quinta-feira, 20 de junho de 2024 VALE DO RIO TIJUCAS E COSTA ESMERALDA

Diga-me com quem andas…

Postado em 18 de junho de 2024
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
Foto: Divulgação

Tornou-se público que o empresário Sidney Machado, (PL) pré-candidato a prefeito de Tijucas, esteve com o ex-presidente da República, Jair Bolsonaro, em Brasília, dias atrás. O que muitos desconhecem, entretanto, é que ele não viajou sozinho para a capital federal.

Na comitiva estiveram ainda o presidente do PL tijuquense, Alberto Carlos “Tito” Dolorini, acompanhado da esposa Josiéli Pacheco, e o líder honorário do partido na Capital do Vale, José Vicente “Zezinho” de Souza e Silva. O grupo foi guiado pelo deputado federal Jorge Goetten (PL-SC), com quem têm muita proximidade. Mas apenas Machado, com aval do senador Jorge Seif (PL-SC), foi recebido por Bolsonaro.

E a exclusividade teve motivo. Embora correligionário, Goetten, o cicerone de Zezinho e companhia – com exceção de Ney da Tijusat –, não goza da simpatia do ex-chefe da Nação. O deputado federal, inclusive, surpreendeu recentemente ao acompanhar a bancada de esquerda no Congresso em pautas governistas e chegou a ser rotulado de “traíra” por bolsonaristas nas redes sociais.

Condecoração

Postado em 13 de junho de 2024
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
Foto: Arquivo Pessoal

O empresário e pré-candidato a prefeito de Tijucas, Sidney Machado, conseguiu algo raro para políticos da região: uma audiência informal com o ex-presidente da República, Jair Bolsonaro, na Capital Federal.

As conversas foram intermediadas pelo senador Jorge Seif Júnior, com quem o tijuquense nutre relações estreitas. Ney da Tijusat, como ficou conhecido, levou ao líder liberalista uma bandeira do município e posou orgulhoso para fotos.

Além disso, recebeu das mãos do presidente de honra do PL uma medalha do “Clube Bolsonaro – Imorrível, Imbrochável e Incomível”. O presente, via de regra, é dado somente àqueles que representam e seguem as diretrizes conservadoras defendidas pelo bolsonarismo.

NA CARTOLA

O encontro, a propósito, pode ser um trunfo para Machado na corrida interna do PL. Integrante da “velha-guarda”, ala composta por pessoas que acompanham o ex-presidente desde os tempos de deputado federal, Ney costuma se apresentar como o “único pré-candidato conservador”.

Agora “condecorado” com um objeto tão simbólico, quase que exclusivo para as pessoas próximas de Bolsonaro, a tese pode ser defendida com mais intensidade. Os efeitos poderão ser vistos – ou não -, a partir de agora. A conferir.

Condição única 

Postado em 12 de junho de 2024
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
Foto: Arquivo Pessoal

Das duas, uma: ou o UNIÃO BRASIL de Tijucas garante representação na chapa majoritária, ou a legenda pode desembarcar do projeto governista e buscar uma nova composição para o pleito de outubro. 

O partido, embora esteja concentrada na conjuntura com PP e PSD, não abre mão de ter um candidato a prefeito ou vice-prefeito na chapa. O nome do vereador e ex-presidente do Poder Legislativo municipal, Maurício Poli, por direito, é o indicado para uma das vagas. 

O parlamentar, em atenção ao Blog, não titubeou em afirmar que o grupo vem pleiteando o papel de destaque e que não aceitaria qualquer outro cenário, sob pena, inclusive, de procurar “outro lado”. 

“O União Brasil não abre mão. Criamos um grupo pra estar na majoritária e não vamos abrir mão. Já conversamos com alguns, mas ninguém abraçou ninguém e ainda não sabemos quem será o candidato. Com certeza absoluta não abrimos mão. Isso é um fato. Se não tiver espaço de um lado, vamos abrir uma porta de outro lado. Não tem porque ficar no governo sem espaço”, frisou Poli. 

Projeções

Postado em 27 de maio de 2024
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
Foto: Luan Lucas

O vereador e ex-presidente do Poder Legislativo de Canelinha, Robinson Carvalho Lima, confirmou, em entrevista ao programa LINHA DE FRENTE, quinta-feira passada, que está à disposição do bloco oposicionista – formado especialmente por UNIÃO BRASIL E PP -, para concorrer à prefeitura em outubro.

