sábado, 31 de outubro de 2020 VALE DO RIO TIJUCAS E COSTA ESMERALDA

Mandado de segurança

Postado em 14 de outubro de 2020

Se o impeachment do governador Carlos Moisés da Silva (PSL) realmente se confirmar — e todos os prognósticos apontam para este fim —, não vai ser por falta de empenho da deputada estadual Ana Paula da Silva (PDT), de Bombinhas, líder do governo na Assembleia Legislativa. Ontem à noite, ela entrou com mandado de segurança no Grupo de Câmaras de Direito Público, no Tribunal de Justiça de Santa Catarina, contra decisão da Comissão Especial do Impeachment dos Respiradores.

Paulinha alega que foi impedida de pedir vista e juntar documento recebido do Tribunal de Contas do Estado, e garante haver fatos novos que poderiam interferir no julgamento dos parlamentares sobre o caso. O recurso é assinado pelos advogados Rychard Farah e Rodolfo Macedo do Prado.

Briga judicial

Postado em 11 de agosto de 2020

Autor do pedido de impeachment do governador Carlos Moisés da Silva (PSL), o defensor público Ralf Zimmer Júnior tem que explicar à Justiça por que qualificou de “mentirosa”, em rede social, a deputada estadual Ana Paula da Silva (PDT). A ex-prefeita de Bombinhas citou em plenário a condenação do denunciante por agressões e ameaças contra a ex-esposa, e comprovou o que disse ao juiz Rafael Brünning, da 4ª Vara Criminal de Florianópolis.

Paulinha representou contra Zimmer Júnior, que, agora, precisa apresentar explicações formais e pode sofrer nova ação criminal, dependendo do que responder. A parlamentar, neste processo, é representada pelos advogados Rycharde Farah e Rodolfo Macedo do Prado.

Casa da REDE

Postado em 26 de abril de 2016

Fundada por Marina Silva, a Rede Sustentabilidade reuniu sua executiva estadual na casa do advogado Nelson Zunino Neto, em São João Batista, dias atrás. Do encontro, saíram decisões importantes; como as regras para coligações e a posição do partido no processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT).

Hoje, o REDE de Santa Catarina publicou nota oficial que defende a apuração da responsabilidade da presidente da República nas acusações pró-impeachment, e, se houver comprovação das denúncias, que ela seja afastada do cargo. No texto, discutido e redigido na Capital Catarinense do Calçado, há referência à necessidade de exame rigoroso dos fatos, sem prejulgamentos.