domingo, 12 de julho de 2020 VALE DO RIO TIJUCAS E COSTA ESMERALDA

Ideologia à parte

Postado em 18 de fevereiro de 2020

As diferenças ideológicas não foram empecilho para que a deputada estadual Ana Paula da Silva (PDT), de Bombinhas, fosse convidada a liderar a bancada governista na Assembleia Legislativa. Não para o governador Carlos Moisés da Silva (PSL), pelo menos. A representação do PDT em Santa Catarina, porém, torceu o nariz e pediu explicações à parlamentar.

Em carta aos correligionários, Paulinha pontuou que não foi eleita “para ser ‘oposição’ ou ‘situação'”, e nem “para ocupar o tempo de tribuna com reclamações”. A deputada revela, ainda, que “neste ano de convívio com o governador, conheceu um homem que, sem nenhum constrangimento, optou também pela sua consciência aos jargões dos preconceitos ideológicos” … “que, em sua humildade, dialoga (com os deputados pedetistas) sem ensejar contrapartidas ou negociações”.

Pronta a aceitar o convite, a ex-prefeita de Bombinhas ponderou que “para ele (o governador) talvez fosse ainda mais difícil, no rol da obviedade da política medíocre que nos faz míopes das grandes verdades da alma, explicar a escolha de uma líder mulher, pedetista, eleitora de Ciro (Gomes (PDT), candidato à presidência da República nas eleições de 2018 e crítico voraz de Jair Bolsonaro (PSL)”. Pois, então?!

Fogo amigo

Postado em 25 de novembro de 2019

Chefe do departamento de Estrada de Rodagem — subordinado à Secretaria Municipal de Obras, Transportes e Serviços Públicos de Tijucas —, o servidor em cargo comissionado Renato Sartori certamente tem muito que explicar ao prefeito Eloi Mariano Rocha (PSD) e à cúpula administrativa do município. Em manifestação pública nos grupos de conversação online, ele escreveu que “apareceu mais três chefe laranja (sic)” no setor que comanda, e que “é muito chefe para pouco índio”.

A publicação repercutiu freneticamente na seara oposicionista e se transformou em munição contra o governo tijuquense.

Versão exclusiva

Postado em 22 de fevereiro de 2017

Em contato com o blog, na sequência da nota “Cadernos vazios“, o servidor público municipal Luiz Henrique Araujo, lotado na EEF Santa Terezinha na função de vigia, garante que em momento algum substituiu professores ausentes no trato dos alunos. “O que fiz foi ajudar a escola. Ajudar fazendo meu papel. Tomando conta dos alunos”, relata.

De acordo com o vigilante, as crianças ficaram sob a supervisão de um educador, e ele apenas auxiliou nos cuidados aos estudantes. “Não passei exercício. Não fiz papel de professor. Até porque a diretora não permite isso”, explica.

Araujo revela, ainda, que ficou profundamente abalado com a repercussão do ato, que trata como “politicagem”, e diz que não se arrepende de ter servido à escola. “Minha consciência está limpa. E continuarei a ajudar no que estiver ao meu alcance”, conclui.