quinta-feira, 22 de outubro de 2020 VALE DO RIO TIJUCAS E COSTA ESMERALDA

Contraponto

Postado em 14 de outubro de 2020

Sobre a nota “Inimigo íntimo“, de hoje no Blog, o candidato a vereador Valdeci Nunes (REPUBLICANOS) garante que não pediu votos para Antônio da Silva (PP) e Altamiro José Adames (PSD) durante evento da coligação “Unidos Faremos Mais Por Canelinha”, domingo (11), em um bar da cidade, e que apenas recepcionou, cordialmente, os candidatos a prefeito e vice da aliança adversária na chegada ao local.

Nunes diz, ainda, que usou o microfone porque, naquele momento, cantava no karaokê do bar; e que continua alinhado a Diogo Francisco Alves MacielAntonio Carlos Machado Junior, candidatos a prefeito e vice do PSL, com quem o Republicanos é coligado.

Inimigo íntimo

Postado em 14 de outubro de 2020

Se o advogado Diogo Francisco Alves Maciel (PSL) depender do otimismo do candidato a vereador Valdeci Nunes (PRB) — da própria coligação — para alcançar a prefeitura de Canelinha nestas eleições, tem uma tarefa das mais difíceis pela frente. Pelo menos, foi o que ficou evidente no evento de campanha da aliança “Unidos Faremos Mais Por Canelinha”, domingo (11), num bar da Cidade das Cerâmicas.

Nunes, que surpreendentemente participava do encontro, não se conteve: pegou o microfone e bradou “Tonho e Altamiro!”, em referência às candidaturas do ex-prefeito Antônio da Silva (PP) e do vereador Altamiro José Adames (PSD) à chefia do Executivo municipal. A manifestação foi gravada e circula insistentemente, desde então, nos grupos de conversação online da cidade.  Pois, então?!

Três em uma

Postado em 7 de outubro de 2020

Por descuido, desinformação ou inocência, a candidata a vereadora Neusa Ramos Regis (PDT) teve o registro cassado. Ela, enquanto pré-candidata, apresentou o número de urna no Facebook — o que configura propaganda eleitoral antecipada — e deu munição à coligação “O Povo de Novo”, que tem a advogada, vereadora e candidata a prefeita Fernanda Melo (MDB) como representante legal, e que ingressou na Justiça Eleitoral com o pedido de impugnação.

Estima-se que a cassação da candidatura de uma mulher simples, de 67 anos e estreante na vida pública, em princípio, não fosse o objetivo; mas a consequente exclusão, por diminuição do percentual feminino, de outros dois candidatos homens na chapa proporcional do PDT.

Na mesma rede, ao lado do candidato a prefeito Thiago Peixoto dos Anjos (PDT), Neusa lamentou o ocorrido, falou de tristeza e considerou “uma maldade” ter sido tolhida da disputa. O postulante pedetista à prefeitura garantiu que seus advogados farão o possível para reverter a causa.

Buzinas e sinais de luz

Postado em 16 de setembro de 2020
Foto: Ana Maria Cordeiro/Divulgação

Ontem à noite, convencionais do MDB e do PL confirmaram o prefeito Emerson Stein (MDB) e o vice, Elias Cabral (PL), na disputa majoritária de Porto Belo. A dupla esteve à frente do Executivo municipal nos últimos quatro anos e decidiu seguir sem mudanças para a reeleição. A coligação, que tem, ainda, PP, PDT, PTB, PSDB, PATRIOTA, DEM, PSD, PSC e PROS, foi batizada “Porto Belo Merece Ainda Mais”.

A convenção foi realizada nos fundos da Praça da Bandeira, e em formato drive-in (com os participantes dentro de veículos estacionados), seguindo a Nota Técnica nº. 016/2020 do Centro de Operações de Emergência em Saúde, do governo estadual. Mais de cem automóveis participaram da cerimônia, que contou com a presença de líderes partidários e apoiadores. A chapa foi confirmada por aclamação, através de buzinas e sinais de luz e alerta.

Velha novidade

Postado em 9 de junho de 2020

Depois de idas e vindas, o PSL tijuquense tem nova — e velha! — comissão provisória até 31 de dezembro. O bombeiro militar de reserva Gerson Henrique Marcelino volta à presidência da legenda na Capital do Vale, com o contabilista e advogado Paulo Roberto Severiano, de novo, de vice. A validação do órgão foi anotada ontem na Justiça Eleitoral.

