terça-feira, 16 de julho de 2019 VALE DO RIO TIJUCAS E COSTA ESMERALDA

Gangorra

Postado em 9 de julho de 2019

O jogo está virando. O livramento do ex-prefeito Valério Tomazi (MDB) das censuras do Tribunal de Contas e sanções da Justiça Eleitoral, que parecia ajustado na Câmara Municipal, já não é mais tão certo. O abarcamento do também ex-prefeito Elmis Mannrich (MDB) nas articulações provocou fissuras; e o prefeito Elói Mariano Rocha (PSD), embora nutra estima e gratidão ao antecessor, lavou as mãos e liberou os vereadores governistas para decidir como quiserem.

Neste momento, Tomazi está na corda bamba. O presidente Vilson Natálio Silvino (PP), mais os colegas Ecio Helio de Melo (PP) e Rudnei de Amorim (DEM) passaram a fazer coro com Juarez Soares (CIDA) pelo “voto técnico” – que acompanha a recomendação do TCE, pela rejeição das contas de 2016 do Executivo municipal. É o limite para o ex-prefeito. Se perder outro vereador, a vaca vai para o brejo.

IMPASSE

Nas entranhas do MDB, a vereadora Fernanda Melo Bayer não esconde a insatisfação de ter que absolver Tomazi. Por si, diz aos mais próximos, ela daria o quinto – e letífero – voto pela rejeição; para ser justa com o que acredita e para contrariar a colega Elizabete Mianes da Silva (PSD), que enreda o perdão ao ex-prefeito nas coxias do Legislativo.

O partido, inclusive, estaria propondo que a vereadora pedisse afastamento temporário do cargo, para que o suplente imediato Oscar Luiz Lopes – ou o próximo, Lauri Cardoso – assumisse o posto e votasse favoravelmente ao ex-mandatário tijuquense.

Sob nova direção

Postado em 27 de agosto de 2018

Depois de ininterruptos 14 anos sob o comando do suplente de vereador Sidney Machado – que recentemente migrou para o PSD –, o PTB de Tijucas, que ficou ao léu, ressurge das cinzas. Atuante nos bastidores da política tijuquense e polêmico nas redes sociais, o jovem Douglas Porcíncula, popular Dólar, vem juntando documentos e formando um diretório para a assunção do partido na Capital do Vale.

Dissidentes de outras agremiações, sem espaço, a propósito, já se interessam pela proposta. Um dos que vêem o projeto do PTB com bons olhos, segundo fontes fidedignas, é o suplente de vereador Oscar Luiz Lopes, atualmente no MDB.

Namoro novo?

Postado em 17 de maio de 2018

O romance pode até ser novidade, mas a paquera vem de tempos. De parte a parte, inclusive. Burburinhos sobre o namoro entre o PSD – do prefeito Elói Mariano Rocha – e o suplente de vereador Oscar Luiz Lopes (MDB) voltaram à cena política de Tijucas nos últimos dias. Aquele passarinho incolor conta, aliás, que o acordo envolve um cargo na estrutura municipal; e que as tratativas seguem nas coxias do poder.

No feudo peessedista, ninguém confirma o acerto. Mas o Blog apurou que a inclusão de Lopes nas fileiras do partido vem sendo discutida internamente no diretório. E nos mesmos moldes de outras recentes conquistas – casos de Sidney Machado (ex-PTB) e Cláudia Büchele (ex-PT).

Atrás das cortinas

Postado em 19 de fevereiro de 2018

A ascensão do vereador Cláudio Tiago Izidoro (MDB) no poder público tijuquense é surpreendente. De suplente parlamentar no grupo derrotado, ele pode, muito em breve, emergir ao comando da Secretaria de Obras, Transportes e Serviços Públicos do município. As negociações existem; e já foram apresentadas, detalhadamente, ao prefeito Elói Mariano Rocha (PSD).

As tratativas envolvem, ainda, outro suplente do MDB. Se realmente alçado ao colegiado municipal, Izidoro – que, mesmo em legenda de oposição, mantém um pacto de fidelidade e defesa ao governo – atrairia um emedebista à vaga no Legislativo. Portanto, há uma força-tarefa para convencer Oscar Luiz Lopes (MDB) a herdar o acordo com a administração municipal e, ou, assinar filiação num partido governista durante a janela de março. As conversas estariam adiantadas, e vêm agradando ambas as partes.

