quinta-feira, 30 de dezembro de 2021 VALE DO RIO TIJUCAS E COSTA ESMERALDA

Desenvolvimento urbano

Postado em 23 de dezembro de 2021
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
Foto: Divulgação

Figura crucial na transformação imobiliária de Tijucas, o empresário Alexandre Lamim, popular Puera, da BR Lamim Empreendimentos, esteve com o prefeito em exercício Sérgio Fernandes Cardoso (PSD) ontem no paço municipal. Foi apresentar uma proposta de parceria público-privada que pode impulsionar ainda mais o desenvolvimento urbano da Capital do Vale.

 

Na última vez que isso aconteceu, nas transições dos governos de Elmis Mannrich (MDB) e Valério Tomazi (MDB), e a chegada do Parque Residencial Mata Atlântica, a cidade mudou de status e passou a atrair milhares de moradores e investidores. Nas estimativas da gestão municipal, Tijucas deve ter, entre os próximos cinco e dez anos, mais que o dobro da população atual. Lamim continua contribuindo com a expansão urbana e, como mais recente projeto, apresentou à comunidade o Loteamento BR Felice.

Líder estadual

Postado em 10 de junho de 2020
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Se o assunto é atendimento e acompanhamento à primeira infância, Porto Belo é case de sucesso. Quem diz é o Imapi (Índice Município Amigo da Primeira Infância), que considerou a Capital Catarinense dos Transatlânticos a melhor do Estado nos quesitos alimentação, desenvolvimento físico e intelectual e educação. Atualmente, o município atende 100 pessoas — entre gestantes e crianças — e foi o primeiro em Santa Catarina a aderir ao Programa Criança Feliz, do governo federal.

De acordo com o ranking do Imapi, Porto Belo, além de líder no Estado, é, ainda, o 42º melhor do Brasil nos contextos municipais favoráveis ao desenvolvimento na primeira infância. O índice foi elaborado por pesquisadoras da UnB (Universidade de Brasília), associada à Universidade de Yale, nos Estados Unidos, com apoio da Bill & Melinda Gates Foundation, em parceria com o CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico), a FAPDF (Fundação de Apoio à Pesquisa do Distrito Federal) e o Ministério da Saúde.

Edifícios, história e natureza

Postado em 3 de fevereiro de 2020
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

O novo Plano Diretor do município de Porto Belo foi polemizado. Setores da oposição dizem que o consentimento para construções de edifícios no Centro provocaria o deperecimento histórico e ambiental da Capital Catarinense dos Transatlânticos; e a administração municipal defende a “lei do mercado”, para que o comércio sobreviva à frequente migração populacional para bairros onde a oferta por moradias é maior.

“Se não houver consumidores, nosso comércio vai morrer. É importante destacar que a ideia que alguns estão plantando não é verdadeira. Da avenida principal para o mar, nada muda. Tudo continua preservado. As quadras de trás é que devem crescer gradativamente”, explica o vice-prefeito Elias Cabral (PSD) em postagem nas redes sociais.

TELEVISÃO

A polêmica, inclusive, foi pauta no “SBT Meio-dia”, na mídia catarinense, e gerou nota de esclarecimento da CDL (Câmara de Dirigentes Lojistas) de Porto Belo. No texto, o presidente da entidade, Lucio Vasconcellos do Amaral Abreu, garante que “grande parte dos moradores da cidade é favorável às alterações no Plano Diretor, diferentemente do que foi apresentado na matéria”.

Amaral Abreu pontua, ainda, que as modificações vêm sendo estudadas há dois anos e que, em todas as etapas, a comunidade esteve presente e participativa. “A proposta foi amplamente discutida no Concibelo (Conselho da Cidade de Porto Belo), com representantes da sociedade civil organizada, e posteriormente apresentada em audiência pública”, afirma o presidente.

Bola da vez

Postado em 30 de outubro de 2019
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Para o mercado da construção civil, Tijucas é a bola da vez. Bem localizada, entre Balneário Camboriú e Florianópolis, na rota das praias — sem os problemas de mobilidade que a época traz a Itapema e Porto Belo, por exemplo — e do turismo religioso, e em franco desenvolvimento estrutural e econômico, a Capital do Vale vem atraindo a atenção de gabaritados investidores. Atento, o bilionário Geninho Thomé, sócio do itapemense Lindomar Pasqualotto na incorporadora Pasqualotto & GT, já fez sua aposta na cidade, com a aquisição, ainda sigilosa, de uma suntuosa área na localidade de Morretes.