Embora tenha a pretenção, o advogado, que completa o seu primeiro mandato na Câmara, explicou que a especulada candidatura é resultado da atuação no Legislativo, mas o projeto ainda depende da adesão e das estratégias do grupo.

“As coisas aconteceram ao natural. Hoje, tenho pesquisas eleitorais que nos condicionam a colocar o nome à disposição. Isso é fruto de um trabalho. Temos um grupo e, dentro desse grupo, precisamos definir uma estratégia e, se esse grupo entender que eu sou a melhor opção, estarei a frente”, pontuou o parlamentar.

Carvalho Lima revelou, ainda, a intenção de tentar a reeleição como vereador, caso a candidatura majoritária não seja viabilizada. “Posso ir à reeleição como vereador e será só mais uma vez. Quero ter o conhecimento, nas urnas, se a população aprovou meu trabalho. Mas hoje, sou pré-candidato a prefeito”, completou.

Homenagem póstuma

Postado em 21 de maio de 2024
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
Foto: Arquivo

A Câmara de Vereadores de Tijucas aprovou por unanimidade, na semana passada, um Projeto de Lei em homenagem ao saudoso ex-presidente do Poder Legislativo tijuquense, Eder Muraro, falecido em dezembro de 2022, aos 62 anos.

A proposta, apresentada pelo vereador Paulo César “Frango” Pereira (PSD), batiza uma praça pública, situada no bairro Oliveira – onde Muraro passou boa parte da vida -, com o nome do ex-parlamentar.

“Ele sempre foi muito solicito com os moradores e muito querido pela comunidade. Deixo essa homenagem a essa pessoa de grande importância para o bairro de Oliveira e também para o município de Tijucas”, justificou o autor do projeto.

Mudança expressa

Postado em 24 de abril de 2024
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
Foto: Arquivo Pessoal

A ficha de filiação do empresário Osmar Vidal Rachadel Filho, o popular Mazinho da Borracharia, ao PL de Tijucas, mal havia sido assinada e já passou a não ter validade. Isso porque, cerca de 20 dias após a primeira adesão, Mazinho decidiu embarcar no projeto dos Progressistas e se filiou ao partido.

Alinhado às ideologias “conservadoras”, Mazinho sempre esteve próximo dos partidos que apoiavam, direta ou indiretamente, o ex-presidente da República, Jair Bolsonaro. A ida ao PL, obviamente, era mais uma prova de fidelidade ao “bolsonarismo”.

Em atenção ao Blog, o empresário, entretanto, afirmou que decidiu seguir um “caminho que acredita” e justificou a ida ao PP por avaliar que a candidatura à prefeitura do vereador Maickon Campos Sgrott, em outubro, seja a melhor alternativa para o município.

“Sigo caminhos que acredito. E lá (no PL), não encontrei esse caminho. Nada contra as pessoas que lá estão, até porque são todos, de alguma forma, conhecidos e amigos. Entendo que o melhor pra Tijucas, hoje, é um jovem gestor com muita capacidade. E isso não encontrei em nenhum dos candidatos que colocaram seu nome à disposição, a não ser o Maickon”, revelou.

Mazinho e Sgrott, com largos sorrisos, posaram para uma foto e exibiram a ficha recém-assinada. O empresário pretende, ainda, concorrer a uma cadeira do Legislativo municipal e já se apresenta como um pré-candidato no novo partido.

Movimento liberal

Postado em 24 de abril de 2024
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
Foto: Arquivo Pessoal

Embora tenha dito publicamente que ficaria sem partido até o fim das eleições municipais de outubro, a prefeita Nilza Simas, de Itapema, assinou ontem, com aval do ex-presidente da República, Jair Bolsonaro, a ficha de filiação ao PL.

A mandatária, desde janeiro, já flertava com a legenda. Mas, antes, deixou o PSD – partido que integrou durante os mais de sete anos de gestão -, após divergências com lideranças do partido, mais precisamente, com o deputado estadual, Júlio Garcia, e o prefeito de Chapecó, João Rodrigues.

O último, aliás, teria, em uma reunião informal, anunciado o construtor Clóvis da Rocha Júnior, filho do ex-prefeito Clóvis da Rocha, como pré-candidato peessedista à sucessão. Entretanto, Nilza sempre garantiu que o candidato teria que pertencer ao grupo que administra a cidade atualmente.