POR UM FIO

A situação do vice-prefeito Adalto Gomes (PT) na gerência da pasta de Obras segue a mesma: por um fio. Líderes da base aliada do governo vêm escancarando sistematicamente a inconformidade com a manutenção do adjunto tijuquense no posto.

Mariano Rocha, porém, tem postura mais branda. Amanhã, o prefeito viaja a Brasília; e Gomes o acompanha.

Sete: O aviso das urnas

Postado em 18 de outubro de 2016

Após curta e tumultuada campanha, resquício de uma pré-convenção desgastante que deixou profundas cicatrizes no PMDB de Tijucas, o engenheiro Valério Tomazi (PMDB) elegeu-se prefeito em 2012. Além da valiosa continuidade, os periquitos ainda receberam outro presente das urnas: a advertência subliminar de que a ideia da “mudança” já permeava os sentidos dos tijuquenses. A magra diferença de votos entre vitoriosos e vencidos era um recado que pedia uma análise detalhada.

Talvez o próprio candidato situacionista tenha percebido que essa transformação seria necessária e salutar. Tanto que tempos antes da votação e, principalmente depois dela, lançou o compromisso público de optar por “perfis técnicos” na condução das pastas da administração municipal. A população comprou a proposta; e aplaudiu. Na prática, porém, a história foi outra. Em 28 de dezembro de 2012, ainda na transição de governo, Tomazi convocou uma coletiva de imprensa para apresentar o novo (?) colegiado. Apenas seis nomes anunciados para as 16 repartições da estrutura municipal não participavam efetivamente do primeiro e segundo escalões da gestão que terminava naquele ano. Antônio Cantalício Serpa, Cláudio Thiago Izidoro, José Teotônio “Zé Pequeno” da Silva FilhoOscar Luiz Lopes, Sivonei Simas e Wilson Bernardo de Souza foram as novidades.

Faça-se um adendo na nomeação de Zé Pequeno como secretário de Obras, Transportes e Serviços Públicos. Ele apenas assumiu oficialmente, em 1º de janeiro de 2013, mas não permaneceu no cargo por problemas de saúde. Gestora da pasta na administração anterior, Eliane Tomaz voltou a ocupar o posto. Portanto, 11 nomes do colegiado de Elmis Mannrich (PMDB) se realocavam no então novo governo.

Tomazi, que pregou “mudança” e deu esperanças àqueles que ansiavam por outros rostos e procedimentos na condução das demandas do município, deixou claras impressões de que sua autonomia era limitada. Cumulativamente, o próprio PMDB começava a zerar o saldo com o eleitorado tijuquense e trocava o recado das eleições por mais quatro anos de endosso ao seu quadro íntimo.

Em 2 de outubro deste ano, as urnas disseram novamente que gostariam de ver caras novas, condutas e horizontes diferentes no trato do patrimônio público. E foi épico. Os rumos alternativos poderiam começar em casa; se a mensagem do processo eleitoral de 2012 não fosse ufanamente desconsiderada, por imperícia ou impotência. A oposição parece ter assimilado melhor o aviso, e lançou o slogan “mudar faz bem” durante a campanha. Era tudo o que os tijuquenses queriam. Havia quatro anos.

Força estranha

Postado em 15 de abril de 2016

Há quem ofereça um olho pela receita da força inexplicável que o suplente de vereador Oscar Luiz Lopes (PMDB) exerce no governo do prefeito Valério Tomazi (PMDB). Além de iniciar a atual gestão como superintendente da Fundação Municipal de Esportes e indicar pelo menos seis nomes para cargos comissionados na administração municipal, ele era ouvidor nomeado no gabinete do chefe do Executivo até dias atrás, quando deixou a função para concorrer novamente à vereança.

Apoiador declarado do ex-prefeito Elmis Mannrich (PMDB) nas prévias do partido, Lopes saiu da prefeitura deixando, inclusive, um substituto da sua inteira confiança no posto que ocupava. O homem, realmente, é forte!