De acordo com as precisas fontes do Blog, a transação envolveu cifras na casa dos R$ 56 milhões; e as terras pertenciam à família do saudoso Alzemiro Pandini — eleito vereador em 1988, que faleceu e foi substituído por Uilson Sgrott antes mesmo de tomar posse na Câmara.

Atribulação e glória

Postado em 11 de outubro de 2019
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
Foto: Luiz Junnior/VipSocial

O prefeito de São João Batista, Daniel Netto Cândido (PSD), viveu um turbilhão de emoções nos últimos quatro dias. Da inusitada balbúrdia na prefeitura, terça-feira (8) — que envolveu polícia, advogados e chegou às vias de fato —, à assinatura, hoje, da ordem de serviço para a principal obra pública do município em décadas.

Na foto, o chefe do Executivo municipal anuncia, oficialmente, a construção da esperada terceira ponte, que vai ligar os bairros Cardoso e Ribanceira, desafogar o trânsito e acelerar o desenvolvimento da Capital Catarinense do Calçado.

CONFUSÃO

No início da semana, o advogado Fabrício Esperandio Loz acusou Cândido de agressão. Ele representava o servidor público Humberto Lanzarini Neto, que acumula três processos administrativos no município e com quem mantém uma relação afetiva, quando, supostamente, teria tomado um soco do mandatário batistense durante uma discussão no paço.

Lanzarini Neto, que é concursado, mas se vale de uma licença por questões médicas, seria autor de uma página de críticas ao governo municipal nas redes sociais e, recentemente, teria destratado a primeira-dama Jaqueline Gonçalves Cândido em um supermercado da cidade. Ele, a propósito, viria tumultuando recorrentemente o ambiente da prefeitura em visitas tempestuosas e periódicas. Recepcionistas e servidores do setor de Recursos Humanos confirmam os seguidos escândalos e desacatos, e, segunda-feira (7), inclusive, recorreram à guarnição policial para conter o ímpeto do colega.

Tanto o advogado quanto o prefeito registraram boletins de ocorrência na delegacia de São João Batista.

CORAÇÃO DE MÃE

Visivelmente angustiado, com voz embargada em alguns momentos, Cândido anunciou a construção da Ponte Gentil Silva — em homenagem ao primeiro prefeito da história de São João Batista — nesta manhã. E falou sobre a espera da comunidade, e os benefícios que a obra deve trazer ao município; da melhoria na mobilidade urbana à projetada contribuição para o desenvolvimento da Capital Catarinense do Calçado.

Entre o abalo emocional e a alegria da realização, o prefeito lembrou dos apelos da mãe e fez referência ao ocorrido e às agruras do cargo. “Minha mãe, que também foi mulher de prefeito, e sofreu, sempre quis que eu me afastasse da política. Sei o que ela passou e o que a Jaqueline passou agora. Mas também sei a importância de tudo o que estamos fazendo na cidade que eu amo. Ainda bem que não segui os conselhos dela”, pontuou o chefe do Executivo no ato.

Ponte Gentil Silva

Postado em 18 de setembro de 2019
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Se os tijuquenses comemoram a reedificação da Ponte Bulcão Viana — do romantismo à necessidade, do brio histórico e sentimental à essencial travessia Centro-interior —, a população de São João Batista celebra, igualmente ou mais, o anúncio da construção da terceira ponte. O prefeito Daniel Netto Cândido (PSD) tratou a assinatura do contrato com a empresa de engenharia, ontem, na prefeitura, como “um momento histórico para a cidade”. A comunidade batistense aguarda a obra há décadas.

A folclorizada terceira ponte, que margeou o anedotário da Capital Catarinense do Calçado, vai, enfim, deixar a lista de confabulações e promessas; e interligar Cardoso e Ribanceira para descentralizar o desenvolvimento e melhorar a mobilidade urbana. A administração municipal espera, agora, a emissão das licenças ambientais para, em seguida, formalizar a ordem de serviço.

NOME DEFINIDO

Além de apresentar a obra, Cândido antecipou, ainda, o nome oficial da ponte. O primeiro prefeito de São João Batista, Gentil Silva vai receber essa digna homenagem e ficar eternizado na travessia Cardoso-Ribanceira.

 

ERRATA
Blog havia informado, equivocadamente, que Gentil Silva — já falecido — presenciou o ato, no gabinete do prefeito Daniel Netto Cândido, ontem. Na verdade, quem esteve na cerimônia foi o filho do primeiro prefeito de São João Batista, Eurli Silva, o popular Irmão, acompanhado de familiares.