Além disso, a prefeita defendia que os candidatos a prefeito e vice deveriam ser quem estivesse em primeiro e em segundo, respectivamente, nas pesquisas de intenção de voto. O que daria, aliás, vantagens para o vereador Carlos Alexandre “Xepa” de Souza Ribeiro (PL) e para o secretário de Sáude, Alexandre Furtado Kons dos Santos (UNIÃO).

Com a desavença, a mandatária deixou o partido e passou, em incursões públicas, a dizer que aguardaria o resultado das eleições para definir o futuro. Entretanto, ontem, em um jantar na vizinha Balneário Camboriú, confirmou a ida para as fileiras liberalistas. O movimento, a propósito, tem vistas nas eleições gerais de 2026, já que a itapemense pretende concorrer a uma cadeira no parlamento catarinense.

Bloco único

Postado em 11 de abril de 2024
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
Foto: Divulgação

Os rumores de que os grupos de oposição ao prefeito Diogo Francisco Alves Maciel (PL), em Canelinha, poderiam organizar um bloco único para o enfrentamento no pleito de outubro, ganharam força nas últimas semanas.

O Blog apurou que o tradicional PP, que já administrou o município em quatro oportunidades (uma ainda como PDS), liderou as conversas com o UNIÃO BRASIL. As duas legendas, hoje, integram um projeto conjunto com vistas no processo eleitoral.

Das conversas, saiu a decisão de que o vereador e ex-presidente do Poder Legislativo municipal Robinson Carvalho Lima deveria se filiar ao UNIÃO. O translado, inclusive, foi aprovado e apoiado pelos progressistas, mesmo que a baixa deixe o PP sem representação no parlamento municipal.

Com o movimento, o advogado estaria apto a representar o grupo nas eleições como candidato a prefeito. Mais do que isso: poderia, sem o “11” na frente, construir uma composição com o MDB e juntar, no mesmo palanque, os dois mais tradicionais partidos do município que, por décadas, rivalizaram e disputaram, voto a voto, boa parte dos pleitos em Canelinha.

11 + 15 = 44

Os principais articuladores entendem que disputar o eleitorado canelinhense, dividindo a eleição em três candidaturas, facilitaria a caminhada de Alves Maciel para a reeleição. Mas, em contrapartida, não seria fácil convencer um emedebista ferrenho a digitar o 11 na urna. O contrário também.

Entretanto, há um consenso de que tanto os colas-brancas quanto os colas-pretas poderiam assimilar melhor a ideia de votar 44, em prol de uma retomada do Executivo municipal. Pois então…

Em linha reta

Postado em 1 de abril de 2024
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
Foto: Reprodução/Redes Sociais

As crenças ideológicas estão acima de qualquer projeto político ou pessoal que o empresário Felipe Lemos possa ter. O posicionamento do líder do PL municipal e pré-candidato a prefeito de São João Batista foi mais uma vez sublinhado no fim de semana, durante a estada do ex-presidente Jair Bolsonaro em Balneário Camboriú.

Lemos, que sempre defendeu a direita conservadora e a postura de Bolsonaro mesmo que não participasse do movimento político, continua, agora como presidente de partido e postulante à prefeitura, seguindo os passos do maior expoente liberalista em território brasileiro. E desta vez, na cidade litorânea, não foi diferente.

“Sempre defenderei aquilo que acredito e confio. Por Deus, pela minha família, pela nossa pátria e pela liberdade”, escreveu o batistense nas redes sociais assim que postou, orgulhoso, fotos e vídeos do ato.

Muro baixo

Postado em 22 de março de 2024
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
Foto: Arquivo Pessoal

Ex-presidente do PP de Nova Trento, o vereador Jucelino Marino Chini vai realizar o antigo desejo de ser uma opção para a prefeitura, mas em outra legenda. Ele é o mais ilustre recém-chegado ao PSDB neotrentino, e será apresentado à militância tucana neste sábado (23), na sede do Circolo Trentino.

Chini mantinha a esperança de ser lembrado na regência progressista, mas esbarrou no domínio do ex-secretário municipal de Saúde, Maxiliano de Oliveira, e na cominação do também vereador Silvio César Correia como alternativas de primeira ordem.

COALIZÃO

O ingresso do ex-progressista nas fileiras do PSDB não significa necessariamente uma mudança de rota. Os partidos continuam aliados – apesar das divergências –, e devem seguir de mãos dadas para o pleito de outubro.

O terceiro elemento da conjuntura seria o PL, que não abre mão de ter Max como cabeça de chapa.