segunda-feira, 21 de outubro de 2019 VALE DO RIO TIJUCAS E COSTA ESMERALDA

Perguntas e respostas

Postado em 15 de abril de 2019
Foto: Passarinho incolor

Teve pesquisa de opinião pública, semana passada, nas ruas de Tijucas. Passarinho incolor – que, além de sobrevoar os porões do poder, também dirige e fotografa – conta que um conceituado instituto foi contratado por um grupo de empresários locais para formar um diagnóstico da popularidade e da gestão do prefeito Elói Mariano Rocha (PSD), bem como do secretariado municipal.

Os resultados devem servir apenas para análise interna. Supõe-se que os indicadores da pesquisa motivem possíveis mudanças na estrutura do município e sejam usados, ainda, no desenvolvimento da campanha cola-branca para as próximas eleições.

Pequena e inviável

Postado em 20 de fevereiro de 2019

Se a recomendação do TCE (Tribunal de Contas do Estado) fosse aceita, Major Gercino deixaria de ser município e se reintegraria a São João Batista. O diagnóstico considera que a menor cidade do Vale do Rio Tijucas, entre 106 com menos de 5 mil habitantes, é inviável, porque tem baixa arrecadação própria e depende, quase que integralmente, de repasses institucionais – dos governos estadual e federal – para não fechar as contas no vermelho.

A história mostra que Santa Catarina tinha, em 1950, apenas 52 municípios; e que nos anos 70 houve uma corrida pela emancipação. Na virada do milênio, o estado já apresentava 293 cidades constituídas política e administrativamente.

Para justificar a sugestão, auditores do TCE dizem que municípios maiores têm a vantagem de reduzir cargos públicos e ter maior arrecadação própria.


O jornalista Jonas Hames, da Rádio Super FM, de São João Batista, contribuiu para esta nota.

Quente e frio

Postado em 2 de janeiro de 2017
Foto: Karina Peixoto

O dia mais importante na carreira pública do professor Elói Mariano Rocha (PSD) não começou bem. Enquanto se preparava para a cerimônia de posse como prefeito de Tijucas, ontem (1), ele sofreu uma paralisia facial periférica – possível resultado de um choque térmico, depois de suceder o ar-condicionado a um banho quente. Mesmo assim, o novo mandatário da Capital do Vale cumpriu todo o protocolo no anfiteatro Leda Regina de Souza, com exceção do almoço festivo, no Restaurante Guarnieri Cunha.

Suspeitou-se, de início, que Mariano Rocha pudesse ter sido acometido por um AVC, mas os primeiros diagnósticos, ainda ontem, indicaram que não houve qualquer lesão no cérebro. O prefeito manteve todos os compromissos do primeiro dia de governo, e hoje ainda passa por nova consulta médica.