sexta-feira, 13 de dezembro de 2019 VALE DO RIO TIJUCAS E COSTA ESMERALDA

Saúde e Justiça

Postado em 28 de novembro de 2019

Os prefeitos de Porto Belo, Itapema e Bombinhas esgotaram todos os apelos ao mandatário de Balneário Camboriú, Fabrício Oliveira (PSB), para que o Hospital Ruth Cardoso mantivesse as portas abertas. As súplicas, porém, não bastaram, e, em reunião, dias atrás, eles decidiram acionar a Justiça para garantir o atendimento.

Pacientes dos três municípios da Costa Esmeralda dependem do hospital balneocamboriuense para tratamentos e cirurgias de maior complexidade.

A iniciativa foi do prefeito de Porto Belo, Emerson Stein (MDB), e contou prontamente com a adesão dos vizinhos Nilza Simas (PSD) e Paulo Henrique Dalago Müller (DEM), que governam Itapema e Bombinhas respectivamente. Neste momento, o Ruth Cardoso atende por intimação de uma liminar.

WhatsApp e tribunal

Postado em 28 de outubro de 2019

O ex-secretário municipal e pretenso candidato ao Legislativo tijuquense nas próximas eleições Artur Tomazoni Filho (MDB) — que geriu a pasta de Obras, Transportes e Serviços Públicos no governo do ex-prefeito Valério Tomazi (MDB) — provocou a ira do vereador Rudnei de Amorim (DEM), semana passada, num grupo de conversação online. O doesto, em mensagens encaminhadas, de que o parlamentar “deveria ser capa da revista ‘Pequenas empresas, grandes roubos‘” superou a crítica comum e pode parar nos tribunais. O democrata ameaça levar o caso à Justiça.

Tomazoni Filho publicou que o vereador “chegou na Câmara com um carro velho, com o cano de descarga batendo, e hoje tem um flat em Bombinhas e um apartamento de frente para o mar em Itapema” e concluiu, em seguida, que o feito seria “uma verdadeira multiplicação de pães”. Amorim, por sua vez, retrucou que os imóveis citados têm “seis, sete, oito anos, frutos de muita luta e empenho, e declarados no Imposto de Renda” e cominou: “vai responder por isso!”. Pois, então?!

De cinco ou seis para três ou quatro

Postado em 17 de outubro de 2019

A corrente oposicionista começa a ser definida em Canelinha. E o ex-vereador e ex-secretário municipal Zulmar Simas é quem vem pavimentando o caminho dos confrades para 2020. Ontem, ele recebeu, em casa, para tratar do assunto, cinco pré-candidatos à chefia do Executivo — com exceção do ex-prefeito Antônio “Tonho” da Silva (PP), que alegou problemas de agenda.

A reunião serviu, sobretudo, para afunilar a concorrência interna. Os pretensos postulantes no pleito majoritário, agora, pela oposição, são três: os vereadores Antônio Carlos “Toninho da Casan” Flores (PSDB) e Abel Grimm (PP), e o advogado Diogo Francisco Alves Maciel (PSL). O também vereador Fernando de Souza (PRB) declinou, e optou por compor a chapa como candidato a vice-prefeito ou disputar novamente uma cadeira na Câmara Municipal; e o ex-prefeito e ex-vice-prefeito Eloir “Lico” Reis (PSDB) anunciou que deve apenas tentar a vereança nas próximas eleições.

Antecessor de Moacir Montibeller (MDB), porém, Tonho continua tramando a candidatura majoritária na ala oposicionista; mas tem resistência no grupo, especialmente porque enfrenta batalhas judiciais que podem impactar na elegibilidade ou, ainda, dificultar a eleição.

Confronto direto

Postado em 9 de setembro de 2019

Os adeptos do Renascença se reuniram na sexta-feira (6) para oficializar o novo comando do clube e declarar, de uma vez por todas, o prélio contra a Mitra Metropolitana de Florianópolis no que diz respeito ao terreno do Estádio Manoel Franco de Camargo. O ex-presidente Gercy Joaquim “Pota” Felício — que deu início à ação de usucapião, em 2013 — voltou ao posto máximo do clube, apoiado na força e garantias do casal de vereadores Esaú Bayer (MDB) e Fernanda Melo Bayer (MDB).

O tema vem dividindo a comunidade desde a notificação da Igreja, no início de agosto, para que o Verdão da Praça regularize a situação, proponha um acordo ou, na pior das hipóteses, desocupe o imóvel. O pároco de Tijucas, padre Elizandro Scarsi, chegou a sugerir que o Renascença continuasse usufruindo das instalações normalmente e encerrasse a questão na esfera judicial; mas a dirigência de vanguarda do clube se refez e decidiu partir para o tudo ou nada.

Terceiro tempo

Postado em 28 de agosto de 2019

Quando tudo parecia resolvido, eis que surge uma prorrogação no confronto Renascença versus Igreja. O presidente Douglas “Dólar” Porcíncula lavou as mãos e decidiu entregar o comando do clube. Novas eleições foram marcadas para 6 de setembro, e os prováveis futuros diretores pretendem dar sequência na ação de usucapião do Estádio Manoel Franco de Camargo.

