sexta-feira, 21 de janeiro de 2022 VALE DO RIO TIJUCAS E COSTA ESMERALDA

Ao trabalho

Postado em 12 de janeiro de 2022
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Conforme antecipado no Blog, a ex-vereadora Elizabete Mianes da Silva ingressou, neste ano, na direção geral da Câmara Municipal de Tijucas com aval do presidente, vereador Maickon Campos Sgrott (PP). E, anuentes, já definiram prioridades para a gestão da Casa do Povo.

Uma reforma nos fundos da sede do Legislativo tijuquense — onde se acumula a maior parte da história do parlamento em registros, ofícios e certidões — está nos planos. O local, dos mais importantes da Casa, está, segundo a direção, “em estado precário”. Passam, ainda, nas intenções da presidência, a digitalização integral de todos os documentos da Câmara e a revisão e readequação do Regimento Interno.

Sgrott, que iniciou o ano na Câmara e viajou em seguida, se reapresenta ao trabalho na próxima segunda-feira (17), mas a diretora, já estabelecida, cumpre expediente no cargo desde que foi nomeada.

Experiência

Postado em 21 de dezembro de 2021
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Recordista de legislaturas consecutivas no parlamento tijuquense, a ex-vereadora Elizabete Mianes da Silva vai voltar para a Câmara Municipal. Não na função que ocupou por seis mandatos seguidos — uma vez que ela sequer se candidatou no último pleito —, mas no posto de diretora geral. O convite foi feito pelo presidente eleito do Legislativo, Maickon Campos Sgrott (PP), e aceito prontamente.

Sgrott e Bete se aproximaram na campanha de 2020 e criaram uma relação de estima e confiança mútua. O próximo presidente quer usar a experiência da ex-parlamentar na condução das demandas da Casa do Povo.

Matemática

Postado em 15 de setembro de 2020
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Com seis legislaturas consecutivas no currículo, a vereadora Elizabete Mianes da Silva (PSB), de Tijucas, abdicou de concorrer novamente à Câmara Municipal nestas eleições. “Questões matemáticas”, segundo ela, teriam motivado a decisão.

O ingresso no PSB, em princípio, já teria sido uma forma de postular um upgrade na carreira pública. Nos ajustes iniciais com os ex-vice-prefeitos Roberto Vailati e Luiz Rogério da Silva, que reorganizaram o partido no município, ela seria a peça chave nas tratativas com a cúpula governistas para compor chapa com o prefeito e pré-candidato à reeleição Eloi Mariano Rocha (PSD); mas as negociações travaram.

Num segundo cenário, Bete teria suporte absoluto de uma nominata robusta, de pelo menos 15 candidatos à vereança com expectativa média de 200 votos cada. Mas o PSB, neste momento, apresenta cerca de 12 pré-candidatos ao Legislativo com lastro eleitoral incerto — e grande probabilidade, em projeção otimista, de conquistar apenas uma cadeira na Câmara, que seria disputada voto a voto entre ela e a colega de bancada Maria Edésia da Silva Vargas (PSB), cunhada de Vailati.

A gota d’água, no entanto, teria sido a pré-candidatura de uma sobrinha ao parlamento tijuquense; o que dividiria as atenções da família, do bairro e dos apoiadores de sempre.

Workshop eleitoral

Postado em 6 de julho de 2020
  •  
  •  
  • 25
  •  
  •  
Foto: Divulgação

O ex-deputado federal Claúdio Vignatti, atual presidente estadual do PSB, esteve em Tijucas na manhã de sábado (4) para uma reunião com a executiva municipal do partido. Acompanhado da esposa Marcilei Vignatti, que é vereadora em Chapecó, ele foi recebido na residência do advogado, ex-vice-prefeito e presidente da legenda no município Roberto Carlos Vailati.

 

Entre os presentes no encontro, estavam as vereadoras Maria Edésia “Déda” da Silva Vargas e Elizabete Mianes da Silva, o ex-vice-prefeito Luiz Rogério da Silva, a fonoaudióloga e neuropsicopedagoga Luciana Selliach e o ex-presidente do Tijucas Clube, Sergio Alexandre, todos recém-agregados às fileiras peessebistas na Capital do Vale.

