sexta-feira, 13 de dezembro de 2019 VALE DO RIO TIJUCAS E COSTA ESMERALDA

Saúde e Justiça

Postado em 28 de novembro de 2019

Os prefeitos de Porto Belo, Itapema e Bombinhas esgotaram todos os apelos ao mandatário de Balneário Camboriú, Fabrício Oliveira (PSB), para que o Hospital Ruth Cardoso mantivesse as portas abertas. As súplicas, porém, não bastaram, e, em reunião, dias atrás, eles decidiram acionar a Justiça para garantir o atendimento.

Pacientes dos três municípios da Costa Esmeralda dependem do hospital balneocamboriuense para tratamentos e cirurgias de maior complexidade.

A iniciativa foi do prefeito de Porto Belo, Emerson Stein (MDB), e contou prontamente com a adesão dos vizinhos Nilza Simas (PSD) e Paulo Henrique Dalago Müller (DEM), que governam Itapema e Bombinhas respectivamente. Neste momento, o Ruth Cardoso atende por intimação de uma liminar.

Metralhadora

Postado em 21 de agosto de 2019

Na semana passada, o vereador Heriberto Eurides “Betinho” de Souza (CIDA) lançou dúvidas, na tribuna do Legislativo, sobre os repasses do município para a Associação Redeh Beneficência Cristã, que administra o Hospital Monsenhor José Locks em São João Batista. A manifestação do parlamentar, efusiva, inflamou a oposição e pôs a pulga atrás da orelha dos batistenses.

Para elucidar a questão, a Câmara Municipal promoveu uma assembleia entre a Redeh e os vereadores — que, de fato, têm a incumbência, legal e moral, de fiscalizar, apontar irregularidades e resguardar o bem público. Betinho, no entanto, provocou a pauta, não compareceu à reunião e sequer justificou a falta. Ninguém entendeu. Pois, então?!

Adiós

Postado em 20 de novembro de 2018

O fim da participação de profissionais cubanos no Programa Mais Médicos – a partir do governo de transição do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) – já tem reflexos na região. Neste momento, as UBSs (Unidades Básicas de Saúde) de Ribanceira do Sul e Carmelo, em São João Batista, estão sem atendimento.

Uma das médicas foi convocada a retornar imediatamente para Cuba nesta madrugada; e a outra recebeu o mesmo chamado por volta das 11h. O secretário de Saúde do município, Ademir José Rover, orienta os munícipes para que, em caso de necessidade, se dirijam ao Posto de Saúde Central ou ao Hospital Monsenhor José Locks.

Abraço fraternal

Postado em 6 de agosto de 2018

Uma menina de apenas 13 anos, de Tijucas, que sofre da Síndrome de McCune-Albright – uma doença genética dos ossos, pigmentação da pele e problemas hormonais associados à puberdade precoce – foi o mote da solidariedade no WhatsApp recentemente. O grupo “Empório do Danone”, que tem 77 membros, reuniu R$ 7,5 mil em três dias. O proponente da campanha foi o empresário Tiago Neri Pereira, que expôs a situação e conclamou os amigos.

Os pais da garota, que tinham um carro financiado, especialmente para levar a filha aos hospitais – ela tem crises bruscas e repentinas, e necessita de cuidados urgentes nestes momentos –, precisavam quitar o veículo. O banco havia judicializado um processo de busca e apreensão por falta de pagamento das parcelas; e a família, que empenhou todas as economias no tratamento da menina, estava desesperada. Eram necessários R$ 3,5 mil para que eles não perdessem o único meio de locomoção.

O grupo, que se caracteriza pelas discussões acaloradas sobre os mais diversos temas, da política ao futebol, das provocações lúdicas às zombarias irreverentes, deu mostras claras de união e respeito à vida. Alguns dos integrantes sequer se conhecem ou se relacionam pessoalmente, mas se abraçaram fraternalmente num convite à generosidade, à grandeza de espírito e ao amor.

O carro da família já não é mais problema. Está quitado. A energia elétrica de casa, que estava cortada, foi restabelecida. E as sobras da campanha foram empenhadas em combustível, num posto da cidade, para que os pais tenham, pelo menos por algum tempo, meios de atender às necessidades súbitas da garota. Aplausos.

Dupla direção

Postado em 19 de abril de 2018

Os canelinhenses não podem reclamar que a Fundação Hospitalar do município não tem direção. Podem se queixar, porém, da confusão. Quem procura pela diretora do hospital da Cidade das Cerâmicas, tem logo a pergunta-resposta “qual delas?”.

A imposição vem da secretária municipal de Saúde, Neli Ferreira, que não comunga com a diretora de fato, ex-vereadora Vanderléia Rosa, a Léia. Para a gerente da pasta, a diretora é, a bel prazer, a técnica de enfermagem Noezi Pereira, a quem indicou, designou e orientou na direção da Fundação Hospitalar; mas sem que o cargo ficasse vago. Para todos os efeitos, o hospital tem duas diretoras. Uma para cuidar da outra.