Entre os membros da regência vindoura, devem figurar o casal de vereadores Esaú Bayer (MDB) e Fernanda Melo Bayer (MDB) e o ex-presidente Gercy “Pota” Felício — que acionou a Justiça, em 2013, para requerer a posse do terreno.

A direção seguinte, que deve ser homologada caso não surjam chapas concorrentes, entende que o Renascença não pode abrir mão do patrimônio e acredita que a Justiça deva reconhecer, nas próximas ações, a posse do estádio para o clube — mesmo que haja uma decisão recente com ganho de causa para a Mitra Metropolitana de Florianópolis. Advogada, a vereadora teria garantido aos pares que consegue reverter a questão.

Mídia negativa

Postado em 19 de junho de 2019

Da acusação de estupro à dispensa da Seleção Brasileira – para a disputa da Copa América – por contusão, o craque Neymar Jr. se mantém na capa dos jornais, agora por outro motivo: uma lista de imóveis em seu nome foi bloqueada judicialmente devido a um processo de sonegação que chega a R$ 69 milhões.

Entre eles, três apartamentos em Itapema, comprados em 2013 e 2016, e avaliados, no total, em R$ 6 milhões.

Improbidade administrativa

Postado em 7 de maio de 2019

Se é verdade que a Justiça tarda mas não falha, o ex-prefeito Zelásio Angelo Dell’Agnolo (MDB), de Major Gercino, pode ser um caso. Desde 2012 sem mandato, ele foi condenado, agora, a três anos de inelegibilidade e ao pagamento de multa por improbidade administrativa.

De acordo com o processo, Dell’Agnollo, enquanto prefeito, teria dispensado licitação e direcionado serviços de consertos de veículos públicos a uma oficina que tinha como sócio o genro, Geri Adriano Sens. A soma dos contratos chega a pouco mais de R$ 21 mil.

A decisão foi da juíza Alessandra Mayra da Silva de Oliveira, da 2ª Vara da comarca de São João Batista, que também aplicou a mesma punição a Sens. Para a sentença, cabe recurso.

Banco dos réus

Postado em 23 de abril de 2019

Atuais e ex-vereadores de São João Batista, Carlos Francisco da Silva (PP) e Alécio Boratti (PP), que foram reeleitos, e Mario Soares (PP) e Sebastião Formento (PP), que não compõem a atual legislatura, sentam no banco dos réus amanhã. Eles serão julgados no processo conhecido como “Fura Fila”, acusados de terem violado a lista de espera do SUS (Sistema Único de Saúde) para exames de ressonância magnética e tomografia e de cobrarem valores de pacientes.

Silva, Borati e Formento chegaram a ser detidos, em 2016, quando a Operação Ressonância foi deflagrada.

JULGAMENTO ANTERIOR

Em 2017, o processo regrediu à primeira instância, para que a Justiça considerasse uma Ação de Investigação Judicial Eleitoral. No ano passado, entretanto, Carlos Francisco da Silva e Alécio Boratti foram condenados à perda dos mandatos e à inelegibilidade. Mario Soares e Sebastião Formento também ficaram impedidos de concorrer a cargos públicos por oito anos e tiveram que pagar multa de R$ 15 mil cada.

Candidato-bomba

Postado em 25 de março de 2019

Condenado a seis anos de prisão em regime inicial semiaberto, o ex-secretário regional Jones Bosio nem pensa em sair de cena. Com exclusividade ao Blog, ele revela que vai recorrer da sentença e, em 2020, concorrer novamente à prefeitura de Brusque. “Eu não ganho, mas arrebento com a eleição de meia dúzia”, diz.

Bosio, que comandou a Secretaria de Desenvolvimento Regional de Brusque – e do Vale do Rio Tijucas – nos governos de Raimundo Colombo (PSD), teve, segundo o Ministério Público, participação em pelo menos nove licitações irregulares da SDR entre 2013 e 2014. Nas eleições municipais de 2016, ele ficou em segundo lugar, com 18,4% da preferência do eleitorado brusquense, na concorrência majoritária da Cidade dos Tecidos.

(Re)reeleição

Postado em 19 de março de 2019

Adversários, adversários; opiniões sinceras à parte. O advogado Nelson Zunino Neto, de São João Batista, tem muitas diferenças, pessoais e políticas, com o vereador Leôncio Cipriani (MDB), mas diz que o parlamentar tem razão quando coloca o prefeito Daniel Netto Cândido (PSD) como apto à concorrência majoritária de 2020.

Eles comungam do entendimento de que Cândido não foi reeleito em 2016 e, portanto, não tem mandatos consecutivos. Para ambos, o chefe do Executivo batistense governou o município entre 1º de janeiro de 2013 e 29 de agosto de 2016, foi sucedido por Vilmar Francisco Machado (PPS) – que comandou a Capital Catarinense do Calçado por imposição da Justiça entre 30 de agosto e 31 de dezembro de 2016 –, e voltou ao posto, democraticamente, em 1º de janeiro de 2017.

Ou seja: tanto para Cipriani quanto para Zunino Neto, o atual prefeito cumpre, neste momento, um primeiro mandato e estaria naturalmente livre para tentar a reeleição no próximo pleito.