Por Luan Lucas, especialmente para o Blog do Léo Nunes

Protagonismo

Postado em 29 de junho de 2020
  •  
  •  
  • 88
  •  
  •  

O ex-vice-prefeito Roberto Vailati não montaria um partido com tantas figuras protuberantes da política local se o projeto não fosse ousado na mesma proporção. Sabe-se agora, de fontes fidedignas, que o PSB entrou de vez na disputa pelo segundo nome na chapa do prefeito e pré-candidato à reeleição Eloi Mariano Rocha (PSD).

Na proposta peessebista, a candidatura a vice-prefeito no plano governista vem sendo encarada como uma possibilidade real e viável. O próprio Vailati, que contaria com respaldo unânime da executiva e filiados — além da bancada do partido na Câmara, formada pelas vereadoras Elizabete Mianes da Silva e Maria Edésia da Silva Vargas —, vem se dispondo à vaga. As tratativas seguem à toda na seara situacionista; mas podem, inclusive, ser levadas à oposição em caso de insucesso nas negociações.

Grande elenco

Postado em 6 de abril de 2020
  •  
  •  
  • 14
  •  
  •  

Dois ex-vice-prefeitos de Tijucas, o advogado Roberto Carlos Vailati e o enfermeiro Luiz Rogério da Silva, deram-se as mãos no resgate do PSB municipal. E já renasceram grandes, com a conquista de duas vereadoras — Maria Edésia “Déda” da Silva Vargas (ex-PT) e Elizabete Mianes da Silva (ex-PSD) — e a posição de maior bancada feminina da Câmara.

Outros ex-vereadores, como Eder Muraro (ex-PSD) e Paulo Sartoti (ex-PL), também aderiram ao projeto. Sem composição majoritária definida, o PSB ressurge com nominata completa e estabelecida para o pleito proporcional da Capital do Vale.

Gratidão e coração

Postado em 18 de novembro de 2019
  •  
  •  
  • 17
  •  
  •  

A gratidão ao prefeito Eloi Mariano Rocha (PSD), bem como à vereadora Elizabete Mianes da Silva (PSD) e ao secretário municipal de Saúde, Vilson “Tem” Porcíncula, e, especialmente, ao vereador Rudnei de Amorim (DEM) — em razão do apoio recebido nas eleições gerais de 2018 —, pesou no envolvimento da deputada estadual Ana Paula da Silva (PDT) na construção da aliança entre o PSL estadual e o governo de Tijucas para as eleições de 2020. Os motivos foram postos às claras, semana passada, na reunião mensal do PDT tijuquense.

Paulinha, no entanto, garantiu apoio irrestrito aos correligionários da Capital do Vale em qualquer cenário; apesar de considerar uma derrota de Mariano Rocha na concorrência municipal de 2020 muito improvável. Para ela, a formação de uma nominata consistente de candidatos a vereadores teria que ser priorizada. A parlamentar acredita que o PDT seria capaz de iniciar a legislatura 2021-2024 com três representantes na Câmara Municipal.

Articulação vitoriosa

Postado em 22 de julho de 2019
  •  
  •  
  • 20
  •  
  •  

Por nove a três, o ex-prefeito Valério Tomazi (MDB) conseguiu os votos necessários na Câmara, quinta-feira (18), para escapar da malha do TCE (Tribunal de Contas do Estado) – que recomendou a rejeição das contas do município em 2016 – e das ações repressivas da Justiça Eleitoral.

Tomazi e o ex-vice-prefeito Ailton Fernandes (PSD) estiveram na platéia e acompanharam o julgamento, voto a voto. O clima de tensão, no entanto, não contrariou as previsões. A articulação venceu, e o placar arquitetado nos bastidores se confirmou.

PELA TANGENTE

Último a votar, o presidente do Legislativo, vereador Vilson Natálio Silvino (PP), encontrou um jeito de contentar gregos e troianos. Com o perdão a Tomazi já garantido pelos colegas, restou, apenas, se abster. Nem sim, nem não.

Silvino não contrariou a colega e tutora Elizabete Mianes da Silva (PSD), que pedia insistentemente clemência ao ex-prefeito; e nem o Conselho – formado por apoiadores do governo municipal –, que queria a validação do entendimento do TCE.

