em que não existe consenso – a exemplo de Tijucas –, a regência estadual do PSL vem sendo mais criteriosa para a formação dos diretórios locais. Uma avaliação profunda do histórico político dos interessados foi adotada como argumento. E para a Capital do Vale, a propósito, vem sendo determinante.

A direção peesselista não gostou de saber que o servidor público municipal Renato Sartori, que presidiu a comissão provisória da legenda no município até dezembro, concorreu à Câmara Municipal em 2008 pelo PT – a quem combate vorazmente –, e teve uma candidatura a vereador rejeitada, em 2016, no PEN, por falta de prestação de contas com a Justiça Eleitoral. A imagem do ex-presidente do PSL tijuquense, agora, na cúpula estadual do partido, é outra.

Adeus, treze!

Postado em 10 de dezembro de 2018

Uma perda considerável para o PT de Tijucas. Maior expoente do partido na Capital do Vale, o vice-prefeito Adalto Gomes vem revelando a gente próxima que está com os dias contados nas fileiras petistas. O prazo para a mudança de ares seria janeiro.

O adeus à sigla que mais vezes comandou a República tem a ver com o próximo pleito municipal. Gomes vem sendo convencido de que, com o desgaste natural do PT e a rejeição cada vez maior a figuras capitais da legenda, o projeto de candidatura à prefeitura de Tijucas em 2020 ficaria altamente comprometido.

NOVOS RUMOS

O secretário de Obras, Transportes e Serviços Públicos do município já tem propostas formais de filiação. Um dos interessados em Adalto Gomes seria o PP, favorito para comandar a Câmara Municipal em 2019 com o vereador Vilson Natálio Silvino (PP).

Correm por fora, ainda, agremiações menores, como o Patriota e o oscilante PV – ao qual Gomes manifesta maior afinidade. Mas a menina dos olhos do pretenso sucessor de Elói Mariano Rocha (PSD) é o PSB, atualmente sob a tutela do servidor público municipal Fabiano Saramento. O vice-prefeito estaria planejando um encontro com caciques peessebistas para, na pior das hipóteses, assumir posição de comando no partido.

Não, de novo

Postado em 3 de dezembro de 2018

Intimado, porque resiste à instalação de uma penitenciária industrial em Tijucas, o prefeito Elói Mariano Rocha (PSD) esteve novamente na Justiça Federal, em Florianópolis, quinta-feira (29), para a segunda audiência conciliatória sobre o tema. Desta vez, o chefe do Executivo municipal teve a companhia do presidente do Legislativo, vereador Juarez Soares (PPS) – um dos proponentes da audiência pública, em 2017, que expôs a negativa popular à obra.

Desde então, Mariano Rocha vem elogiando, sistemática e publicamente, a postura do parlamentar, que manteve o discurso de oposição à penitenciária na cidade, sobretudo na presença dos representantes do Judiciário. A administração municipal e a Câmara seguem em sintonia nessa questão. “Só se nos empurrarem de goela abaixo, porque, enquanto pudermos, vamos rejeitar”, garante o prefeito.

Chilique

Postado em 24 de julho de 2018

A coluna do jornalista Raul Sartori, publicada em dezenas de jornais catarinenses, traz o faniquito de um influente político sobre a rejeição dos municípios – Tijucas entre eles – à construção de unidades prisionais nos seus territórios. “Então, combinamos assim: os presos nessas cidades ficam impedidos de serem transferidos para outras, e quando as cadeias atingirem a lotação, que os prefeitos e vereadores os abriguem em suas casas”, disse ao colunista.

Generalizar raramente é acertado. Talvez o personagem da nota precisasse saber que Tijucas já tem um presídio, e que recebe, além dos seus, um número altíssimo de presos forasteiros. Pois, então?!