De acordo com os novos dirigentes, o partido está apto, agora, a participar das próximas eleições municipais. Eles aguardam orientações da executiva estadual para decidir se negociam uma coligação majoritária, ou se lançam candidatura própria à prefeitura e nominata de candidatos a vereadores no pleito que se avizinha.

Aliança mantida

Postado em 29 de abril de 2020

Os rumores sobre a suposta decisão do PP neotrentino de concorrer em chapa pura na eleição majoritária, publicados no jornal Correio Catarinense de São João Batista semana passada, foram rechaçados ontem pelo presidente municipal da legenda, Jucelino Chini. De acordo com o periódico batistense, o diretório progressista teria se reunido secretamente para sentenciar o rompimento com o PSDB e definir os nomes de Maxiliano de Oliveira (PP) e Josemar Franzoi (PP) como respectivos pré-candidatos a prefeito e vice no projeto governista.

Em entrevista ao jornal O Trentino de Nova Trento, Chini garantiu que a informação não procede, e que “a coligação vitoriosa que elegeu Gian Francesco Voltolini (PP) e Jaison Marchiori (PSDB) em 2016 continua forte”. O presidente do PP projetou, ainda, que a aliança com os tucanos deve se manter “não apenas nas eleições deste ano, mas também nas seguintes”.

Verde amarelado

Postado em 14 de outubro de 2019

Se a nova regência do MDB de Tijucas quis chamar a atenção para a convenção municipal do partido, agendada para sábado (19), já conseguiu. Os tons de amarelo — cor tradicional dos adversários colas-brancas — nos convites, disseminados nas redes sociais, intrigaram tanto partidários e simpatizantes quanto rivais. Próxima presidente do Manda Brasa no município, a vereadora Fernanda Melo Bayer diz que o fundo amarelado na arte tem relação, única e exclusiva, com a bandeira nacional; e completa: “ordem e progresso!”.

A ordem deliberativa da convenção, aliás, também vem causando hesitação. Será a primeira vez que os filiados terão o direito de responder, no evento, em votação secreta, com quem eventualmente desejam coligar em 2020 e quem deve ser o representante emedebista na concorrência majoritária do município.

Obstáculo

Postado em 1 de outubro de 2019

As preocupações do vereador Rudnei de Amorim (DEM) aumentaram com as novas regras para as eleições de 2020. Com as coligações proporcionais impedidas, ele vem confessando aos mais próximos que o quociente eleitoral, no DEM, pode dificultar a reeleição ao Legislativo tijuquense. Para atingir o objetivo, o parlamentar precisa liderar um time com 18 candidatos à Câmara e somar, com eles, cerca de 1,7 mil votos. A atual restringência do partido, que já governou o município e vem sofrendo baixas sistematicamente, seria o principal empecilho.

Amorim, no entanto, aguarda definições sobre o PSL no município. Se o irmão, o secretário municipal Rosenildo de Amorim, conseguir a regência peesselista em Tijucas, é certo que o vereador migre, na próxima janela, para o partido do presidente Jair Bolsonaro — onde, supostamente, a formação de uma nominata mais consistente seria facilitada.

Vice de meio mês

Postado em 3 de julho de 2019

Diz um adágio muito conhecido na política regional que “vice não berra, apenas geme”. E em Nova Trento o dito foi levado à risca. Durante as férias de 30 dias do prefeito Gian Francesco Voltolini (PP), couberam ao vice-prefeito Jaison Moacir Marchiori (PSDB) apenas 15 dias no comando do Executivo. A conta não fecha, mas foi assim. Na segunda quinzena de descanso do titular, quem administra o município é o presidente da Câmara, vereador Valdemir Quaiatto (PP). Tudo para prestigiar a coligação.

Voltolini retoma o posto na segunda-feira (8) e Quaiatto volta para o Legislativo. Marchiori, o vice-prefeito de fato – e de meio mês –, segue aguardando nova oportunidade. Sem berrar. Apenas gemendo. Pelo bem da coligação.

Candidato ou apoiador

Postado em 6 de março de 2019

Ex-prefeito Antônio da Silva (PP), que governou Canelinha entre 2009 e 2016, vem pondo as manguinhas de fora para as eleições municipais de 2020. Na semana passada, reuniu correligionários e lideranças oposicionistas na Cidade das Cerâmicas para “organizar a coligação”.

Diz que “prega a renovação” e que só assumiria novamente uma candidatura a prefeito “se houver um chamado do povo”; e que estaria disposto, inclusive, a apoiar um candidato que represente uma reformulação na política canelinhense.