BANDEIRA E RAZÃO

Única emedebista a votar contra a absolvição de Tomazi, a vereadora Fernanda Melo Bayer cumpriu a promessa, neste caso, de ser justa com o que acredita, independente das convicções partidárias.

Serviu ao MDB apenas como anfitriã, quando recebeu os correligionários e o ex-prefeito para tratar do assunto, no escritório de advocacia que mantém na cidade, e na hora agá – certa ou errada, pontos de vista à parte – decidiu com a consciência.

Rejeição aconselhada

Postado em 10 de julho de 2019
  •  
  •  
  • 3
  •  
  •  

Mais um capítulo da saga do ex-prefeito Valério Tomazi (MDB) contra a malha do Tribunal de Contas vem à tona. A mudança de postura de parte dos vereadores governistas — que antes absolveriam o ex-mandatário tijuquense, e agora devem votar pela rejeição das contas de 2016 — tem a ver com a presença, ora informal, do empresário e ex-prefeito Uilson Sgrott (DEM) na sede do Legislativo municipal, quinta-feira (4).

Sgrott não esteve na Câmara apenas, como se supôs, para divulgar a programação da Festa de São Cristóvão. Antes da sessão, ele se reuniu com os parlamentares pró-governo como porta-voz do Conselho, o escrete cola-branca que participou da organização da campanha de 2016 e que continua orientando politicamente a administração municipal. Foi pedir aos confrades que votem conforme a recomendação do TCE, pela rejeição.

Na sexta-feira (5) pela manhã, o empresário encabeçou nova reunião com os vereadores situacionistas. Desta vez, no gabinete do prefeito Elói Mariano Rocha (PSD) — que juntou a orientação dos conselheiros com a notícia do envolvimento do ex-prefeito Elmis Mannrich (MDB) na articulação pró-Tomazi e decidiu liberar a bancada para votar como quisesse.

BIFURCAÇÃO

Quem, neste momento, está em sinuca de bico é o presidente do Legislativo tijuquense, vereador Vilson Natálio Silvino (PP). Se mantiver a decisão, acompanhar a orientação do Conselho e votar pela rejeição, vai, certamente, desagradar a colega e tutora Elizabete Mianes da Silva (PSD) — que articula a absolvição de Tomazi entre os governistas, assim como articulou a eleição da presidência da Câmara em favor do progressista.

Mas, se decidir salvar o ex-prefeito e contentar Bete, abespinha a congregação e, sobretudo, o amigo e mentor Helio Gama, que integra o grupo de conselheiros da administração municipal. Ou seja: se ficar o bicho pega, e se correr o bicho come.

Gangorra

Postado em 9 de julho de 2019
  •  
  •  
  • 33
  •  
  •  

O jogo está virando. O livramento do ex-prefeito Valério Tomazi (MDB) das censuras do Tribunal de Contas e sanções da Justiça Eleitoral, que parecia ajustado na Câmara Municipal, já não é mais tão certo. O abarcamento do também ex-prefeito Elmis Mannrich (MDB) nas articulações provocou fissuras; e o prefeito Elói Mariano Rocha (PSD), embora nutra estima e gratidão ao antecessor, lavou as mãos e liberou os vereadores governistas para decidir como quiserem.

Neste momento, Tomazi está na corda bamba. O presidente Vilson Natálio Silvino (PP), mais os colegas Ecio Helio de Melo (PP) e Rudnei de Amorim (DEM) passaram a fazer coro com Juarez Soares (CIDA) pelo “voto técnico” – que acompanha a recomendação do TCE, pela rejeição das contas de 2016 do Executivo municipal. É o limite para o ex-prefeito. Se perder outro vereador, a vaca vai para o brejo.

IMPASSE

Nas entranhas do MDB, a vereadora Fernanda Melo Bayer não esconde a insatisfação de ter que absolver Tomazi. Por si, diz aos mais próximos, ela daria o quinto – e letífero – voto pela rejeição; para ser justa com o que acredita e para contrariar a colega Elizabete Mianes da Silva (PSD), que enreda o perdão ao ex-prefeito nas coxias do Legislativo.

O partido, inclusive, estaria propondo que a vereadora pedisse afastamento temporário do cargo, para que o suplente imediato Oscar Luiz Lopes – ou o próximo, Lauri Cardoso – assumisse o posto e votasse favoravelmente ao ex-mandatário tijuquense.