Antes e agora

Postado em 1 de março de 2019
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
Foto: Divulgação

O secretário municipal de Indústria, Comércio e Turismo, Jean Carlos de Sieno dos Santos (C) – que ocupou a mesma pasta no governo anterior –, exalta o registro, de ontem, do encontro entre o atual prefeito de Tijucas, Elói Mariano Rocha (PSD), e o antecessor, Valério Tomazi (MDB). “Agradeço a confiança destes dois homens, que me colocaram à frente do desenvolvimento econômico do município”, pontuou.

Mariano Rocha e Tomazi encontraram-se por acaso e puseram a conversa em dia. O chefe do Executivo acompanhava o secretário em visitas a empresários locais, e o ex-prefeito, que é engenheiro, vistoriava as obras de uma contratante quando toparam.

Turismo religioso

Postado em 5 de novembro de 2018
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

O governador Eduardo Pinho Moreira (MDB) acaba de fazer o que seu antecessor, Raimundo Colombo (PSD), sequer deu importância: reconhecer – por meio da sanção da lei estadual 17.589 – a Rota Turística Caminhos de Santa Paulina, que envolve os municípios de Nova Trento, São João Batista, Canelinha, Tijucas, Camboriú e Balneário Camboriú.

A rota, de fato, com 64 quilômetros de extensão, já existe há tempos, e é percorrida a pé por romeiros de todos os lugares do Brasil. Mas Colombo, que em sete anos de governo nunca nem visitou o Santuário de Santa Paulina, a primeira – e única, até o momento – santa brasileira, ignorou a proposta de desenvolvimento do turismo religioso no Vale do Rio Tijucas. Não à toa, recebeu das urnas, na eleição para o Senado, a resposta por tamanha impassibilidade com a região.

Dezessete e dezessete

Postado em 29 de outubro de 2018
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Chegou-se a pensar que a região do Vale do Rio Tijucas e Costa Esmeralda – onde, dos oito municípios integrantes, três são administrados por prefeitos do PSD – fosse aquela em que a disputa do segundo turno para o governo estadual pudesse ser mais equilibrada. Não foi. A votação em favor de Carlos Moisés da Silva (PSL) superou o índice estadual em São João Batista (80,48% contra 19,52%) e Itapema (79,47% sobre 20,53%), com gestão dos respectivos peessedistas Daniel Netto CândidoNilza Simas.

Apenas em Tijucas (64,47% para 35,53%), gerida por Elói Mariano Rocha (PSD), a diferença de votos entre Comandante Moisés e Gelson Merisio (PSD) foi menor do que a registrada no Estado, de 71,09% contra 28,91%.

CARGA PESADA

Pesaram os fatores mudançadesgaste rivalidade partidária – uma vez que o MDB, principalmente, que tem ampla militância em todos os municípios da região, decidiu acompanhar o então candidato do PSL –, e, sobretudo, a “onda Bolsonaro”, que limou campanhas de políticos tradicionais e com poderio econômico Brasil afora.

RECADO DAS URNAS

A vitória do governador eleito Comandante Moisés é, entretanto, incontestável, homérica e legitimada no voto. E traz ao Estado, à política e, ainda mais, ao Vale e Costa Esmeralda todas as mostras de que a democracia é um patrimônio do povo, jamais dos políticos. O recado das urnas, mais uma vez, foi dado. E que Santa Catarina, o país e a região, a partir de 2019, desfrutem de uma nova era, de mais atenção, de muita responsabilidade com o empenho dos recursos públicos, e, principalmente, de relevância absoluta no desenvolvimento.

Intercâmbio

Postado em 29 de março de 2018
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
Foto: Divulgação

Um breve contato na Seincc (Semana da Indústria Calçadista Catarinense) bastou para que o empresário Almir Manoel Atanázio dos Santos, presidente do SincaSJB (Sindicato das Indústrias de Calçados de São João Batista), fosse à Nigéria na semana passada para conhecer a realidade da produção calçadista no país africano.

Santos, mais dois representantes do sindicato, viajaram a convite do governo da Nigéria, com todas as despesas pagas, para, quem sabe num futuro próximo, contribuir com o desenvolvimento do setor calçadista nigeriano. Na feira, em setembro, os visitantes queriam apenas conhecer o maquinário adequado para a montagem dos calçados; e podem ter encontrado, por acaso, o fio da meada.